quinta-feira, 23 de julho de 2015

Visitação suspensa no Parque Estadual da Serra da Tiririca


Pelo 15 hectares foram destruídos pelas chamas, o equivalente a 15 campos de futebol.
Foto: Evelen Gouvêa

Cícero Borges

Vegetação nativa, típica de costões rochosos, foi destruída pelas chamas

A administração do Parque Estadual da Serra da Tiririca suspendeu a visitação na unidade após o incêndio que devastou a região na última segunda e terça. De acordo com o coronel José Maurício Padrone, da Coordenação Integrada de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca) da Secretaria de Estado do Ambiente, ainda será realizado um estudo para quantificar a destruição da área, mas a estimativa é que aproximadamente 150 mil metros quadrados de mata nativa, o equivalente a 15 campos de futebol, foram atingidos. Segundo especialista, o prazo para que a área seja recuperada pode levar até 60 anos.

“Vamos ainda quantificar com exatidão o prejuízo que foi causado à vegetação nos próximos dias, mas, a princípio, as estimativas mostram que pelo menos uma área de 15 hectares foi destruída. A chuva foi excelente porque molhou todo o terreno e acabou com qualquer possibilidade de novos focos”, informou Padrone, chamando a atenção para o número de balões apreendidos pelo Comando de Policiamento Ambiental (Cpam) da Polícia Militar desde o início do ano.

“O Cpam já apreendeu quase 500 balões desde janeiro. A prática continua porque infelizmente a punição ainda é muito branda. O principal trabalho para que se possa de uma maneira evitar esse tipo de crime é o de denúncia por parte dos moradores. As pessoas estão muito engajadas em ajudar e, quando veem o fogo perto de suas casa, denunciam. Em áreas de difícil acesso, o combate torna-se muito mais complicado e caro porque requer a utilização de helicópteros, por exemplo, para o lançamento de água, porque os incêndios provocados por balões geralmente começam em locais onde as equipes não conseguem resgatá-los a tempo”, disse o coronel.

Para o professor do Instituto de Geociências da Universidade Federal Fluminense (UFF) e especialista em queimadas, Kenny Tanizaki, a área deverá se recuperar naturalmente, mas o processo poderá levar muitos anos.

“Muitas espécies de árvores devem rebrotar. As áreas que não foram afetadas ao redor do local ficam vivas e acabam semeando, através de um processo natural, a área afetada, além de os próprios animais que circulam por ali também fazer este trabalho. O problema é o tempo, que para estes tipo de casos demoram em média entre 40 e 60 anos para que todo o reflorestamento esteja completo. Os 15 hectares vão demorar décadas para se regenerar”, prevê o especialista.

O professor conta ainda que um reflorestamento também pode ser feito na área.

“A princípio não imagino que precise de um reflorestamento, mas essa possibilidade existe. No entanto, para se fazer, hoje, um trabalho como esse, é preciso desembolsar um valor de R$ 20 mil a R$ 60 mil por hectare. Para desmatar é muito fácil, mas para reflorestar é difícil”, explicou.

De acordo com a legislação ambiental, provocar incêndio em florestas ou matas é um crime ambiental que pode acarretar penas de prisão de dois a quatro anos. Já a pena para quem fabricar, vender, transportar ou soltar balões é de um a três anos, ou multa de R$ 1 mil a R$ 10 mil, ou ambas as penas, conforme o caso.

Quem quiser denunciar a fabricação ou soltura de balões pode entrar em contato com a Linha Verde pelo telefone 2253-1177.

Fonte: O Fluminense


------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

Incêndio na Serra da Tiririca destrói o equivalente a 15 campos de futebol
Incêndio de grandes proporções atinge a Serra da Tiririca
POLÍCIA DESCOBRE UM DEPÓSITO DE BALÕES NA ILHA DE JURUBAÍBA, NA BAÍA DE GUANABARA. Comando de Polícia Ambiental realiza operação em SG
POLÍCIA APERTA O CERCO CONTRA OS BALÕES. Municípios de Niterói e São Gonçalo são responsáveis por metade das ocorrências envolvendo artefatos no Estado do Rio
Ação da polícia apreende 150 balões em São Gonçalo e indicia por crime ambiental os responsáveis
Polícia Ambiental fecha fábrica de balões em São Gonçalo
COMBATE AO CRIME DE SOLTAR BALÃO - Disque Denúncia oferece recompensa de até R$ 2 mil contra balões
Polícia detém 54 suspeitos de participarem de um festival de balões em Belford Roxo
Presos em operação contra soltura de balões em São Gonçalo
Balão de dez metros apreendido em Várzea das Moças
CPAm e GAM apreendem balão em São Gonçalo e Maricá neste domingo
Balão cai em área residencial e provoca destruição em São Gonçalo
Fiscalização no combate aos balões e vários foram apreendidos
Comando de Polícia Ambiental interdita fábrica de balões em Maricá
INEA FARÁ CAMPANHA DE FISCALIZAÇÃO CONTRA BALÕES
Criminosos soltam balões em plena situação crítica de incêndios
Muitos focos de queimadas em Niterói. Responsáveis pelos incêndios serão investigados
Crime ambiental: fiscalização aperta o cerco contra baloeiros
Crime ambiental: hoje de manhã, 20 balões sobre Niterói
Incêndio criminoso na Serra da Tiririca, em Itaipuaçu
Rio tem recorde de focos de queimada em 2014 devido à onda de calor






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.