quinta-feira, 23 de julho de 2015

BRASIL ESTÁ MAIS INFLAMÁVEL






Claudio Angelo, do OC –

Mesmo com redução na taxa de desmatamento, número de incêndios e período de fogo cresceram nas últimas décadas; cientistas culpam clima e fragmentação de florestas

O desmatamento e as mudanças climáticas deixaram o Brasil mais vulnerável a incêndios florestais nas últimas décadas. Na Amazônia, essa tendência persiste mesmo com a queda na velocidade da devastação a partir de 2005.

As conclusões são de dois estudos independentes, um publicado na semana passada e outro ainda inédito, assinados por pesquisadores americanos e brasileiros. Ambos se valem de extensos registros de imagens de satélite, que cobrem um período que vai de 1979 a 2013.

"Os incêndios florestais estão mais longos e atingem áreas maiores".


O estudo americano foi liderado por Matt Jolly, do Serviço Florestal dos EUA, e saiu no periódico Nature Communications. Jolly e seus colegas buscaram avaliar a influência das mudanças do clima na duração da temporada de queimadas e na vulnerabilidade a incêndios de florestas do mundo todo nas últimas três décadas.

No total, o período do ano em que o calor e a secura favorecem o fogo aumentou 18,7% no planeta, e a área global sujeita a queimar dobrou.

Analisando imagens de satélite e dados meteorológicos desde 1979, o grupo concluiu que todos os continentes menos a Austrália apresentaram tendências significativas de aumento nos incêndios. No total, o período do ano em que o calor e a secura favorecem o fogo aumentou 18,7% no planeta, e a área global sujeita a queimar dobrou.
A "última década (...) foi (...) a mais quente já registrada desde que a humanidade começou a medir temperaturas com termômetros, no século XIX.

Os incêndios florestais estão mais longos e atingem áreas maiores. No período de 34 anos analisado, houve seis anos nos quais mais de 20% da área vegetada do planeta foi afetada por longas estações de fogo. Todos aconteceram na última década – que foi também a mais quente já registrada desde que a humanidade começou a medir temperaturas com termômetros, no século XIX. Um desses anos foi 2010, quando a Rússia foi atingida pelo pior incêndio florestal de sua história.


Imagem mostra como inflamabilidade evoluiu no planeta entre 1979 e 2013


O grupo americano suspeita da perturbação no ciclo hidrológico induzida pelo aquecimento do planeta. Embora o total de chuvas no ano não tenha diminuído nas áreas afetadas, essas chuvas estão menos espaçadas – e possivelmente mais intensas. Isso aumenta o número de dias secos na temporada de queimadas: em média, o mundo ganhou 1,31 dia seco a mais por década.

"... em média, o mundo ganhou 1,31 dia seco a mais por década. (...) Na Amazônia e no cerrado, o aumento médio na temporada de queimadas foi de impressionantes 33 dias em 35 anos.


Em nenhum lugar essa tendência é tão marcada quanto na América do Sul. Na Amazônia e no cerrado, o aumento médio na temporada de queimadas foi de impressionantes 33 dias em 35 anos. “Estações de queimada mais longas prolongam condições para incêndios por condução, potencialmente expandindo a área suscetível a incêndios que escapam de áreas desmatadas”, afirmam os pesquisadores. Entre as regiões afetadas está Rondônia, que decretou estado de emergência neste mês devido às queimadas.

Saturação

É precisamente isso o que parece estar acontecendo na região amazônica, de acordo com o outro estudo, liderado por Ane Alencar, do Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), que será publicado em agosto na revista Ecological Applications.

Alencar e colegas do Ipam e das universidades de Stanford e da Flórida, nos EUA, analisaram imagens de satélite de 1983 a 2007 e mostraram que a região sudeste da floresta amazônica, onde está o chamado Arco do Desmatamento, tem sofrido o impacto duplo da extrema fragmentação e da recorrência de extremos climáticos, como o El Niño de 1998 e a seca de 2005.

“Entre 1983 e 2007, eventos de estiagem causaram incêndios florestais que ficaram maiores, mais frequentes e abarcaram um leque maior de meses da estação seca”, descrevem os autores.

Eles destacam que o próprio fato de uma floresta pegar fogo na Amazônia já é algo extraordinário, uma vez que a ideia clássica sobre a região era de que a selva fosse úmida demais para queimar. Antes da colonização, evidências sugerem que as matas amazônicas só incendiassem a cada 400 ou mil anos. Essa realidade mudou radicalmente.

Em 24 anos, "15% de florestas densas, de dossel fechado – “inqueimáveis”, segundo o raciocínio clássico – (...) pegaram fogo. A maior parte dos incêndios, porém, aconteceu em florestas abertas (44%) e nas matas de transição, entre a Amazônia e o cerrado (46%)".


