sábado, 6 de janeiro de 2018

Avenida Romanda Gonçalves: o que o RJ Móvel não mostrou



Participando do quadro RJ Móvel, sobre a conclusão das obras da Avenida Romanda Gonçalves, no Maravista, Região Oceânica de Niterói.


COMENTÁRIO DE AXEL GRAEL

Na última quinta-feira, dia 4 de janeiro, participei como entrevistado do quadro "RJ Móvel", da repórter Susana Naspolini, no RJTV, da Rede Globo. A linha do quadro é dar voz às reivindicações comunitárias sobre serviços e obras públicas, o que é um importante serviço de cidadania, principalmente para comunidades desamparadas de atenção do poder público.

Na matéria, fomos cobrados pela falta de cumprimento do prazo da obra de drenagem e pavimentação da Avenida Professora Romanda Gonçalves, na Região Oceânica de Niterói. A conclusão da obra havia sido prometida para o final de dezembro! Ofereço a minha orelha para ser devidamente puxada pelo atraso, apesar de que todos compreendem a dificuldade de se fazer obras subterrâneas (galerias de drenagem). Mas, é fato: a obra está atrasada alguns dias.

Ser cobrado é inerente à função pública. Como diz o prefeito Rodrigo Neves, "governo é como feijão. Quanto mais pressão melhor fica". O cidadão elege seus representantes e gestores e deve manter a função fiscalizadora, tendo a imprensa como veículo importante para isso.

Ocorre que no quadro RJ Móvel, de forma jocosa - beirando o deboche e o desrespeito - a repórter combina com os moradores uma encenação e constrange o entrevistado a explicar-se sobre a falta de uma determinada obra, serviço público ou o atraso no cronograma, que é recompromissado ao vivo. Desta forma, o programa capitaliza o sentimento de ansiedade e descontentamento da população, buscando obter assim os resultados esperados dos gestores públicos.

Nos dias de hoje, é compreensível a frustração e até a desconfiança da população quanto aos gestores públicos. Afinal, somos assolados por notícias diárias de erros, desvios, desmandos e irregularidades na administração pública no país. Enfrentamos uma das maiores crises econômicas e políticas da história do país: no âmbito federal, uma grave crise política e econômica; no âmbito estadual, a falência do estado do Rio de Janeiro e no âmbito local vemos vários municípios que enfrentam dificuldades na prestação de serviços públicos (saúde, educação, saneamento, infraestrutura). Tal cenário leva vários setores governamentais a uma triste paralisia e falência de serviços. Portanto, é natural que haja um clima de cobrança maior ainda sobre gestores públicos.

A realidade de Niterói

É importante contextualizar. Niterói vive um momento diferente do drama de outras instâncias governamentais. Um estudo recente intitulado "Multi Cidades: finanças dos municípios do Brasil" (pág 148), publicado pela Frente Nacional de Prefeitos e pela Aequus Consultoria, mostra Niterói como o município com o maior índice de investimentos públicos per capita do país.

Para chegar ao local da entrevista, a repórter Susana Naspolini deve ter passado por várias obras da atual administração:
  • Pelo túnel Charitas-Cafubá,
  • Pelas obras da TransOceânica que estão em fase de conclusão.
  • Talvez, não tenha percebido, mas passou pela Avenida Almirante Tamandaré, onde foi feita uma enorme obra de macrodrenagem.
  • Deve ter visto o Centro Integrado de Segurança Pública - CISP
  • Deve ter visto o PARNIT criado pela Gestão Rodrigo Neves e que está em fase de implantação
  • Se tivesse tido tempo de passear um pouco mais pelos bairros próximos ao local da entrevista, teria visto Piratininga, o Cafubá, a Fazendinha, o Bairro Peixoto e muitas outras áreas totalmente urbanizadas, onde antes havia lama e falta de infraestrutura: no passado, teria sido um "prato feito" para o RJ Móvel, mas hoje é diferente.

A obra da Romanda Gonçalves

É preciso discernir entre grandes intervenções de infraestrutura, como é a obra que o Governo Rodrigo Neves está realizando na Av. Romanda Gonçalves de obras de pracinhas, pinguelas sobre valões e outras reivindicações comunitárias justas, mas de execução muito mais simples.

No caso da Romanda Gonçalves, trata-se de suprir uma infraestrutura que é reivindicada e esperada pela população há décadas. É bom lembrar que o Loteamento Maravista tem a sua origem lá na década de 1940. Desde então, a população espera pela infraestrutura que só está chegando agora.

A reportagem focou no trecho da obra que falta a conclusão da pavimentação. Mostrou uma poça d´água remanescente após um dia de chuva, mas deixou de mostrar que a obra da Avenida Professora Romanda Gonçalves, que tem quase 4 km de extensão, já está com toda a infraestrutura de drenagem implantada, quase todas as calçadas e outros equipamentos implantados. Falta terminar uma caixa do sistema de drenagem (que a matéria mostrou), o asfaltamento de um trecho final e mais alguns acabamentos.

