quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Niterói em segundo lugar no ranking estadual de novos negócios em 2016







Prefeitura criará Agência de Desenvolvimento Econômico para promover crescimento econômico sustentável.

09/01/2017 - Niterói ficou em segundo lugar no estado no ranking da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro (Jucerja) que avaliou a abertura de pequenas empresas em 2016. O Município ficou atrás somente da capital. Foram 905 novos negócios abertos nos mais variados segmentos e bairros. Os microempresários também não ficaram de fora e, de janeiro a dezembro, 5.814 pessoas passaram a ser microempreendedores individuais (MEIs).

Dentre as principais áreas para a abertura de novos mercados na cidade estão os segmentos de lanchonetes, restaurantes, bares e similares. Segundo , Fabiano Gonçalves, secretario de Desenvolvimento Econômico em 2016 e atual secretário de Administração , mesmo diante da crise econômica vivida pelo país, o cenário na cidade foi favorável. De acordo com Fabiano, 344 empresas foram extintas por diversos motivos.

"Foram 905 novos negócios abertos nos mais variados segmentos e bairros. Os microempresários também não ficaram de fora e, de janeiro a dezembro, 5.814 pessoas passaram a ser microempreendedores individuais (MEIs). (...) 344 empresas foram extintas..."


“O interesse em investir na cidade foi maior mesmo com a crise. Das empresas que foram extintas, muitas poderiam ser consideradas negócios de família ou mesmo atividades que não se adequaram ao perfil exigido pelo consumidor. O empresariado precisa se adequar e buscar novos horizontes diante de um consumidor exigente. A Prefeitura de Niterói está estimulando o crescimento de empreendedores através de incentivos fiscais ou mesmo apoiando a criação de polos como os gastronômicos”, explica Fabiano.

No comércio varejista, os destaques foram para lojas de artigos de vestuários e acessórios, e no setor de serviços, cabeleireiros, manicure e pedicure, além de outras atividades de estética.

Diagnóstico traçará perfil de novos negócios em Niterói

Com o objetivo de ampliar as metas de crescimento econômico do município, gerando mais empregos e renda para diversas camadas da população, a Prefeitura de Niterói inicia neste primeiro trimestre do ano um diagnóstico de negócios e economia, das pequenas às grandes empresas, no varejo e no atacado, da cidade. Também será feito um perfil de consumidores e necessidades comerciais e produtivas por bairros, para estimular a implantação de indústrias e comércios, que poderão incluir desde cervejarias a polos de confecções. A criação de uma Agência de Desenvolvimento Econômico será o termômetro operacional para captação de novos negócios.

Na primeira semana do ano, o secretário de Desenvolvimento Econômico e Indústria Naval, Luiz Paulino Moreira Leite, anuncia novas diretrizes para seguir com Niterói no caminho de um empreendedorismo sustentável. Ele lembra que, por conta de incentivos fiscais dados nos últimos anos em Niterói ,nos segmentos da Saúde, Naval e serviços, o cenário econômico é mais positivo mesmo diante do cenário nacional.

“Logo no primeiro mandato, o prefeito Rodrigo Neves vislumbrou um cenário e todo o terreno foi preparado. Estamos agora em outra fase para avançar no crescimento econômico. Vamos pensar no grande e no pequeno, estimulando ações que incluem a captação, mas também trabalhar a segurança, limpeza entre outras coisas. É papel do poder público, mas o empresariado também tem que fazer sua parte. Tem que buscar especialização e ser criativo diante das adversidades para não fechar. Não queremos exportar mão de obra. Queremos manter nossa mão de obra qualificada em Niterói e qualificar outras para melhorar a qualidade dos produtos e dos serviços prestados”, atesta Paulino.

O diagnóstico prevê análise de indústrias e comércio nos bairros. Segundo Luiz Paulino, o niteroiense já tem um perfil de consumo alto, com grandes redes e grifes instaladas na cidade, em corredores principais de comércio incluindo pontos como Icaraí e Jardim Icaraí, entre outros.

A ideia é ampliar o segmento de novos negócios setorizando ou não por bairros e, através da criação da Agência de Desenvolvimento Econômico, em parceria com a Secretaria de Fazenda, buscar um novo tipo de investidor e estimulando também áreas como a Região Oceânica, Fonseca e Barreto, incluindo locais como Venda da Cruz e Largo do Moura.

“Os bairros têm um pequeno comércio que precisa ser estimulado. Em alguns existe a farmácia ou um pequeno núcleo. O que vamos fazer é detectar a necessidade do local. Estimular o negócio e evitar deslocamentos de moradores se for o caso. Estaremos fazendo isso seguindo o caminho da sustentabilidade”, afirma Luiz Paulino.

Entre a lista de novos negócios que pretende alavancar e disputar a vinda de empreendedores com algumas cidades vizinhas, o secretário está de olho nos produtores cervejeiros, polos de confecções de roupas, bolsas e calçados, e centros tecnológicos. Ele quer aproveitar a proximidade com o Rio para ajudar o escoamento da produção e manter a cadeia produtiva na cidade que já tem a construção civil e ajudando a levantar a indústria naval e pesqueira.

Fonte: Prefeitura de Niterói




-----------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

ÍNDICE FIRJAN DE GESTÃO FISCAL: Niterói é a segunda do ranking do RJ e está entre as 50 melhores cidades do país

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.