segunda-feira, 16 de maio de 2016

Polícia Ambiental apreende 16 balões no Dia das Mães




Divulgação/Inea/Polícia Ambiental


A prática de soltar balões é uma das principais causas de incêndios florestais, cujo risco aumenta no período de estiagem que vai de maio a outubro

O Comando de Polícia Ambiental (CPAm) deflagrou neste domingo (8/05), Dia das Mães, a Operação Balão na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. A ação resultou na apreensão de 16 balões. Um deles tinha 12 metros e foi apreendido em Bangu, na Zona Oeste da cidade e, outros quatro, foram capturados pelo Grupamento aeromarítimo (GAM)da PM, quando caíam na Baía de Guanabara. Ninguém foi preso.

Os balões foram apreendidos nos seguintes bairros: Vicente de Carvalho (um); Estrada Pau da Fome, em Jacarepaguá (dois); Baía de Guanabara (quatro); Del Castilho (quatro); Ricardo de Albuquerque (um); Campo Grande (dois); Bangu (um); e Duque de Caxias (um). Em 2015, a Polícia Ambiental apreendeu 498 balões no Estado do Rio de Janeiro. Este ano, até o momento, foram apreendidos 43 balões.

A soltura de balões é uma das principais causas de incêndios florestais, cujo risco aumenta no período de estiagem, que vai de maio a outubro. Para coibir esta prática, o CPAm deflagra a Operação Balão nas datas comemorativas quando essa prática é mais comum.

A pena para quem fabricar, vender, transportar ou soltar balões é de um a três anos de reclusão, com base na Lei de Crimes Ambientais (Lei nº 9.605/ 98). O infrator também está sujeito a multa de R$ 500,00 por unidade de balão apreendido (Lei Estadual 3467/2000).

Devido ao período de estiagem, equipes do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) intensificaram as fiscalizações nos Parques Estaduais. A finalidade é coibir ações que possam acarretar em incêndios florestais. Recentemente, uma equipe do Parque Estadual da Serra da Tiririca, com apoio do Corpo de Bombeiros, conseguiu debelar um foco de incêndio na região norte da unidade de conservação, na entrada de Itaipu, na Região Oceânica de Niterói.

Em patrulhamento de rotina, a equipe flagrou G.S.G ateando fogo em vegetação em área situada em zona de amortecimento do Parque da Serra da Tiririca, o que configura crime ambiental. O Corpo de bombeiros foi acionado e o grupo conseguiu debelar as chamas que, por pouco, não se alastrou. O incêndio destruiu cerca de 80 metros quadrados de área.

G.S.G foi conduzido para a 82 D.P (Maricá) onde prestou esclarecimentos. Ele responderá por crime ambiental com base no artigo 41 (atear fogo em vegetação) da Lei de Crimes Ambientais ( Lei nº9.605/98).

A população pode denunciar soltura de balões e outros crimes ambientais através do Linha Verde do Disque denúncia: 0300 253 1177 ou pelo telefone do Serviço Reservado do Cpam: 2334 7632.

Fonte: SEA








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.