quinta-feira, 6 de outubro de 2016

CULTURA EM NITERÓI - RESERVA CULTURAL: Festival do Rio chega a Niterói


 


“Elis”, de Hugo Prata, conta a história da cantora Elis Regina. Foto: Divulgação


Décima edição do evento traz vasta programação e pré-estreias para o Reserva Cultural

Começa nessa quinta (06) e vai até o dia 16 de outubro a décima edição do Festival do Rio, que transforma a Cidade Maravilhosa em capital do cinema por dez dias, reunindo 250 filmes de mais de 60 países espalhados por 15 mostras em cerca de 20 locais de exibição. Nesta edição, as exibições se estendem também para Niterói, com filmes no Reserva Cultural, recentemente inaugurado em São Domingos, em Icaraí. O evento na cidade vai acontecer de 7 a 19 de outubro e contará com lançamentos exclusivos, com a presença de roteiristas, diretores, atores, além de exibir mais de 100 filmes de 60 países diferentes, divididos nas já tradicionais mostras: Panorama, Expectativa, Première Brasil, Midnight, Première Latina, etc.

A mostra Première Brasil, por exemplo, traz mais de 50 filmes brasileiros que concorrem ao Troféu Redentor, prêmio dado aos melhores longas e curta-metragens eleitos por voto popular e pelo júri oficial. Um dos filmes exibidos será “Elis”, de Hugo Prata, que conta a história da cantora Elis Regina, com sessão no Reserva Cultural Niterói na segunda-feira, dia 10, às 21h15. Além de “Elis”, serão mais de sete noites de gala na cidade com os filmes: “Planetarium”, no dia 9/10, com a presença da diretora Rebecca Zlotowski; “Minha amiga do parque” (Mi amiga del parque), no dia 10/10, com a presença da atriz Julieta Zylberberg; “Pequeno Segredo” (que concorre a uma vaga no Oscar na categoria Melhor Filme Estrangeiro), no dia 12/10, com o diretor David Schurmann e o ator Marcello Antony; “Damocles”, no dia 13/10, com a presença do diretor Manuel Schapira e do produtor Sebastien Labadie; “Lavoura Arcaica” e “BR 716”, ambos no dia 14.

Alem da mostra Première Brasil, o festival oferece aos cinéfilos de plantão diversão para todos os gêneros. A mostra “Monstros da Universal” faz sua estreia exibindo sete clássicos dos estúdios Universal restaurados, filmados entre 1930 e 1954, incluindo “Drácula” e “A noiva de Frankenstein”. A mostra Film Doc, por sua vez, se encarrega da metalinguagem do festival, exibindo documentários sobre cinema, inclusive o impressionante “Voyage à travers le cinèma français”, de Bertrand Tavernier, que conta a história do cinema francês.

Tapete vermelho – No dia da abertura, no Reserva Cultural Niterói, haverá a exibição dos filmes “A economia do amor” (L’économie du couple), às 13h30 e às 19h20; “Tommaso”, às 15h30; “O Grande Dia” (Le Grand Jour), às 17h30; e “O túnel” (Teo-neol), às 21h20. À noite, o show musical ficará por conta do pianista Marvio Ciribelli com seu trio a partir das 19h30. Já no sábado, dia 8, às 19h20, será promovida a noite de gala em Niterói do filme “Dominion”, com a presença do diretor Steven Bernstein e do ator Rodrigo Santoro.

Além das exibições de filmes aclamados, o festival conta com o RioMarket, a área de negócios e workshops, além de mostras e prêmios. A abertura conta, pela primeira vez, com ingressos à venda para o público, e acontece na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, que faz sua estreia sediando a abertura do festival. Dos 1.050 lugares disponíveis, 200 estão à venda pelo site da Cidade das Artes, por R$ 50 a inteira. A abertura começa às 21h.


Sábado (08) será promovida a noite de gala em Niterói do filme “Dominion”, com a presença do diretor Steven Bernstein e do ator Rodrigo Santoro. Foto: Divulgação


Nos quase últimos 20 anos, o Festival do Rio tem construído um caminho para mostrar o que está sendo feito no cinema do mundo para o brasileiro e para o carioca. Trazendo um grande volume de diretores e produtores, a intenção é mostrar um pouco de cada movimento do cinema de cada lugar e deixar o público traçar o seu caminho de acordo com o que mais gostar. “Na hora que a gente faz o festival para o público, estamos também garantindo que exista um mercado e um desejo por mais filmes. Mais do que fomentar o interesse, é criar oportunidades concretas para o cinema brasileiro e latino, mas também para todo o cinema em relação ao público no Brasil”, explica Ilda Santiago, uma das diretoras e curadora do festival.

A programação para Niterói foi definida tentando buscar um público que não estava nas edições anteriores do festival. A direção quis alcançar toda a Grande Niterói, chamando a população para partilhar da experiência cinematográfica. A proposta não é trazer o maior número possível de filmes, mas trazer filmes de maior variedade para que o público possa degustar um pouco de cada. “Isso é que é o bom de um festival, é uma aventura. Você pode escolher vários filmes e dizer ‘eu saí do festival com uma experiência de cinema diferente do que eu teria simplesmente sem o festival’”, resume a diretora.

A programação completa do Festival do Rio está no site: www.festivaldorio.com.br


Fonte: O Fluminense







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.