sábado, 25 de março de 2017

Como o carro vai deixando de ser status entre os alemães



Opel Manta, antigo objeto de desejo para os jovens da Alemanha.


Se na década de 1950 qualquer garoto sabia modelo e ano de todo veículo, hoje a fascinação é bem menor entre os jovens alemães. Fatores vão de novas regras do mercado de trabalho a símbolos de status alternativos.

Para Christian Eichler, a bicicleta é seu principal meio de transporte – e também o único. "Não tirei carteira de motorista; para mim até agora simplesmente não houve motivo. Sempre morei em cidades maiores, onde não preciso de carro." Quando o rapaz de 28 anos precisa transportar algo, ele liga para os amigos, e até agora sempre acabou dando certo.

Segundo os dados mais atuais do Instituto de Demoscopia Allensbach (IfD), Eichler está totalmente dentro do espírito da época: cada vez menos jovens alemães se sentam atrás do volante. Enquanto em 2005 73% de quem tinha entre 25 e 29 anos dirigiam, em 2016 a proporção é de apenas 60%.

O automóvel como sonho da juventude, comprado com os primeiros salários no estágio profissional, parece ter seus dias contados. Mas será mesmo?

Michael Sommer, diretor de projeto do IfD, relativiza: "O carro se torna cada vez menos importante para os jovens urbanos. No campo, em contrapartida, seu significado, no mínimo, permanece constante."

Na cidade, afinal, há grande número de alternativas. Em comparação com os meios de transporte público e a bicicleta, o automóvel próprio está cada vez menos atraente, devido à falta de estacionamentos, os engarrafamentos e os custos altos. E, para quem precisar de um de qualquer jeito, há sempre o aluguel e o car-sharing.

Nas zonas rurais, por outro lado, muita coisa não é possível sem as quatro rodas – a menos que se esteja disposto a pedalar 15 quilômetros a cada ida ao supermercado. Ou a organizar a vida na dependência do ônibus local, que passa três vezes por dia.

Bicicleta de design exclusivo é mais cotada como símbolo de status entre a juventude


Símbolo de status em declínio

Isso é o que se refere ao uso prático do automóvel. Mas, e quanto a seu significado social, o veículo como símbolo de status, produto ampliador da personalidade, a que se atribui valor emocional? O sociólogo econômico Holger Rust já pesquisa há tempo a relação entre os jovens e os veículos motorizados.

"Nos anos do 'milagre econômico', a motorização individual era algo assim como a promessa cumprida da democracia do pós-guerra. Sucesso profissional e pessoal se expressavam na escolha do veículo. Através das décadas, então, o automóvel pouco a pouco perdeu seu status simbólico."

Na década de 1950, todo garotinho sabia dizer modelo, ano de fabricação e o número de cavalos-de-força de cada carro, lembra Rust. Na segunda metade dos anos 2010, tal fascinação vai bem longe, como confirmam os dados do instituto em Allensbach: se no ano 2000 44% dos alemães entre 18 e 29 anos ainda se interessam pelo tema, em 2016 eram apenas 31%.

O sociólogo observa que as novas circunstâncias econômicas dos jovens são corresponsáveis por esse desinteresse. "Atualmente muitos entram na vida profissional relativamente tarde. E mesmo aí, muitas vezes se trata de contratos por tempo limitado." E quando as possibilidades de poder arcar com um automóvel são tão distantes, é também inútil se ocupar do objeto.

Além disso, em comparação a antes existe um grande número de produtos que funcionam como símbolo de status alternativo. A juventude atual tende antes a expressar a que grupo pertence através de um smartphone, uma certa marca de bicicleta ou a decoração da moradia, afirma Holger Rust.

E a combinação também revela mais do que os produtos isolados. "Pode-se combinar um terno com uma camiseta de capuz, e dessa forma ironizar o luxo. Também a valorização, entre os jovens, de artigos velhos e aparentemente danificados, como cozinhas ou bicicletas, no fim das contas não é nada mais do que uma colocação, uma atitude. A autodefinição através de produtos nunca foi tão diferenciada como hoje."


