domingo, 20 de dezembro de 2015

TECNOLOGIA PARA EVITAR TRAGÉDIAS - cooperação UFF e Defesa Civil de Niterói


Comunidade Coronel Leôncio, na Engenhoca, será a primeira a ser monitorada em tempo real.

Alunos e técnicos da universidade estiveram na Comunidade Coronel Leôncio recolhendo dados e fazendo pesquisas
Foto: André Redlich


Vanessa Lima

Projeto desenvolvido pela UFF passará a monitorar a partir do ano que vem, em tempo real, áreas de risco em comunidades
 
A comunidade Coronel Leôncio, na Engenhoca, será a primeira região de Niterói a receber uma plataforma que monitora em tempo real as áreas de riscos geológicos do município. O projeto, desenvolvido pela Universidade Federal Fluminense, por meio do Programa UFF SOS Comunidade, é uma ferramenta inédita em todo o mundo, capaz de monitorar de forma imediata a susceptibilidade de cada local aos deslizamentos e prever o número de residências que podem ser afetadas.
A previsão é que o sistema entre em fase operacional a partir do primeiro semestre do ano que vem e a expectativa é que o projeto seja implantado em toda a cidade até o fim de 2017.

"A ideia é que o mapa seja implantado na sala de monitoramento da Defesa Civil e o sistema realize, automaticamente, o cruzamento dos números obtidos nesses mecanismos com parâmetros de solo, declividade e vertentes das encostas."

O Mapa de Susceptibilidade a Escorregamento foi desenvolvido pelo professor do Departamento de Análise Geoambiental, Elias Arruda, em 2013, com base no desastre de Nova Friburgo, na Região Serrana. A plataforma prevê os riscos por meio da coleta de dados dos modelos matemáticos de previsão do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), do radar meteorológico do Rio de Janeiro e dos pluviômetros instalados em toda a cidade.
 
A ideia é que o mapa seja implantado na sala de monitoramento da Defesa Civil e o sistema realize, automaticamente, o cruzamento dos números obtidos nesses mecanismos com parâmetros de solo, declividade e vertentes das encostas. Após a verificação, o gráfico deve destacar, em tempo real, os polígonos de risco na tela digital.
 
“O mapa de alerta é gerado através de dados dinâmicos e outros fatores ambientais. Por isso, o modelo se diferencia das demais metodologias de monitoramento, uma vez que registra dados no momento da ação e integra dados de várias fontes. Nosso objetivo é obter um resultado preciso utilizando dados ativos, ao invés de mecanismos estáticos. Deste modo conseguimos fazer a soma do que já choveu com a milimetragem do que está por vir, levando em conta as condições geográficas da região”, explica o professor.

Pesquisas irão compor o Mapa de Susceptibilidade a Escorregamento da região
Foto: André Redlich
 
Desde o ano passado, 11 alunos bolsistas do programa de extensão realizaram estudos na comunidade Coronel Leôncio, onde foi analisado o posicionamento de 609 casas dentro do espaço geográfico. Durante o trabalho de campo, também foi verificado em quais residências vivem pessoas vulneráveis como idosos, crianças e deficientes, a fim de agilizar as ações operacionais em casos de deslizamentos.
 
De acordo com a supervisora do programa UFF SOS Comunidade, Catarina Ribeiro, além de identificar os locais de risco, também foram coletados dados socioeconômicos dos moradores.
 
“Ao chegarmos na comunidade, mapeamos cada residência para saber quais pontos apresentam maior grau de periculosidade. Assim, é possível fazer o mapa de risco, em que calculamos o volume populacional do território com a área de risco. Nosso intuito é averiguar os fatores de escorregamentos e descobrir onde encontram-se os grupos vulneráveis da região, com a proposta de auxiliar no trabalho de resgate”, afirma a supervisora.
 
O primeiro teste da plataforma será realizado no início do ano que vem e o plano dos gestores é desenvolver novos modelos de monitoramento para outros tipos de desastres.
O projeto de expansão, que será realizado através de uma parceria com a Prefeitura de Niterói, a Defesa Civil, também a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e UFF, está em fase de análise. Segundo os gestores do sistema, após a implantação da plataforma em todo o território, Niterói estará a um passo de conquistar o título de “Cidade Resiliente”.
​ 
Nos últimos cinco anos, uma série de ações foram tomadas afim de prevenir e reduzir o impacto das chuvas no município, como contenção de encostas, modernização da Defesa Civil e a criação de novas áreas protegidas.

