quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

BIBLIOTECA PÚBLICA DE NITERÓI: De braços abertos para o povo




Os visitantes podem usufruir de todos os serviços no local, que conta com cerca de 40 mil itens em seu acervo. Foto: Lucas Benevides



Carolina Ribeiro

Biblioteca Pública de Niterói, no Centro, é uma opção de espaço para estudo, entretenimento e encontros

Além de ser um lugar de constante estudo e leitura, uma biblioteca também pode ser um espaço cultural de entretenimento e troca de informações. A Biblioteca Parque de Niterói reúne livros, artes plásticas, cinema, música, contação de histórias, palestras, cursos e workshops. Inaugurado em 1935, o seu prédio é considerado um dos marcos da arquitetura da região e passou por um processo de restauração em 2011, quando entrou para o conceito de Biblioteca Parque, que incorpora educação e cultura no apoio ao desenvolvimento de trajetórias de vida.

Desde dezembro de 2015, o prefeito Rodrigo Neves assumiu o custeio e a manutenção do espaço, tendo renovado, no último dia 26, esse acordo de cooperação para manter a unidade aberta por mais esse ano. Nessas primeiras semanas de 2017, o horário de funcionamento da biblioteca será das 11h às 17h, de terça a sábado, mas já está prevista a ampliação do horário ainda neste mês.

Contando com cerca de 40 mil itens em seu acervo, entre livros, revistas e jornais, os visitantes podem usufruir de todos os serviços no local e também em casa, ao pegar livros emprestados. Para isso, é imprescindível fazer a carteirinha da biblioteca. Para obtê-la, é necessário um documento com foto e comprovante de residência. A carteirinha fica pronta na hora.

A Sala História Fluminense contém obras especiais sobre o Estado do Rio de Janeiro e as cidades ao redor, datadas do século XIX e XX. Os livros históricos são clássicos muito usados por pesquisadores para embasar os novos estudos sobre a cidade. Assim, criou-se, também, um acervo atualizado sobre a história fluminense com livros novos. De acordo com Enio Madureira, auxiliar de acervo da biblioteca, os itens são sempre atualizados.

“Ano passado fizemos uma compra grande. Entre os clássicos encontrados por aqui estão ‘O Corcunda de Notre Dame’ e todos os de Jorge Amado. Focamos muito no que os leitores procuram, como livros escritos por mulheres, novos autores, literatura africana de língua portuguesa, sagas e trilogias. Livros de representatividade também estão em foco, além dos para estudo: atlas, dicionários, enciclopédias, e os técnicos de política, ciências sociais, medicina, geografia, matemática, entre outros”, lista Enio.

O local possui um convênio com o programa de pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense (UFF). Na Sala Multiuso, mestrandos, doutorandos ou pós-doutorandos ministram cursos gratuitos. No tema, predomina-se as aulas de História, entretanto cursos de fotografia, arte afro-brasileira, ditadura, história do futebol e da música já foram apresentados. As outras ações incluem rodas de leitura, atividades na Biblioteca Infantil, de iniciação à leitura, incentivo e apresentação às letras e ensaios como o do Teatro Novo – um grupo de teatro que trabalha com deficiência intelectual, que escolheu o espaço como uma forma de acolher, inserir e divulgar conhecimento. De acordo com Claudia Thurler Ricci, diretora da Biblioteca Pública desde 2014, apesar do espaço ser em Niterói, o local também atende Maricá, São Gonçalo e Itaboraí.

“Através do nosso programa de visita escolar, oferecemos visitas guiadas e históricas, além das atividades na Biblioteca Infantil. A partir do livro, as crianças trabalham a história contada”, acrescenta Claudia. No local, há, ainda, a DVDteca para assistir filmes; a Sala Cultural, dedicada principalmente à literatura; o Café Paris – área central de convívio, onde se encontra jornais, revistas e periódicos – ; e a parte do atendimento, para pegar ou devolver livros.


Espaço pode ser usado para o lazer. Foto: Lucas Benevides


Atualmente, cerca de 600 pessoas visitam a biblioteca diariamente e o objetivo é aumentar esse número, que já vem crescendo ao longo dos anos. Claudia observa que além de ser bonito, o local é confortável e a equipe, muito atenciosa e receptiva. Entre suas observações está o salto de qualidade na programação cultural.

“As apresentações da Orquestra Aprendiz são ótimas, em uma delas, eles tocaram a abertura de ‘Game Of Thrones’ e foi muito emocionante. Tivemos o primeiro Seminário de Histórias em Quadrinhos, que trouxe pessoas de São Paulo, Minas Gerais e do Rio falando sobre o movimento. Nosso aniversário de 80 anos também foi marcante. Além de seminário de moda, lançamentos de livros e exposições. Aqui é um local de cultura”, observa.

Apesar de momentos muito marcantes, Claudia revela que os pequenos acontecimentos do dia a dia são muito importantes para ela. Apenas na última terça-feira, dia de reabertura após o recesso de fim de ano, dois estudantes de arqueologia da UFRJ procuraram a biblioteca justamente pelo setor de História Fluminense.

“Uma mãe também trouxe a filha que nunca tinha ido em uma biblioteca e quando já estava na hora de ir embora, ela não queria ir. É muito bacana fazer um evento, mas esses pequenos acontecimentos também são muito importantes”, enfatiza.

Uma ideia sobre biblioteca é que o local é um espaço de silêncio absoluto, em que até a respiração pode atrapalhar. A Biblioteca Parque de Niterói não é assim. Seu primeiro andar é mais fluido e mais permissível. O encontro entre amigos, trabalhos em grupo e a comunicação são bem-vindos por ali. Já no segundo andar, a maior parte do público visitante, são pessoas que estão buscando estudar e precisam de maior concentração. Para Claudia, o próprio conceito da Biblioteca Parque pressupõe que seja um lugar de socialização.

Para esse ano, a programação da biblioteca deverá seguir a linha do ano passado, com os cursos da UFF, exposições e outros eventos. O objetivo é aproveitar o que deu certo e melhorar outras atividades. Uma das ideias é voltar a usar o lado de fora, a Praça da República. Ano passado, houve duas edições do Ocupa República que movimentaram a praça, que é o centro cívico da cidade. No evento, barraquinhas de comida, shows, palestras sobre a história fluminense, massoterapia, contação de histórias e mais. Com relação ao espaço infantil, a intenção é reforçar as atividades de clubes de leitura e dinamizá-las. Para ficar por dentro de toda a programação, a página do Facebook do espaço é o melhor canal.

A Biblioteca Parque de Niterói fica na Praça da República, s/nº, no Centro. Aberta de terça a domingo, das 11h às 17h em janeiro. Fanpage: /bibliotecaniteroi. Telefone: 3601-2034.


Fonte: O Fluminense









Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.