domingo, 5 de setembro de 2010

QUEIMADAS: MITOS E VERDADES

Mapa das queimadas na América do Sul (06/09/2010). A incidência de focos no Brasil é um escândalo. Acompanhe o monitoramento em: http://sigma.cptec.inpe.br/queimadas/




QUEIMADAS: MITOS E VERDADES

Por Axel Grael

Com frequência, ouço gente atribuindo a origem das queimadas e de fogo nas encostas a motivos improváveis (quase impossíveis) e até muito fantasiosos, mas que se propagam na imaginação popular como o fogo se alastra no mato.

LENDAS:
  1. Caco de vidro: já ouvi inúmeras vezes que um caco de vidro deixado como lixo no mato, poderia causar a ignição de um incêndio, devido ao efeito do sol através da lente do vidro. Eu não acredito nesta possibilidade! Assim como eu, muita gente, quando criança, brincou de fazer fogo com uma lupa. Utilizávamos uma lupa, que é uma lente perfeita. E o fogo só começava, caso estivéssemos com a lupa diretamente no sol, na altura certa e na angulação correta, para que o foco dos raios de sol atingisse o alvo da forma mais concentrada possível. E isso não bastava. Como o sol movimenta-se no céu, precisávamos ajustar com precisão o ângulo da lupa a cada instante para que o foco se mantivesse no lugar o tempo suficiente para iniciar o fogo. Lembra-se? Portanto, imagine qual seria a probabilidade que um caco de vidro, que dificilmente teria o formato de uma lente (mesmo o fundo da garrafa), lançado aleatoriamente sobre o solo de um local com vegetação pudesse iniciar um incêndio? Amigos, a chance desta hipótese ser verdadeira é praticamente nula!!!
  2. "Combustão espontânea": muitos cogitam a possibilidade de início de uma queimada a uma situação de excesso de calor combinado com a vegetação muito seca durante uma longa estiagem. O fenômeno poderia ser potencializado por solos litólicos (rochosos) que acumulariam mais calor. É certo que o potencial de ignição de algumas coberturas vegetais quando secas é muito grande, como no caso do capim-colonião (Panicum maximum), o grande vilão das encostas do Rio de Janeiro. O fogo inicia-se com facilidade e propaga-se com muita velocidade morro acima. Mas, pode-se acreditar que o capim-colonião ou qualquer outra matéria orgânica vegetal possa entrar em combustão em condições de campo, com ignição natural causada pelo calor do sol? Com relação a esta possibilidade, lembro-me dos tempos em que era aluno de engenharia florestal na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e, para sanar essa dúvida, nosso professor fez um teste no laboratório. Colocamos uma quantidade de folhas bem secas de capim-colonião em um forno e testamos a que temperatura a combustão se iniciaria. Somente após muito tempo de exposição a uma temperatura muito acima do que seria possível em condições naturais, a matéria vegetal começou a queimar. Portanto, mesmo com muito sol, com forte calor e com falta de chuva, a chance de combustão espontânea é muito remota. Faço uma ressalva: já ouvi de especialistas que a combustão espontânea em solo turfoso seria mais provável, mesmo assim em condições muito especiais.

