sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

PENÍNSULA DA INOVAÇÃO: UFF e prefeitura de Niterói anunciam formação de um polo de economia criativa



Os marcadores vermelhos indicam imóveis abandonados ou desocupados que deverão virar sede de startups - Divulgação



Leonardo Sodré

O projeto prevê a recuperação de casarões degradados

NITERÓI — Especialistas garantem: serão menos prejudicadas pela crise econômica as empresas que investirem em inovação. Apostando nessa premissa, a Agir, agência de inovação da UFF, firmou uma parceria com a prefeitura de Niterói para atrair investimentos privados e estabelecer um novo polo de desenvolvimento tecnológico na região que abrange Ingá, Boa Viagem, Gragoatá e São Domingos. O projeto, batizado de Península da Inovação, prevê a recuperação de casarões degradados para a instalação de startups. Para atrair as empresas, o município estuda oferecer isenções fiscais. Até o fim do ano que vem, a meta é ter dez empresas integrando o novo polo. A Agir estima que em cinco anos 50 startups estarão instaladas em Niterói.

A menina dos olhos do projeto é o setor de videogames que, apesar da crise, segue em franco crescimento. Dados de empresas do ramo apontam um movimento de US$ 66 bilhões em vendas por ano no mundo. No Brasil, o faturamento é, em média, de US$ 1 bilhão. De 2009 a 2014, as vendas de jogos on-line cresceram 256% e as de games para tablets e celulares, 780%. De acordo com o economista Thiago Renault, diretor da Agir, a Península da Inovação será um polo atrativo para empresas de médio porte desse setor.

— Temos na UFF muita produção de conhecimento no setor de jogos e de biotecnologia, por exemplo. Vamos atrair empresas de médio porte, com faturamento em torno de R$ 60 milhões, R$ 50 milhões ao ano. É um perfil de empresa ousada que quer crescer rapidamente para o patamar de R$ 300 milhões de faturamento. O que esse investidor mais precisa é de gente qualificada, e na UFF há inteligência e pessoas capacitadas para produzir inovação — observa.

Um exemplo de sucesso de empresa do setor em Niterói é a Aiyra, sediada no Centro. A startup, especializada no desenvolvimento de jogos eletrônicos, foi criada em 2006 e ficou até 2009 na incubadora da Agir para que fosse elaborado um modelo para o negócio. A firma não divulga o faturamento, mas, com sete anos no mercado, reúne mais de 20 colaboradores diretos e indiretos e já desenvolveu produtos para gigantes como a Intel e a Coca-Cola. Para o cientista da computação Adrian Laubisch, sócio da empresa, o setor carece de espaços dinâmicos, e o novo polo niteroiense pode aquecer o mercado, aproximando criadores de investidores.

— A grande vantagem do mercado de jogos é que as pessoas podem desenvolver seus próprios games para vender. Niterói tem vantagens que o Rio não tem, principalmente por ter a UFF. A universidade é um dos maiores centros de referência do país no desenvolvimento de jogos — considera ele, que se formou na universidade.

A gestão da Península da Inovação ficará a cargo de um conselho formado por membros da Agir, da prefeitura e da sociedade civil e acadêmica. O investimento de R$ 1,2 milhão para a criação do polo tecnológico foi captado via edital da Faperj e está em fase final de liberação. Thiago Renault estima que, depois de consolidada, a Península da Inovação movimente algo em torno de R$ 1 bilhão.

— A universidade tem um papel na parte do software que vai direcionar os estudos, indicando os pesquisadores mais adequados para cada projeto e cedendo o know-how. As empresas terão o papel de trazer para Niterói oportunidades de mercado que possam gerar emprego e renda. Nosso objetivo é que o polo gere mil empregos qualificados, para mestres e doutores fazerem pesquisa. E isso vai ser muito bom para a universidade, porque a interação com o mercado vai gerar aumento de pesquisas, pois trará, cada vez mais, perguntas a serem respondidas — afirma Renault.

REVITALIZAÇÃO DE CASARÕES

A prefeitura terá um papel fundamental na criação da Península da Inovação: precisará requalificar a infraestrutura urbana e tecnológica da região, com transporte dinâmico e potentes redes de fibra ótica. O município também quer promover, com o projeto, a revitalização de dezenas de casarões nos bairros do Ingá, Boa Viagem, Gragoatá e São Domingos que estão desocupados; alguns muito degradados. Para isso, estuda oferecer isenção de IPTU aos proprietários para que facilitem a locação ou a venda dos imóveis; e de ISS às empresas, para tornar o modelo atrativo economicamente aos empresários, que serão responsáveis pela recuperação dos casarões. Na lista de possíveis sedes para as startups estão cerca de 40 casas na região.

— Estamos em processo de elaboração das condições fiscais com a Secretaria de Fazenda e da questão de infraestrutura com a Secretaria de Urbanismo. A maior parte desses imóveis tem padrão residencial, o que precisa ser alterado. Depois que terminarmos de elaborar o modelo, negociaremos caso a caso com cada proprietário — explica Luiz Antônio Botelho Andrade, subsecretário municipal de Ciência e Tecnologia.

Fonte: O Globo Niterói








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.