Nos 24 anos de análise do grupo de Alencar, 15% de florestas densas, de dossel fechado – “inqueimáveis”, segundo o raciocínio clássico – na área estudada pegaram fogo. A maior parte dos incêndios, porém, aconteceu em florestas abertas (44%) e nas matas de transição, entre a Amazônia e o cerrado (46%).

“Em florestas úmidas, este aumento foi associado a eventos de seca, enquanto em florestas mais abertas o aumento na probabilidade de queima ocorreu mesmo se descontarmos a seca – provavelmente algo relacionado com a fragmentação da paisagem”, diz Paulo Brando, pesquisador do Ipam e coautor do estudo.

Segundo ele, mesmo com a redução das chamadas fontes de ignição (queimadas iniciadas por desmatamentos), na última década, quando a taxa de corte raso começou a cair, as florestas ainda estão pegando fogo. Em 2007, por exemplo, a área queimada na região do Xingu, que tem florestas abertas e de transição, foi muito superior à de outros anos, embora a quantidade de fontes de ignição não tenha aumentado significativamente.

Isso sugere, prossegue Brando, que boa parte da Amazônia está “saturada” de fontes de ignição. Ou seja, o desmatamento avançou tanto na fronteira que a única coisa que determina se as florestas vão ou não pegar fogo é o clima.

É como se a floresta no Arco do Desmatamento tivesse atingido um ponto de virada, a partir do qual grandes incêndios ocorrerão sempre que houver um ano de estiagem anormal. Com a mudança do clima, esses anos anormais estão virando o novo normal.

“Estamos vivendo um novo regime de fogo nessas áreas, onde o impacto das mudanças climáticas acaba sendo potencializado pelos impactos locais decorrentes da fragmentação e supressão da cobertura florestal”, disse Ane Alencar ao OC.

Como os incêndios florestais podem aumentar as emissões de carbono por degradação florestal três ou quatro vezes mais do que o desmatamento, esse novo regime pode criar um perigoso mecanismo de “feedback” entre devastação e aquecimento global, no qual um alimenta o outro.

Segundo os cientistas, o ideal, na Amazônia, é reduzir o desmatamento de forma drástica, para prevenir incêndios mesmo nos anos secos.

Já para o cerrado a história é outra, diz Brando. “Apesar de os fogos serem parte natural do bioma, eles estão acontecendo no final da estação seca e não no início, como acontecia naturalmente. Além disso, temos gramíneas invasoras que ajudam a deixar os incêndios muito mais intensos do que costumavam ser.”

(Observatório do Clima/ #Envolverde)

* Publicado originalmente no site Observatório do Clima.

Fonte: Envolverde


-------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

Visitação suspensa no Parque Estadual da Serra da Tiririca
Incêndio na Serra da Tiririca destrói o equivalente a 15 campos de futebol
Incêndio de grandes proporções atinge a Serra da Tiririca
POLÍCIA DESCOBRE UM DEPÓSITO DE BALÕES NA ILHA DE JURUBAÍBA, NA BAÍA DE GUANABARA. Comando de Polícia Ambiental realiza operação em SG
POLÍCIA APERTA O CERCO CONTRA OS BALÕES. Municípios de Niterói e São Gonçalo são responsáveis por metade das ocorrências envolvendo artefatos no Estado do Rio
Ação da polícia apreende 150 balões em São Gonçalo e indicia por crime ambiental os responsáveis
Polícia Ambiental fecha fábrica de balões em São Gonçalo
COMBATE AO CRIME DE SOLTAR BALÃO - Disque Denúncia oferece recompensa de até R$ 2 mil contra balões
Polícia detém 54 suspeitos de participarem de um festival de balões em Belford Roxo
Presos em operação contra soltura de balões em São Gonçalo
Balão de dez metros apreendido em Várzea das Moças
CPAm e GAM apreendem balão em São Gonçalo e Maricá neste domingo
Balão cai em área residencial e provoca destruição em São Gonçalo
Fiscalização no combate aos balões e vários foram apreendidos
Comando de Polícia Ambiental interdita fábrica de balões em Maricá
INEA FARÁ CAMPANHA DE FISCALIZAÇÃO CONTRA BALÕES
Criminosos soltam balões em plena situação crítica de incêndios
Muitos focos de queimadas em Niterói. Responsáveis pelos incêndios serão investigados
Crime ambiental: fiscalização aperta o cerco contra baloeiros
Crime ambiental: hoje de manhã, 20 balões sobre Niterói
Incêndio criminoso na Serra da Tiririca, em Itaipuaçu
Rio tem recorde de focos de queimada em 2014 devido à onda de calor








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.