sábado, 5 de dezembro de 2015

RAQUETADAS QUE ELEVAM A AUTOESTIMA DE CADEIRANTES




Texto: Pedro Conforte
Foto: Marcello Almo


Elevar autoestima e trazer felicidade para cadeirantes e de quebra conquistar medalhas em competições de tênis. Esse é o objetivo do projeto Escolinha de Tênis Cadeiras na Quadra, idealizado pelo tenista José Carlos Morais e o técnico Sérgio Alves dos Santos, que desde 2009 oferece aulas a cadeirantes gratuitamente. Mesmo não sendo o objetivo principal, existem alunos que começam a se destacar, como o jovem Caio Gonçalves, de apenas 16 anos, que foi medalha de bronze no último fim de semana nas olimpíadas estudantis, representando o Rio de Janeiro.

Com a experiência de já ter participado da Olimpíada de Atlanta, em 1996, José Carlos parou de jogar profissionalmente em 2002, a partir daí a profissão virou hobby. Em 2009, com o apoio de Sérgio teve início a escolinha, com o objetivo de transmitir o conhecimento adquirido em anos com as raquetes.

"Eu quero que os jovens tenham o mesmo caminho que eu tive e as mesmas oportunidades. O tênis é um esporte onde no final do jogo os jogadores se cumprimentam. É muito gratificante ver estes 12 alunos jogando e sorrindo, porque muitos no início tinham autoestima baixa e mal sorriam, mas agora eles estão muito mais felizes", explicou José Carlos, que lembra que para participar das aulas é só chegar e começar.

Atualmente, são três unidades que oferecem as aulas (em Itacoatiara e Concha Acústica, em Niterói, e no Cefan, no Rio de Janeiro), mas a intenção é que uma quarta unidade comece a funcionar na Associação Fluminense de Reabilitação, em Icaraí, até fevereiro. "Estamos em negociação. Nossa intenção é ajudar na reabilitação das crianças. Elas fazem o tratamento e depois vão bater uma bola para descontrair. Caso tome gosto, a criança pode ir para uma das outras unidades", afirmou.

Desde 2011 jogando tênis, Caio trouxe para Niterói uma medalha no tênis em dupla nos jogos estudantis, que aconteceram na última semana em Natal. Começando na natação, ele se interessou pelo a raquete e a bolinha pelo projeto da Escolinha. "Tenho o sonho de participar um dia de uma olimpíada, mas estou focado em voltar a competir no Parapan estudantil em 2017 em São Paulo. Pensando um pouco mais alto, quem sabe também competir na França no campeonato que tem os oito melhores do mundo?", declarou.

Fonte: A Tribuna






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.