quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

ENERGIA SOLAR: As dificuldades para a expansão da energia solar no Brasil



No início de 2018, país ultrapassou marca de 1 gigawatt de capacidade instalada em projetos de energia solar. Foto: Renato Cobucci/Governo de Minas Gerais.

Camilo Rocha

Dois dos maiores empreendimentos da área foram inaugurados em 2017, mas falta estratégia mais ampla vinda do governo, de acordo com especialista


No segundo semestre de 2017, foram inaugurados no Brasil os dois maiores empreendimentos de energia solar da América Latina. As iniciativas, uma no Piauí e outra em Minas Gerais, são de empresas estrangeiras que ganharam o direito de implementar e operar as usinas, depois de vencerem leilões promovidos pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Em janeiro de 2018, a Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica) anunciou que o país havia ultrapassado a marca recorde de 1 gigawatt de capacidade instalada em projetos de energia solar em operação. De acordo com a entidade, apenas 30 países do mundo atingiram esta marca, que capacidade energética para abastecer 500 mil domicílios por um ano.

As inaugurações e a marca sugerem que a energia solar finalmente começa a prosperar no país, depois de anos ter sido vista, junto com a eólica, como algo secundário e extravagante, inclusive por governos que tinham nas hidrelétricas de grande porte seu principal paradigma de geração de energia. Segundo dados de 2015, apenas 0,01% da energia gerada no país veio de fontes solares, o que faz dessa alternativa a menos consumida entre as renováveis.

“O Brasil está mais ou menos 15 anos atrasado em relação ao setor fotovoltaico em outros países.” Rodrigo Sauaia. Presidente da Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica)



“Claramente, há uma tendência de crescimento na solar, a exemplo do que aconteceu com a eólica a partir de 2009”, disse ao Nexo Osvaldo Soliano, doutor em política energética pela universidade de Londres e professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Ele lembra que o contexto é amplamente favorável às alternativas renováveis, incluindo o esgotamento do modelo de grandes hidrelétricas, do qual o governo federal agora se afasta, e a vigência do Acordo de Paris, compromisso assinado por 195 países com o objetivo de reduzir emissões de gases que contribuam para o aquecimento global.

“O Brasil é um importante mercado estratégico para o Grupo EDF, que pretende dobrar sua capacidade renovável na França e no mundo todo até 2030”, disse em agosto de 2017 o diretor geral da EDF Energies Nouvelles, Antoine Cahuzac. A EDF tem controle de 80% da usina solar de Pirapora, em Minas Gerais (os outros 20% são da sino-canadense Canadian Solar).

Atualmente, segundo Soliano, empresas de fora do país tendem a dominar os projetos maiores, pois já tocam operações internacionais de grandes escala e tem acordos de fornecimento para volumes de compra grande, permitindo alcançar um preço melhor para a energia final gerada que competidores nacionais em um leilão.

Potencial solar

O espaço para expansão do setor é gigantesco, baseado na medição da irradiação solar do país, ou insolação, que só perde para a Austrália no mundo.

Em comparação com a Alemanha, um dos países de referência em termos de incentivo à geração solar, o Brasil fica em vantagem: o país europeu tem índice de irradiação equivalente a 900 e 1.250 quilowatts-hora (KWh) por metro quadrado (m²) por ano, enquanto que aqui este número fica entre 1.500 e 2.400 KWh m²/ano.

“O pior sol do Brasil, que está lá no Paraná e tem uma irradiação de 1500 KWh m2/ano, é superior ao melhor sol da Alemanha”, comparou ao site da EBC o diretor da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), André Pepitone.

Atrasos e percalços

“O Brasil está mais ou menos 15 anos atrasado em relação ao setor fotovoltaico em outros países”, afirmou ao Nexo o presidente da Absolar, Rodrigo Sauaia. O primeiro programa federal de energias renováveis, o Proinfa, lançado em 2002, deixou de fora a solar, selecionando apenas projetos referentes a biomassa, eólica e pequenas centrais hidrelétricas. Apenas em 2014 foi realizado o primeiro leilão que contemplou iniciativas na área da geração fotovoltaica.


Em termos mundiais, índice de irradiação solar no Brasil só fica atrás da Austrália. Foto: Bruno Kelly/Reuters


Para Sauaia, de lá para cá, o setor solar tem se mostrado cada vez mais competitivo. Em dezembro de 2017, pela primeira vez as empresas da área conseguiram ofertar em um leilão energia mais barata que a gerada por biomassa, termelétrica ou pequena hidrelétrica.

Em novembro, o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Fabio Alves, declarou ao jornal O Globo que a perspectiva é de crescimento robusto de agora em diante. Segundo ele, a previsão é de um crescimento de cerca de 50 mil MW na capacidade de geração de energia no país, com metade desse total vindo de fontes eólica ou solar.

Entretanto, não há qualquer proposta ou estratégia mais ampla em relação à energia solar vinda do governo ou do Congresso. Ao contrário, o segundo semestre de 2017 registrou duas iniciativas em direções contrárias, vindas de Brasília.

Em agosto, congressistas aprovaram uma medida provisória editada pelo presidente Michel Temer que concede benefícios tributários, parcela dívidas e suspende a cobrança de impostos de empresas do setor petrolífero que atuam no país.

Entre os que votaram pelo decreto está o deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), que propôs em 2016 uma emenda constitucional instituindo a cobrança de royalties da geração de energia eólica. Fortes defende também a ampliação da taxação também para a energia solar.

