domingo, 9 de abril de 2017

GESTÃO DE RESÍDUOS EM NITERÓI: Novo CTR funcionará no Morro do Céu



Unidade só receberá resíduos públicos, possibilitando vida útil de 20 anos. Foto: Leonardo Simplicio / Prefeitura de Niterói



Espaço ganhará um moderno centro de tratamento de chorume e pode receber unidade geradora de energia

Até o fim deste ano, Niterói vai ganhar um moderno Centro de Tratamento de Resíduos (CTR), com uma unidade específica para tratamento de chorume (líquido formado a partir da decomposição de matéria orgânica presente no lixo). A unidade, no Morro do Céu, só receberá resíduos públicos, possibilitando uma maior vida útil, estimada em 20 anos.

Hoje, a célula emergencial do Morro do Céu recebe apenas resíduos provenientes de poda de árvores e varrição das ruas da cidade. Resíduos domiciliares são destinados ao CTR de Anaia, em São Gonçalo. Os resíduos de saúde são destinados ao CTR de Itaboraí, e os de construção civil vão para aterros licenciados. Todo o material reciclável é doado a cooperativas de catadores.

A célula do Morro do Céu conta, ainda, com monitoramento da qualidade das águas, do ar, geotécnico e ambiental. Todas as equipes que atuam no local recebem treinamento e capacitação.

De acordo com o presidente da Clin, Luiz Fróes, o objetivo é tornar o novo CTR da cidade um modelo. Para isso, a empresa deve apresentar, também este ano, um projeto de tratamento de resíduos orgânicos por meio da biodigestão com geração de energia.

“A ideia é que o processamento dos orgânicos se dê por um digestor, que deverá trabalhar na decomposição dos resíduos em torno de 30 dias, de forma contínua, visando obter regularmente o biogás e composto orgânico. Este processo, utilizado mundialmente, é realizado em uma caixa de concreto pré–moldado hermética que retém todos os gases gerados durante o tratamento”, conta.

Luiz Fróes ressalta que o diferencial desse CTR é que se trata de uma obra de engenharia com todos os requisitos de segurança ambiental. “Esta é uma obra que conta com um sério e extenso trabalho de planejamento e projeto executivo, com todos os requisitos de segurança ambiental, e está em processo de licenciamento pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea). Nossa meta é acrescentar ao novo CTR essa unidade geradora de energia. Para isso estamos iniciando os estudos de viabilidade do projeto”, explica Fróes.

Segundo ele, Niterói tem se destacado pelo cumprimento de todas as normais sanitárias e ambientais em relação à destinação de resíduos:

“Desde 2013, Niterói cumpre, rigorosamente, todos os itens da lei federal dos resíduos sólidos, com a mais correta destinação final, com a coleta seletiva, com a destinação dos resíduos de saúde e de construção civil e com o gerenciamento dos grandes geradores (estabelecimentos e empreendimentos que geram mais de 120 litros de resíduos por dia)”, explica.

Luiz Fróes ressalta que a decisão de utilizar aterros licenciados de municípios vizinhos é recomendável. “Esta solução regional é desejada pelos governos, federal e estadual, por todos os ambientalistas, bem como pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública (Abrelp)”, pontua.

Ao mesmo tempo que cita o cumprimento da legislação, Fróes ressalta que, mesmo diante de um cenário de grave crise econômica, Niterói ainda realiza investimentos:
“Mesmo com toda a dificuldade de municípios urbanos encontrarem áreas para novos aterros, Niterói inaugurará este ano o seu novo CTR. E no futuro podemos ter mais novidades”, destaca.

Chorume – A maior parte do lixo gerado no Brasil é matéria orgânica, principalmente restos de comida. A decomposição desses resíduos provoca o aparecimento do chorume, um líquido tóxico, que, em contato com o solo, pode contaminar a terra, tornando–a imprópria para a existência da flora e para a manutenção da fauna, e infiltrar até os lençóis freáticos, afetando a qualidade das águas subterrâneas.

O que é biodigestão – É a decomposição da matéria orgânica por bactérias na ausência de oxigênio. A digestão anaeróbica produz biogás próprio para a geração de energia elétrica e térmica, além de um composto orgânico natural de alta qualidade no fim da digestão.

A industrialização dos orgânicos se dará por um digestor, que deverá trabalhar na decomposição dos resíduos em torno de 30 dias, de forma contínua, visando obter regularmente o biogás e composto orgânico.

Fonte: O Fluminense




------------------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

Niterói ganhará centro para tratar chorume e gerador de energia


Exemplo do que se considera resíduos públicos

Seconser limpa Canal de São Francisco
Canal de São Francisco recebe ação de limpeza
Niterói intensifica limpeza de bueiros e canais

Outras postagens

CONSCIÊNCIA E CIDADE MAIS LIMPA: menos lixo nas ruas de Niterói
Nova York transformou o seu lixão no maior parque da cidade
LIXO MARINHO: ONU lança campanha para tirar plásticos dos oceanos
Pesquisadores encontraram quantidade alarmante de lixo no fundo do Mar Ártico

INICIATIVAS DE NITERÓI NA ÁREA DA RECICLAGEM E DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL SOBRE O LIXO
EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Ação ‘Eu Curto Praia Limpa’ recolhe 720 litros de resíduos
NITERÓI RECICLA 5% DO SEU LIXO. A média da Região Metropolitana do RJ é de cerca de 1%
LIXO - Mutirão recolhe 900kg de lixo da enseada localizada após a Prainha de Piratininga
Lixo reciclável dará desconto na conta de luz em Niterói
CLEAN UP DAY - Dia de limpar praias em Niterói
Mobilização em Niterói para limpar praias
CLIN realiza mutirão de limpeza e campanha de conscientização em comunidade no bairro do Centro
CLIN realiza mutirão de limpeza nas pedras do Gragoatá e Boa Viagem

ENSEADA LIMPA
CENTRO DE OFÍCIOS DA RECICLAGEM: Programa Recicla Niterói vai inaugurar Centro de Ofícios da Reciclagem no Barreto
Projeto NITERÓI ECOCULTURAL apresenta instrumentos musicais ecológicos

COMUNIDADE CLIN

Prefeitura promove mutirão social e ambiental orientar sobre descarte correto de lixo em Jurujuba
PROJETO COMUNIDADE CLIN - Mutirão de limpeza recolhe cerca de cinco toneladas de lixo da comunidade Caniçal

Outras postagens

Projeto Grael divulga relatório para contribuir para a solução do lixo flutuante na Baía de Guanabara
Clin retira 200kg de resíduos das pedras da Boa Viagem e do Gragoatá
Pesquisas inéditas mostram que reciclagem de cápsulas de café é problemática no Brasil
LIXO FLUTUANTE: Projeto "De Olho no Lixo" retira resíduos da Baía de Guanabara
LIXO MARINHO: Países reúnem-se na Alemanha para debater o problema
LIXO MARINHO: ONU publica documento com orientações para formuladores de políticas públicas











Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.