terça-feira, 1 de novembro de 2016

POLUIÇÃO DO AR: Habitat III: OMS lança campanha contra poluição atmosférica



Imagem mostra a péssima qualidade do ar em Pequim, em dezembro de 2015 - Mark Schiefelbein / AP


Ação visa reduzir pela metade as mortes provocadas pela contaminação do ar até 2030

RIO — Estimativas apontam que a poluição atmosférica provoca a morte de 6,5 milhões de pessoas por ano, o que representa uma em cada nove mortes no mundo. Por isso, a Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou nesta quarta-feira, durante a terceira Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável, Habitat III, uma campanha mundial para o enfrentamento desse problema.

Batizada como BreatheLife (respire a vida), a campanha tem um objetivo audacioso. Por meio do apoio a políticas de combate à poluição, a OMS visa reduzir pela metade as mortes provocadas pela contaminação atmosférica até 2030.

— Cerca de 6,5 milhões de pessoas morrem por ano pelos efeitos da contaminação do ar — disse Carlos Dora, coordenador da OMS, à agência AFP. — Temos que limpar o ar e promover a boa saúde.

Os dados mostram, por exemplo, que o ar no Rio de Janeiro possui 16 microgramas de partículas PM 2,5 por metro cúbico, concentração 60% maior que a considerada segura pela OMS.


O site da campanha possui informações estatísticas sobre 3 mil cidades no mundo, com informações sobre a qualidade do ar e os principais problemas de saúde acarretados sobre a poluição. Os dados mostram, por exemplo, que o ar no Rio de Janeiro possui 16 microgramas de partículas PM 2,5 por metro cúbico, concentração 60% maior que a considerada segura pela OMS.

E o problema é agravado nas cidades. De acordo com as estatísticas, 80% dos centros urbanos possuem concentração de poluentes acima do nível considerado seguro.

Além da campanha, a OMS apoia o uso de fontes limpas de energia, assim como alternativas para o transporte e a habitação. A modernização dos sistemas de mobilidade urbana são apontados como ponto chave na redução da poluição, assim como a melhoria dos combustíveis e a restrição da queima de lixo e madeira.

Segundo Dora, um projeto em Londres comprovou que a substituição do carvão nos sistemas de calefação das casas reduz a mortalidade muito rapidamente.

— O tema da contaminação e a a saúde estão muito associados — disse o coordenador da OMS.

Fonte: O Globo



---------------------------------------------------------------------


LEIA TAMBÉM:

POLUIÇÃO DO AR: Unicef diz que 300 milhões de crianças no mundo respiram ar tóxico
Emissões de gases de efeito estufa do Brasil sobem 3,5% em 2015
METEOROLOGIA: Estudo desvenda como são produzidas as partículas que alimentam as nuvens da Amazônia
ESTUDO ESTIMA IMPACTOS DO PLANEJAMENTO URBANO NA SAÚDE: Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar
POLUIÇÃO DO AR: Secretaria Estadual do Ambiente lança 2º Inventário de Emissões Veiculares
Prefeitura de Niterói implanta sistema de monitoramento da qualidade do ar na Região Oceânica
Quanto custa a transição para energia limpa no Brasil?
BIODIVERSIDADE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: “Florestas pobres em biodiversidade se tornam emissoras de gases de efeito estufa”, afirma pesquisador
MUDANÇAS CLIMÁTICAS: Agropecuária é responsável por 69% das emissões de gases do efeito estufa no Brasil
MATRIZ ENERGÉTICA E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: ONGs pedem veto de Temer ao carvão
NITERÓI CONTRA QUEIMADAS: Defesa Civil realiza Ronda Preventiva contra incêndio em vegetação e queima de lixo
Exposição excessiva à poluição do ar aumenta em 34% o risco um AVC, diz estudo
Fumaça de queimadas causa a morte de 339 mil pessoas/ano no mundo
Poluição do ar causou a morte de sete milhões de pessoas em 2012
Câmara dos Deputados discutirá poluição atmosférica nas grandes cidades











Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael.