domingo, 1 de novembro de 2015

CIDADES VERDES: As florestas protegidas nas cidades


Vista do arborizado bairro dos Jardins, em São Paulo. Se toda cidade fosse assim... (Foto: Alexandre Mansur)


MARCIA HIROTA E EVANGELINA VORMITTAG*

Uma cidade arborizada e biodiversa, com temperaturas mais frescas, clima regulado e ar puro ainda é um sonho

Vivemos desconectados das nossas florestas. Com poucas exceções, repetimos um modelo de desenvolvimento em que grandes populações são adensadas em centros urbanos cinzas e áridos, repletos de serviços de todos os tipos, mas distantes dos serviços ambientais tão importantes à nossa sobrevivência e qualidade de vida. A água, vamos buscar cada vez mais longe. Uma cidade arborizada e biodiversa, com temperaturas mais frescas, clima regulado e ar puro, é quase sonho.

>> Por que você deve valorizar as árvores de sua rua no verão

A causa essencial dessa desarmonia entre percepção e realidade se dá pela falta de conhecimento sobre o papel das florestas nas nossas vidas. Acreditamos que florestas são apenas aquelas grandes extensões de copas de árvores distantes das cidades, mas nos esquecemos que nossas próprias cidades foram construídas sobre essas áreas verdes e ainda dependem muito do que delas sobraram.

No Brasil, 72% da população, algo como 145 milhões de pessoas, vive nas 3.429 cidades da Mata Atlântica e dependem dos serviços ambientais prestados pelo bioma. Essas cidades apresentam também um dos maiores índices de urbanização do país, com quase 90% da população vivendo em áreas urbanas. E qual a surpresa se não que boa parte do que restou da Mata Atlântica e hoje encontra-se protegida também está próxima ou inserida nessas mesmas regiões urbanizadas.

"Mais de 80% das UCs Municipais da Mata Atlântica estão sob influência dos centros urbanos e próximas das pessoas. Isto porque a maioria dessas unidades estão localizadas nas cidades (71%) ou no seu entorno (10%)".


O dado é de um recente estudo em que a SOS Mata Atlântica buscou compreender os desafios dessa relação entre urbanização, conservação da natureza e cidadania, mapeando, pela primeira vez, a situação das Unidades de Conservação (UCs) Municipais da Mata Atlântica.

As UCs são áreas que possuem recursos fundamentais para a vida e, por isso, são protegidas por lei e devem receber o cuidado de todos. Elas estão dividias em 12 categorias, algumas bastante restritivas e que não permitem a entrada de pessoas; outras não apenas permitem como estimulam a visitação, como são os casos dos parques – dois exemplos são os famosos Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro, e o Parque Nacional do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, no Paraná.

O levantamento da SOS Mata Atlântica identificou 730 Unidades de Conservação Municipais, que totalizam 2,3 milhões de hectares (ha). A maior parte dessas UCs (715 unidades ou 2,29 milhões de ha) estão em áreas de florestas ou ecossistemas associados. Outras 15 unidades (80 mil ha) foram registradas na Zona Marinha. As UCs Municipais identificadas representam 46% do total de unidades existentes na Mata Atlântica.

"SOS Mata Atlântica identificou 730 Unidades de Conservação Municipais, que totalizam 2,3 milhões de hectares (ha). A maior parte dessas UCs (715 unidades ou 2,29 milhões de ha) estão em áreas de florestas ou ecossistemas associados. Outras 15 unidades (80 mil ha) foram registradas na Zona Marinha. As UCs Municipais identificadas representam 46% do total de unidades existentes na Mata Atlântica".


Mais de 80% das UCs Municipais da Mata Atlântica estão sob influência dos centros urbanos e próximas das pessoas. Isto porque a maioria dessas unidades estão localizadas nas cidades (71%) ou no seu entorno (10%).

Mesmo em menor número (19%), as unidades inseridas no ambiente rural dos municípios representam a maior cobertura territorial, o equivalente a 81%, sendo sua principal contribuição a proteção e manutenção da água doce e bacias hidrográficas que abastecem os centros urbanos.

Essas florestas inseridas ou próximas das cidades trazem ainda diversos outros benefícios, como a regulação do clima, a qualidade do ar e a proteção da saúde das pessoas, temas que ficam para um segundo artigo.

Para conservar e recuperar as áreas verdes das nossas cidades, antes temos um desafio extremamente importante pela frente: reconectar meio ambiente e sociedade. Nossa qualidade de vida, saúde, alimentação, equilíbrio e bem-estar social dependem da natureza.

*Marcia Hirota é diretora-executiva da Fundação SOS Mata Atlântica; Evangelina Vormittag é diretora presidente do Instituto Saúde & Sustentabilidade.

Fonte: Revista Época


----------------------------------------------------

LEIA TAMBÉM:

PARQUES - Pequenas áreas verdes são importantes, mas cidades precisam de grandes parques
Estudo inédito apresenta valor econômico e social de unidades de conservação
GESTÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS - Organizações sociais vão poder atuar na gestão ambiental dos parques estaduais, decide Alerj
MORRO DO MORCEGO: Aventura em 360º na Zona Sul de Niterói

NITERÓI MAIS VERDE - ÁREAS PROTEGIDAS CRIADAS OU EM PLANEJAMENTO NA ATUAL GESTÃO
NITERÓI MAIS VERDE - Vice-prefeito e técnicos da Prefeitura visitam a Praia do Sossego para definir detalhes de obra de infraestrutura
NITERÓI MAIS VERDE - Visita ao Morro do Castro, no Barreto, para planejar a implantação de áreas protegidas na Zona Norte da cidade
PRO-SUSTENTÁVEL MAIS PERTO: Prefeito de Niterói tem reunião com os secretários da Receita Federal e Tesouro Nacional em Brasília
Prefeitura de Niterói publica decreto criando Núcleo Ambiental na Praia do Sossego, em Piratininga
Infraestrutura nas trilhas do PARNIT vai promover esportes, turismo e dar mais segurança aos usuários
Mario Mantovani, da SOS Mata Atlântica, visita Niterói para conhecer ações de conservação sendo desenvolvidas na cidade
NITERÓI MAIS VERDE - PARNIT ganhou reconhecimento e destaque em revista especializada dos EUA
PARNIT - Prefeitura de Niterói mapeia dez trilhas ao redor do Parque da Cidade
DIA HISTÓRICO EM NITERÓI: Foi publicado hoje o Decreto 11.744, que instituiu o PARNIT  
Niterói + Verde e PARNIT: Decreto cria 22,5 milhões de metros quadrados de áreas protegidas na cidade

ÁREAS VERDES RECUPERADAS

NITERÓI MAIS VERDE - Horto do Fonseca volta a ser reduto de lazer
Concha Acústica de Niterói passará por revitalização e ganhará equipamentos de esporte e lazer
NITERÓI MAIS VERDE: Revitalizado, Horto do Fonseca, em Niterói, atrai 11 mil pessoas por semana
PROTEÇÃO ÀS ÁREAS VERDES E SÍTIOS HISTÓRICOS DE NITERÓI - Parque das Águas, em Niterói, será reaberto no ano que vem com restaurante e shows de música
NITERÓI MAIS VERDE: Revitalizado, Horto do Fonseca, em Niterói, atrai 11 mil pessoas por semana
Prefeitura de Niterói e BNDES discutem parcerias na área de mobilidade, reflorestamento de encostas, cultura e modernização da gestão
Morros de Niterói recebem trabalho de reflorestamento 
Niterói planta mudas para combater os deslizamentos de terra
Parque da Cidade receberá 10 mil mudas em projeto de reflorestamento
BNDES lança linha para apoiar restauração ecológica






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.