quinta-feira, 16 de junho de 2016

Lançado em Niterói Guia de Trilhas do Parque Estadual da Serra da Tiririca






Publicação traz informações sobre as 15 trilhas situadas na unidade de conservação e no seu entorno e está disponível no site do Inea

O Costão de Itacoatiara, Morro Alto Morão, sítio arqueológico (em Itaipu) e o túnel da antiga Estação Ferroviária de Maricá são alguns dos atrativos que o visitante poderá contemplar ao percorrer um dos caminhos do “guia de trilhas” do Parque Estadual da Serra da Tiririca lançado pelo secretário estadual do Ambiente, André Corrêa, nesta terça-feira (14/06), em Itacoatiara, na Região Oceânica de Niterói.

A publicação traz informações sobre as 15 trilhas situadas na unidade de conservação e no seu entorno, como o nível de dificuldade, localização e trajeto, além de um breve histórico sobre o Parque Estadual da Serra da Tiririca.

Na cerimônia de lançamento, o secretário estadual do Ambiente, André Corrêa, falou sobre a importância das Parcerias Público Privadas (PPP) para o desenvolvimento do estado e reiterou que, em 30 dias, será publicada a primeira manifestação de interesse para as empresas interessadas em partilhar a gestão dos parques com o Estado. O primeiro modelo será implementado no Parque Estadual de Ilha Grande:

“Não é privatização de unidade de conservação. O chefe é público. A fiscalização é pública. O poder público não tem a velocidade de fazer a gestão dos diversos serviços que podem atrair recursos para a conservação. Precisamos inovar nessas questões e as PPPs podem ser um caminho”, disse o secretário.

“O guia de trilhas permitirá ao visitante explorar muitas das belezas naturais do nosso parque. Estamos investindo na melhoria dos nossos parques”, acrescentou o diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas do Inea, Paulo Schiavo.

Em seu discurso, o vice-prefeito de Niterói, Axel Grael, ressaltou que o guia de trilhas ajudará o parque a cumprir sua função social que é o de atrair visitantes, incentivando o lazer e a educação ambiental:

“Ao conhecer as belezas naturais da unidade de conservação bem como sua biodiversidade, o visitante aprenderá a preservá-la. Isso tudo se integra ao esforço da Prefeitura de Niterói para ampliar suas unidades de conservação municipais. Somando a área do Parque da Tiririca com as unidades de conservação que criamos, estamos chegando a 50% do território de Niterói protegido por unidades de conservação. Poucas cidades metropolitanas do Brasil podem contar com uma extensão tão grande de território protegido”, disse ele.

O chefe das Unidades de Conservação do Instituto Estadual do Ambiente, Fernando Matias, pediu a colaboração da população para a preservação das trilhas do parque da Tiririca:

“Infelizmente, perdemos placas de sinalização com muita frequência por que são destruídas pelas pessoas que vão ao parque. Então, a cultura dos visitantes precisa ser trabalhada. Queremos sensibilizar o visitante de que isso é um bem público. ”, destacou ele.

Guia de Trilhas

Uma boa opção para os visitantes é a trilha do Alto Morão. Com nível de dificuldade moderado, o trajeto a ser percorrido é de, aproximadamente, três quilômetros e leva ao ponto mais alto do parque: o Morro do Alto Morão com cerca de 450 metros de altitude.

Outro destaque é a trilha das Andorinhas. Com nível de dificuldade leve, o trecho a ser percorrido é de 800 metros, passando por uma comunidade de pescadores tradicionais de Itaipu e por dois mirantes: um voltado para a Praia de Itaipu e o outro, para a Praia de Itacoatiara. O guia de trilhas está disponível no site do Inea: www.inea.rj.gov.br

Com 3.493 hectares, o Parque da Serra da Tiririca abrange partes dos municípios de Niterói e Maricá. É composta por área marinha e uma terrestre.

Fonte: SEA





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.