domingo, 18 de dezembro de 2016

Legado dos Jogos: Marina da Glória recebe sede da vela brasileira



Leonardo Filipo

Entidade terá inédita saída para o mar, sala, vagas para barcos e container. Ouro nos Jogos do Rio, Kahena Kunze diz que legado deveria ter começado antes da Olimpíada

A Marina da Glória, casa da vela nos Jogos Olímpicos, recebera a sede da confederação brasileira da modalidade. A CBVela assinou nesta quinta-feira contrato com a BR Marinas para ter uma base no local. Será uma sala de 90 metros quadrados, 21 vagas secas para barcos (fora d´agua) e um container para pequenos reparos. A seleção olímpica passará a treinar lá e serão feitos esforços para trazer grandes competições e regatas, além de promover o contato entre novos e experientes velejadores. Também está incluída uma escolinha gratuita para alunos de escolas públicas da região.


Kahena Kunze e Martine Grael na Marina da Glória com o colete usado a campanha do ouro (Foto: Edu Chagas/ CBVela)

A cerimônia de assinatura do acordo na Marina reuniu atletas, como as campeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze, o bicampeão olímpico Robert Scheidt, a medalhista de bronze Isabel Swan, o coordenador técnico da equipe brasileira, Torben Grael, além de dirigentes, como o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman. Kahena elogiou a estrutura, embora acredite que a vela poderia ter tido um legado antes dos Jogos.

- Para mim esse legado deveria ter começado antes dos Jogos. Tinha espaço e dinheiro para investir nisso. Vir o legado agora é ótimo, mas a gente podia ter investido isso no começo. Mas nunca é tarde. Trazer a CBVela cá vai trazer mais velejadores para a baía, um lugar bom para treinar - disse.

Ela e a parceira Martine foram homenageadas na cerimônia. Assistiram a trechos da conquista e assinaram um dos coletes que elas usaram na competição, e que ficará exposto na sede da CBVela. O barco da conquista também foi exposto.


Bernard, Nuzman, Gabriela Lobato, presidente da Marina da Glória, Marco Aurélio Sá, Torben Grael e Daniel Santiago na assinatura do convênio entre BR Marinas e CBvela (Foto: Edu Chagas/ CBVela).


Chefe da CBVela, Marco Aurélio Sá comemorou o acordo, que terá duração inicial de dez anos e sem custos para a entidade.

- Fechamos um ciclo com um legado material sem nenhum custo, sem elefante branco. Não haverá nenhum passivo para a confederação - disse o dirigente.

Receber grandes regatas e competições esta nos planos da parceria. Diretor executivo da CBVela, Daniel Santiago, também destaca o inédito fato de a CBVela ter, pela primeira vez, uma sede com acesso ao mar.

- Na maioria dos países é assim. Trazemos os atletas da equipe olímpica para treinar juntos, o que não poderia fazer sem atrapalhar a rotina de um clube, por exemplo. Movimentar de uma maneira que fomente a modalidade e fazer um intercâmbio dos mais velhos com os mais jovens. O principal é que a gente vai unir esforços com a BR Marinas para trazer grandes eventos para cá, paradas de grandes regatas, como a Volvo Ocean Race, a Cape Town Rio, regatas que movimentam a economia local, sediar campeonatos nacionais e mundiais - disse.

Scheidt ressaltou o fato da vela ter, enfim, um espaço público.

- A estrutura de clube por si só elitiza. Então é muito bom se um garoto tiver a possibilidade de treinar enquanto a equipe olímpica está aqui - disse.
Fonte: Globo Esporte 








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.