Sem automóvel, dia a dia pode ser complicado numa grande família.


Pragmatismo acaba vencendo

Embora a maior parte dos alemães jovens não tenha qualquer envolvimento emocional com o automóvel, muitos acabam precisando dele, mais cedo ou mais tarde. Por exemplo, Sebastian Paus, de 19 anos, morador de numa cidadezinha no estado da Renânia do Norte-Vestfália.

Como seu hobby é salto hípico, ele precisa transportar o cavalo entre dois pontos, todas as semanas, seja para a aula de hipismo ou para os torneios. Por isso, já tem carro próprio, que também utiliza para ir até a escola, a oito quilômetros de casa.

Os filhos igualmente costumam ser um motivo para aquisição de um veículo motorizado: sair com as crianças de bicicleta ou ônibus para o jardim de infância, o médico ou as férias, acaba não sendo muito prático.

O princípio de quanto maior e mais caro o automóvel, mas elevado o status social definitivamente não vale mais hoje em dia. Mas o significado para cada um depende das condições individuais. Assim, o significado do carro varia não só entre coetâneos de meios diferentes como entre integrantes do mesmo grupo social em fases diferentes da vida.

O próprio Christian Eichler já conta que em algum momento acabará tirando a carteira de motorista. "Talvez eu precise dela para o trabalho, e também para viajar é mais prático. Mas em princípio não vai ser um carro próprio, eu usaria antes o car-sharing."

Fonte: Deutsche Welle 



------------------------------------------------------------------



LEIA TAMBÉM:

Menos automóveis

Carro deixa de ser prioridade para jovens no Brasil
Geração Y é menos dependente de carro, expõe pesquisa
Britânicos pretendem tornar carros obsoletos em 2030: 80% dos deslocamentos serão a pé ou de bicicleta
Venda de bicicletas já ultrapassa a de automóveis na maioria dos países da Europa
Carros saindo de cena?
O automóvel depois do carrocentrismo
Desaceleração deve ser tendência nos grandes centros do século 21
Cada automóvel nos EUA emite 4 toneladas de gases de efeito estufa por ano
"Não há mais espaço para carros na cidade".
Washington Novaes: "Automóveis, poluição, doenças. Como mudar?"

Mais bicicletas

NITERÓI DE BICICLETA. Bicicletas são necessárias como uma opção limpa e eficaz de mobilidade
História das bicicletas e ciclovias de Copenhague
História das ciclovias holandesas
Copenhague: a cidade da bicicleta
Cidade da Califórnia transforma vagas de carros em microparques e espaços para bicicletas
NITERÓI DE BICICLETA - Ação ‘Vaga Viva’ transforma o visual de várias ruas de Niterói
Prefeitura promove 1º Workshop do Programa Niterói de Bicicleta

Outras postagens

'Brasileiro fica encantado com cidades europeias, mas não reproduz soluções aqui', diz Lerner
TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NA BAÍA DE GUANABARA - Ligações hidroviárias tirariam das ruas do Rio cem mil carros, diz Firjan
Conheça cinco possíveis maneiras de melhorar o trânsito no Brasil
Cheonggyecheon: em SEUL, Coreia, um viaduto construído sobre um rio é demolido e dá lugar a um parque fluvial
CUSTOS DO ENGARRAFAMENTO: Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
REGIÃO METROPOLITANA: Jaime Lerner propõe Rio sem 'periferia' em 2042
CAPACIDADE DE SUPORTE: lidando com os efeitos do sucesso das unidades de conservação (engarrafamento de automóveis em parques dos EUA)
MOBILIDADE URBANA: Prefeitura de Niterói estuda implantação de sistema VLT
PUR DE PENDOTIBA RECEBE PRÊMIO
Governo do Estado do RJ divulga relatórios do PDTU-Plano Diretor de Transporte Urbano
Cidades buscam novas políticas para combater trânsito caótico e reduzir gases-estufa
Quanto custa a poluição do ar?








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.