Fonte: O Fluminense


-------------------------------------------------

LEIA TAMBÉM:

Defesa Civil de Niterói

NITERÓI RESILIENTE - Defesa Civil de Niterói realizou simulação de deslizamento de encosta com moradores da comunidade do Boavista
DEFESA CIVIL DE NITERÓI promove um exercício simulado de evacuação na comunidade da Boa Vista no próximo sábado
NITERÓI RESILIENTE - Defesa Civil de Niterói promove simulado de evacuação em escola no Barreto
DEFESA CIVIL NA ESCOLA - Defesa Civil de Niterói realizou Exercício Simulado de Evacuação da Escola Municipal Prof. André Trouche
DEFESA CIVIL DE NITERÓI REALIZOU EXERCÍCIO SIMULADO DE EVACUAÇÃO NA COMUNIDADE CORONEL LEÔNCIO
PREVENÇÃO CONTRA DESLIZAMENTOS: Prefeitura de Niterói realiza primeiro simulado de evacuação de área e resgate de feridos 
NITERÓI CONTRA QUEIMADAS - Experiência da Defesa Civil de Niterói na prevenção e combate às queimadas é premiada
DEFESA CIVIL DE NITERÓI promoveu hoje o 1º Seminário de Educação Continuada para NUDECs
NITERÓI RESILIENTE - Defesa Civil de Niterói promove formação continuada de voluntários
Defesa Civil de Niterói: trabalho em várias frentes para fazer de Niterói uma cidade mais segura
NITERÓI RESILIENTE - Prefeitura anuncia planejamento para ocorrências climáticas durante o próximo verão
NITERÓI RESILIENTE - Defesa Civil de Salvador/BA visita Niterói para conhecer Sistema de Alerta e Alarme do município

Ações da Prefeitura nas encostas e gestão de riscos geotécnicos em Niterói

Obras de contenção de encosta em Icaraí e reforço do canal de Camboatá em pleno andamento
DEFESA CIVIL DE NITERÓI MONITORA CHUVAS NA CIDADE. Volume de chuvas ainda considerados de baixo risco. Nenhuma ocorrência registrada
PREFEITURA DE NITERÓI lança hoje site com informações sobre DEFESA CIVIL
Dirigentes da Defesa Civil Estadual visitam Niterói para avançar parcerias
DEFESA CIVIL DE NITERÓI realizou simulação de situação de emergência climática nas escolas
DEFESA CIVIL DE NITERÓI divulga balanço das chuvas de 05 de dezembro de 2014
Sistema de alerta de sirenes começa a funcionar em Niterói
Obra de construção do CISP - Centro Integrado de Segurança Pública começa a ganhar corpo
DEFESA CIVIL: Prefeitura define procedimentos para atuar em emergências de deslizamentos de encostas e alagamentos
I Seminário da Defesa Civil de Niterói reforçou parcerias
Defesa Civil instala sirenes de alerta em 25 comunidades
Defesa Civil de Niterói: trabalho em várias frentes para fazer de Niterói uma cidade mais segura
Município de Niterói recebe primeiros pluviômetros automáticos
Começa a implantação de sirenes de alerta em Niterói
Vistoria nas obras de contenção de encostas no Morro do Palácio
Dirigentes da Defesa Civil Estadual visitam Niterói para avançar parcerias

Questões Climáticas

DEFESA CIVIL - El Niño deixará verão mais quente e chuvoso no Rio
DEFESA CIVIL - Sobre as chuvas e ventos do fim de semana em Niterói
DEFESA CIVIL - Balanço de ocorrências das chuvas na cidade durante o fim de semana

Sistema de pluviômetros e Sirenes de Niterói
 
Município de Niterói recebe primeiros pluviômetros automáticos
Chuvas: sirenes e pluviômetros vão monitorar 39 favelas de Niterói
SIRENES - Defesa Civil faz mais um treinamento para as comunidades que terão os sistemas de emergência
Começa a implantação de sirenes de alerta em Niterói
I Seminário da Defesa Civil de Niterói reforçou parcerias



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.