quarta-feira, 12 de junho de 2019

COREIA DO SUL 2: Registro fotográfico da visita realizada em maio de 2019





Entre os dias 18 e 29 de maio, acompanhado da engenheira florestal Valéria Braga, subsecretária de Projetos Especiais da SEPLAG, visitei Seul, na Coreia do Sul, representando a Prefeitura de Niterói, à convite do Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID.

Após a visita a Seul, estivemos em Dubai, à convite da empresa IMAGEM, parceira da Prefeitura de Niterói e que desenvolveu o projeto do SIGEO NITERÓI.

Na Coreia, participamos de uma agenda organizada conjuntamente pela Korea Research Institute for Human Settlements (KRIHS), um "Think Tank" de planejamento territorial e desenvolvimento, vinculado ao governo coreano, e pelo BID. O evento foi denominado Academia de Desenvolvimento Urbano de KRIHS - BID (KRIHS - IDB Urban Development Academy - KIUDA) e reuniu onze representantes de diversas cidades e países latino-americanos.

Em complementação ao relato que fizemos na postagem...

COREIA DO SUL: Reflexões sobre uma história bem-sucedida de desenvolvimento econômico

... apresentamos, a seguir, um registro fotográfico dos aspectos que mais nos chamaram a atenção na agenda organizada pela KIUDA:


CHEOGGYECHON

Uma área no centro de Seul, considerada urbanisticamente degradada, com forte carga de trafego e com um movimentado viaduto, foi totalmente renovado e hoje abriga um valorizado bairro, um centro financeiro, com concentra importantes empresas, como bancos, multinacionais e outras corporações.





Cheonggyecheon. Vale observar os prédios ao redor do "parque fluvial", um desenvolvimento recente da área antes muito deteriorada, como pode ser verificado na foto abaixo. Fotos de Axel Grael.


Antes da obra de restauração, a localidade era como a foto abaixo demonstra:



COMENTÁRIO:

A iniciativa de renovação urbana de Cheonggyecheon ganhou notoriedade internacional e é comumente indicado como um exemplo de restauração de rios urbanos. 

A minha opinião é que o projeto é de muita relevância como um exemplo de renovação urbana. O investimento de Seul alavancou negócios e tornou uma área antes pouco atraente em uma das atrações turísticas da cidade. A concepção paisagística é interessante e bela e verifica-se um grande número de visitantes e usuários no local, mesmo de noite, fora de horário comercial, que é quando eu estive visitando o local.

Mas, cabe ressaltar, que apesar da relevância da iniciativa, a obra não pode ser considerada propriamente a restauração de um rio, pelo menos numa visão ambiental e ecossistêmica.

O rio que hoje temos em Cheonggyecheon é totalmente artificial. A vazão do rio é garantida por elevatórias que recirculam as águas de jusante para montante e o antigo rio, que antes corria sob o viaduto, agora continua sob a nova praça. 

Segundo me foi informado (não consegui confirmação), as águas que correm no Cheonggyecheon, ás vistas dos usuários, sequer seria o aproveitamento das águas do rio subterrâneo, considerado ainda muito poluído.

Portanto, o que temos lá é um exemplo bem sucedido de reforma urbana, tendo como alavanca um projeto paisagístico de parque com o tema fluvial, mas não propriamente uma iniciativa de restauração de rios, como a Prefeitura de Niterói está desenvolvendo no Rio Jacaré.

Saiba mais sobre o Cheonggyecheon em:

Cheonggyecheon: em SEUL, Coreia, um viaduto construído sobre um rio é demolido e dá lugar a um parque fluvial 
Oito cidades do mundo mostram ao Brasil que é possível despoluir os rios urbanos
Os resultados e a história do projeto de restauração do Cheonggyecheon, em Seul, que derrubou uma via expressa elevada e propôs um espaço de lazer em torno ao córrego


SEJONG

Sejong, oficialmente denominada Cidade Autônoma Especial de Sejong, será a nova capital administrativa da Coreia do Sul. Localizada mais para o sul de Seul e mais central com relação à Península Coreana.

A cidade que ainda está em construção, é projetada com arquitetura arrojada, buscando soluções de sustentabilidade e smart city. Sejong está alinhada com a política de reduzir a grande concentração populacional na cidade de Seul, preparando-se para receber gestores públicos do país e empresas de tecnologia de suporte às atividades governamentais.

Embora não estivesse na agenda da visita, em Sejong encontramos uma iniciativa de tratamento natural e paisagístico do que aparentemente é um canal de drenagem. Veja, a seguir:









N (Namsan) SEOUL TOWER

A Torre foi inaugurada em 1969 para transmissão de sinais de telecomunicação, rádio e televisão e recentemente foi adaptada para receber a visitação pública. Localiza-se num parque no alto do monte Namsan, a 480 metros de altura, considerando os 243 metros do Monte Namsan, além dos 236,7 metros da própria torre.

É um dos mais visitados pontos turísticos da cidade de Seul, recebendo cerca de 12 milhões de visitantes/ano.

Torres vista do meu quarto no hotel. Foto Axel Grael

N Tower. Foto Axel Grael

Aspectos do Parque Namsan, no entorno da torre. Foto Axel Grael

Vista de Seul. Foto Axel Grael

Ao fundo, o Rio Han. Foto Axel Grael





SEOULLO 7017

Projetado em 2015, o chamado High Line de Seul é um bom exemplo de aproveitamento de um viaduto que foi transformado em área de lazer e cultural. O paisagismo aproveita espécies da flora coreana. O resultado é muito bom.




Soluções de paisagismo. Fotos Axel Grael

Em várias partes de Seul encontram-se pianos disponíveis para quem quiser tocar. Uma boa ideia. Foto de Axel Grael

O viaduto e o trânsito nas vias abaixo. Foto Axel Grael.

Saiba mais em SEOULLO Skygarden / MVRDV



DONGDAEMUN DESIGN PLAZA

Um típico exemplo de arquitetura monumental, o projeto arquitetônico do escritório Zaha Hadid Architects, o espaço dedicado ao design foi inaugurado em 2014. Além de exposições sobre várias expressões da indústria coletiva, Dongdaemun também oferece atrações de cultura, lazer e recreação para todas as idades. É uma atração turística marcante da cidade. 

 




Um marco da arquitetura mundial. Fotos Axel Grael


Para saber mais sobre Dongdaemun, acesse Zaha Hadid Architects.


Oportunidade de interagir com especialistas coreanos e colegas gestores públicos da América Latina. Foto Kiuda

Circulamos bastante para acompanhar a agenda organizada pela Kiuda. Uma grande oportunidade. Foto Kiuda.


Agradeço ao BID e ao governo da Coreia por ter me proporcionado a oportunidade de conhecer este país que nos inspira para seguir em frente no trabalho de fazer de Niterói uma referência de sustentabilidade com justiça social e o melhor lugar para se viver e ser feliz.

Axel Grael



------------------------------------------


Chega de canalização e dragagem! Uma lição para a mentalidade de gestão obreira de rios urbanos no Brasil.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael. Obrigado.