“É um retrocesso: de um lado temos parlamentares querendo tributar o sol e o vento. De outro lado, temos o governo isentando os combustíveis fósseis de impostos. Será que esse é o caminho que os brasileiros querem para um país?”, questionou Sauaia. O presidente da Absolar lembra que a área já conta com uma carga tributária maior sobre equipamentos.

Os dois maiores projetos

Parque Solar Nova Olinda (Ribeira do Piauí-PI)

Em Ribeira do Piauí, a 380 quilômetros de Teresina, foi inaugurado em novembro de 2017 o maior parque solar em operação da América Latina. Com 930 mil placas de captação de energia fotovoltaica, o empreendimento é capaz de suprir 300 mil domicílios. A energia que as placas capturam é enviada para uma subestação da Chesf localizada no município vizinho de São João do Piauí. O parque é administrado pela empresa italiana Enel, que conseguiu autorização para a construção e operação do parque por meio de leilão realizado em 2015. A empresa conseguiu financiamento do Banco do Nordeste para o empreendimento, que custou cerca de US$ 300 milhões. O governo do Piauí contribuiu com aproximadamente US$ 80 milhões.

Pirapora II (Pirapora-MG)

Quando estiver em operação plena, a usina solar de Pirapora será a maior da América Latina. O projeto começou a funcionar em setembro, a segunda fase foi iniciada em outubro e a terceira e última etapa se concluirá ao final do primeiro semestre de 2018. Quem encabeça o projeto é uma parceria entre as empresas francesa EDF Energies Nouvelles e canadense Canadian Solar. A capacidade total de geração do projeto será suficiente para abastecer 420 mil casas por um ano. O empreendimento obteve financiamento do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) no valor de R$ 529 milhões.


Fonte: Nexo




------------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

ENERGIA SOLAR: O que falta para a energia solar decolar no Brasil
Energia que aquece o mercado da sustentabilidade em Niterói
El 50% de la potencia eléctrica del planeta será solar en 2050
ENERGIA SOLAR: No último ano, o setor gerou 12 vezes mais empregos nos EUA do que a economia em geral.

Energia solar

ENERGIA SOLAR representará 4% da potência total no Brasil até 2024
Atlas Solar do Rio de Janeiro entra em fase final de elaboração
Painéis solares vão gerar energia no campus da UFRJ da Ilha do Fundão
Vento a favor para as energias limpas no Brasil
Competição de carros solares na Austrália percorrerá 3 mil km
Governo abre espaço para solar e lixo no leilão de energia A-3
Conheça mais sobre energia solar no Brasil
Energia solar ganha espaço em prédios públicos de Kansas City
Uma perspectiva da energia solar na América Latina
Governo vai estimular energia solar nas residências
Nova York lança programa ambicioso de estímulo à energia solar: US$ 150 milhões/ano
Chile Solar: país aprova projeto de 3.1 GW e quer a liderança no setor
Campinas inaugura maior usina de energia solar do Brasil
Energia solar ganha espaço em prédios públicos de Kansas City

Energia solar e o Projeto Grael

Projeto Grael demonstra uso da tecnologia solar nas escolas
Projeto Grael promove workshop gratuito sobre energia solar
Projeto Grael foi vice-campeão do Desafio Solar Brasil, disputado por barcos solares.
Barco solar do Projeto Grael navega pela primeira vez na Baía de Guanabara
Projeto Grael apresenta barco movido a energia solar
Demonstração de barcos solares no ICRJ
Lars Grael faz demonstração durante o Mundial de Star do Barco Solar do Projeto Grael
Projeto Grael conclui com sucesso o I Workshop de Energia Solar
Projeto Grael promove workshop gratuito sobre mudanças climáticas e energia solar
Projeto Grael demonstra uso da tecnologia solar nas escolas
Projeto Grael promove workshop gratuito sobre energia solar

Energia e temas correlatos

Terraço verde na casa de Axel Grael
Morro da Mineira, no Rio de Janeiro, inaugura primeiro campo de futebol do mundo iluminado com a energia dos próprios jogadores
Telhados verdes. Solução também para produzir energia
Lixo tratado poderia elevar PIB do Brasil em US$ 35 bi
Imagens noturnas da NASA evidenciam o principal processo de conurbação no Brasil: Rio-São Paulo
Hamburgo inaugura prédio abastecido com energia gerada por algas
Eólicas avançam rapidamente mar adentro: oportunidade e conflitos
Sustentabilidade em tempos de crise: relatório avalia avanços na Espanha
Setor saúde consome cerca de 10% da energia mundial
Secretaria de Energia de SP lança Atlas Eólico
Mercado de aproveitamento energético do lixo atingirá US$ 30 bilhões em 2022
Energia eólica deve superar a gerada por usinas nucleares no mundo até 2020
Batalha do vento: velejadores ingleses abrem guerra contra geradores eólicos no mar

Eficiência energética e construção sustentável

ARENA DAS DUNAS: ESTÁDIO PIONEIRO NO SELO NACIONAL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA
TURISMO SUSTENTÁVEL: Campanha Passaporte Verde do PNUMA lança guia de ecoeficiência para empreendimentos turísticos
É NO BRASIL!!! ARENA PERNAMBUCO RECEBE CERTIFICAÇÃO LEED PRATA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL
Maracanã recebe selo prata de sustentabilidade








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael. Obrigado.