segunda-feira, 13 de junho de 2016

Programa que protege botos da Baía de Guanabara é ameaçado por crise na Uerj



Na Baía de Guanabara, boto-cinza convive com lixo Foto: Custódio Coimbra / Agência O Globo

Bruno Alfano


A crise da Uerj está afetando os projetos de pesquisa da instituição. O Laboratório de Mamíferos Aquáticos e Bioindicadores (Maqua), por exemplo, pode interromper suas atividades por falta de recursos. Ontem, a Uerj realizou a primeira fase de seu vestibular em meio à mais grave crise da história da instituição.

A falta de coleta de lixo especializado é, atualmente, o maior risco ao laboratório. O local para armazenar resíduos químicos e biológicos já está ficando lotado. José Laílson, um dos coordenadores do Maqua, prevê que, caso não haja recursos para a realização do serviço, o trabalho pare.

— O serviço parou por falta de pagamentos. Conseguimos um dinheiro extra no começo do ano, mas agora já precisa de novo. Teremos que parar por insalubridade — diz.

"O boto-cinza é uma espécie ameaçada de extinção. A Baía de Guanabara é o local mais crítico: há apenas 36 animais sobreviventes".


O principal projeto do laboratório já sofre cortes: o monitoramento dos botos, que nas baías de Guanabara, Sepetiba e Ilha Grande diminuiu pela metade o número de saídas a campo.

— Saíamos de quatro a oito vezes por mês. Agora, não temos dinheiro para mais do que duas idas a campo. A situação está chegando no limite — afirma José Lailson.

O boto-cinza, símbolo da cidade do Rio de Janeiro, é uma espécie ameaçada de extinção. A Baía de Guanabara é o local mais crítico: há apenas 36 animais sobreviventes. As outras duas baías somam mais 1.800 indivíduos, mas só no ano passado foram encontrados cem mortos.

A falta de pagamento dos bolsistas é um dos maiores problemas. Professora do Instituo de Física, Lilian Pantoja conta que perde estudantes talentosos para outras instituições por conta da crise. A Uerj tem uma dívida de R$ 150 milhões e, em 2016, só teve uma semana de aulas.

Fonte: Extra



-----------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

BOTOS 'DÃO AS CARAS' EM JURUJUBA: participantes do Projeto Grael registraram a presença dos botos na Enseada de Jurujuba
ALUNOS DO PROJETO GRAEL SÃO PREMIADOS COM A PRESENÇA DE BOTOS DURANTE ATIVIDADE AMBIENTAL
Projeto Grael divulga relatório para contribuir para a solução do lixo flutuante na Baía de Guanabara
PROJETO GRAEL LANÇA CAMPANHA DE ARRECADAÇÃO PARA VIABILIZAR ATIVIDADES
ENSEADA LIMPA: Golfinhos fazem espetáculo no mar de Charitas. Melhorias na balneabilidade da enseada poderiam estar ajudando a atrair estes visitantes?

MAIS SOBRE BOTOS
Ameaça que vem à tona. Os botos e a saúde ambiental da Baía de Guanabara
Com a maior concentração de botos, Mangaratiba lança projeto de avistamento
Boto-cinza, da Baía de Guanabara, entre as 10 espécies mais ameaçadas do RJ
Conhecendo os botos: Projeto Grael recebe pesquisadores do MAQUA
Exposição celebra 20 anos de pesquisa sobre mamíferos aquáticos do RJ
Participantes de programa ambiental do Projeto Grael registram um lobo-marinho na Baía de Guanabara
Toninha, um golfinho tímido e símbolo do Rio
Projeto Grael passa a compor a Rede de Colaboradores do Golfinho Flíper
Estudo inédito identifica 550 espécies de plantas e animais nas ilhas Cagarras






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.