Enfim, o RJTV focou no atraso do cronograma, mas não deu a real dimensão do que é a obra e não mostrou o que já foi feito. Então, a gente mostra aqui:


Vista aérea (por drone) da Avenida Romanda Gonçalves em 2016, logo no início das obras. Sem drenagem, a via e os imóveis inundavam com as chuvas. A via era cheia de buracos e tinha arborização muito deficiente. Foto Leonardo Simplício.

Escavação para identificação de interferências com outras redes existentes na área. 

Assentamento de aduelas das galerias de drenagem. Na foto, é possível ver a interferência com tubulação de Águas de Niterói. Nem sempre estas redes estão devidamente mapeadas. Para cada caso, é preciso dar uma solução. Nem sempre o projeto tem condições de prever as interferências. 

Aduelas da rede de drenagem prontas para serem assentadas. 

O assentamento das aduelas é uma intervenção prévia à pavimentação e acabamentos da via.

Calçamento, meio fio e sarjeta.

Em trechos mais a montante da via, drenagem de águas pluviais com manilhas.

Trechos prontos. A via tem um pouco menos de 4 km. Veja a diferença. Mesmo que certos críticos não queiram reconhecer, é uma nova Avenida Professora Romanda Gonçalves!

Trecho que falta concluir. Drenagem e acabamentos de calçadas prontos. Falta a pavimentação, que será concluída assim que parar de chover.

Como pode ser visto, não se trata de uma obra qualquer. É uma obra complexa e a sua execução está de fato muito avançada. Como eu disse na entrevista, falta pouco para ser concluída.

Não vamos parar por aqui. Vem aí mais obras no bairro

A melhor notícia, é que na última sexta-feira, dia 06 de janeiro, foi concluído o processo de licitação para a contratação de uma empresa que vai desenvolver o projeto executivo para a drenagem e pavimentação dos bairros Maravista e Serra Grande, incluindo, portanto, as ruas transversais à Avenida Romanda Gonçalves.

Os recursos para o projeto e para as obras já estão garantidos através do Programa Região Oceânica Sustentável (PRO-Sustentável). Este é um ponto importante a se destacar. O sistema de drenagem da Romanda Gonçalves é fundamental para a drenagem de todo o bairro. O sistema de drenagem foi dimensionado para receber também o volume de águas pluviais das ruas transversais. Portanto, não estamos falando apenas de uma Nova Avenida Romanda Gonçalves, mas de um novo bairro!

Enfim, entendemos as críticas com naturalidade, como fruto da ansiedade de ver concluídas as melhorias há tantas décadas prometidas e esperadas.

De nossa parte, estamos seguros que estamos cumprindo o nosso papel de viabilizar os investimentos esperados. O importante é que estamos avançando, certos que não somos infalíveis e que o diálogo com a comunidade é bem-vindo para que possamos melhorar mais ainda.

Vamos em frente!

Axel Grael
Secretário Executivo
Prefeitura de Niterói



---------------------------------------------------------------------


Acesse o vídeo do RJ MÓVEL


----------------------------------------------------------------------


Leia também:

BOAS PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA DE NITERÓI EM 2018
NITERÓI RESILIENTE: Ponta da Areia terá obras de contenção de encostas












6 comentários:

  1. Excelente obra na Romana Gonçalves, mas nós morados das ruas perpendiculares estamos sofrendo com alagamentos que não tinham antigamente. Pago um IPTU de R$2.000 para uma casa de meio lote. A rua não é asfaltada e qualquer chuva agora alaga devido a essa melhoria. Minha rua é Edyr Backer antiga 28 no soter infelizmente essa obra é para inglês ver!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como diz o texto da postagem, a Prefeitura fará agora o mesmo trabalho que foi realizado na Romanda Gonçalves, nas ruas transversais.

      Excluir
  2. E quando teremos um pacimentação e drenagem descentes na Av.José Cortez Junior (antiga Av. Das Esmeraldas) e outras rua na Serra Grande? Quando chove a tia vira uma Cachoeira, quando faz calor é tanta poeira que não conseguimos ficar de portas e janelas abertas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O edital para a contratação da empresa que fará o projeto para a drenagem e pavimentação das demais ruas do Maravista e Serra Grande foi concluído agora na última sexta-feira. Como afirmei no texto, nosso trabalho não acabará com as obras da Romanda Gonçalves. A Romanda receberá a contribuição de drenagem de águas pluviais das ruas transversais e, por isso, precisava ser feito antes. As outras obras já têm recursos garantidos e virão a seguir.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Gestores de Niterói, peço não esquecerem da Rua Ferdinando ognibeni, pois por ter parte asfaltada pode ser esquecida, sendo que sua maior parte ainda sofre com as chuvas, principalmente a parte alta de encosta.

    ResponderExcluir

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael. Obrigado.