VERDADES:
  1. Quem causa o fogo é o homem: salvo raríssimas exceções, como vimos acima, atrás de um incêndio florestal, do fogo em pastagens ou nas encostas, haverá sempre a ignorância ou a intenção criminosa de algum ser humano. Focos de incêndio não surgem sozinhos. Os mapas dos locais de maior incidência de queimadas que assolam o país nos meses de inverno em 2010, mostram que estas ocorrem principalmente nas áreas de fronteira agrícola (principalmente nos vetores de expansão de áreas de pastagens sobre a Amazônia e o Cerrado) e nas áreas de pecuária extensiva. Infelizmente, o fogo ainda é uma prática comum para o homem do campo brasileiro.
  2. Raio: um raio pode começar um incêndio florestal? Essa hipótese sim é muito plausível e é uma das poucas possibilidades aceitáveis de ignição natural. Para que esse risco seja real, as condição de estiagem devem ser muito severas e as condições meteorológicas também seriam muito raras, pois, por sorte, normalmente com as tempestades elétricas seguem-se chuvas, o que minimiza o problema da queimada.
  3. Capim-colonião: O vegetal, que é exótico (originário da África e que teria chegado ao Brasil no Século XVIII, a bordo dos navios negreiros, onde era utilizado para acolchoar o convés onde ficavam os escravos), é de fato um dos grandes vilões das queimadas nas proximidades do Rio de Janeiro. Trata-se de um agressivo competidor com a vegetação nativa e, como já dissemos, é muito vulnerável ao fogo. O problema é que a sua capacidade de dispersão é também muito grande e o fogo que se alastra sobre a sua folhagem, acaba atingindo a vegetação lenhosa nativa, que uma vez queimada abre espaço para o capim que, oportunistas, ocupa rapidamente aquele espaço, sem permitir que a floresta retorne. Assim pouco a pouco, o capim substitui a floresta. Mesmo após uma queimada, o capim-colonião faz juz ao que o nome científico parece indicar: Panicum maximum (embora não seja essa a origem do nome latino). Chegando a formar folhagens que atingem 2 metros de altura e que apresenta crescimento assustadoramente rápido, a espécie deixa poucas oportunidades para a concorrência (espécies nativas). Quem trabalha com reflorestamento de encostas no Rio de Janeiro e é obrigado a superar as dificuldades impostas pela presença do capim, sabe que ele só tem um inimigo natural: a sombra. Portanto, a forma de vencê-lo é controlar a brotação de suas touceiras com trabalhosas e dispendiosas roçadas periódicas e evitar o fogo com medidas preventivas e implantação de aceiros. A operação precisa ser mantida até que as mudas formem um dossel (copa) capaz de proteger o solo com sombra, pois, só então a vegetação nativa consegue superar a agtressiva competição do capim.
  4. Balões e a vulnerabilidade das encostas: No Rio de Janeiro e também em algumas outras regiões com serranias costeiras, acontece um fenômeno natural: o regime de ventos, induzido por fatores térmicos do contato costeiro do continente e do oceano, faz com que a brisa marinha (quadrantes Leste e Sul), comum durante o período diurno, irrigue com umidade as faces voltadas para o Sul e Sudeste. De noite, verifa-se em condições normais o vento terral, que sopra do quadrantes Norte e Nordeste. Como é um vento que vem do continente para o mar, é muito mais seco e oferece menos umidade para as encostas Norte. Já notaram que nos morros do Rio de Janeiro exsitem muito mais florestas remanescentes nas faces voltadas para a Zona Sul e que as faces Norte estão quase todas desmatadas? Isso acontece devido à maior vulnerabilidade ao fogo das matas mais secas dessas encostas. O corre que a prática criminosa de soltar balões, por ser proibida e cada vez mais reprimida, ocorre quase sempre nos subúrbios e de madrugada, momento em que seus malfeitores praticantes pretendem não ser descobertos pela ação fiscalizadora. O vento terral da madrugada, justamente lançam os balões contra as encostas mais secas e vulneráveis. Por isso, os balões são considerados umas das principais causas das queimadas na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.
  5. As queimadas provocam mudanças climáticas: o Brasil é considerado um dos maiores responsáveis por emissões de gases de efeito estufa na atualidade. Junto com os países industrializados, e juntamente com a China, Rússia, México e India, somos vistos como um dos maiores vilões das mudanças climáticas que ameaçam o planeta e o futuro da humanidade. E dentre as nossas fontes de poluição que lançam estes gases para a atmosfera, a maior não é a indústria ou o transporte (automóveis), mas as queimadas. Portanto as queimadas são uma ameaça à vida não só dos lugares afetados, mas de todo o planeta.

CONCLUSÃO:
 
As queimadas na encosta perto da sua casa e pelo Brasil a fora, como você vê na televisão, são o resultado da ação criminosa de alguém. As queimadas destroem as florestas e fazem as encostas ficarem mais vulneráveis aos deslizamentos que matam tantas pessoas, como aconteceu em abril de 2010. Encostas sem florestas também causam enchentes. Pense nisso.

SOLTAR BALÕES É CRIME. FAZER QUEIMADAS TAMBÉM. SEGUNDO O CÓDIGO FLORESTAL PRATICAR ESTES CRIMES EM SITUAÇÃOS DE ESTIAGEM É UM AGRAVANTE E A PENA PODE SER AUMENTADA!!!

---
Axel Grael é engenheiro florestal e ambientalista.
Saiba mais sobre Axel Grael


-----------------

Leia também:

QUEIMADAS EM NITERÓI NO INÍCIO DE 2014
Novo mecanismo para combater incêndios em Niterói 
Guarda Ambiental atua junto com Bombeiros no combate a incêndios em Niterói
Danos causados pelo fogo nas encostas de Niterói (sobrevoo de 10/02/2014)
LUTANDO CONTRA AS QUEIMADAS EM NITERÓI
ATENÇÃO: ALERTAMOS PARA O ELEVADO RISCO DE INCÊNDIOS NAS ENCOSTAS (Niterói)
Rio tem recorde de focos de queimada em 2014 devido à onda de calor

CAUSAS DOS INCÊNDIOS EM VEGETAÇÃO
Queimadas: mitos e verdades
Presos em operação contra soltura de balões em São Gonçalo
Balão cai em área residencial e provoca destruição em São Gonçalo
CPAm e GAM apreendem balão em São Gonçalo e Maricá neste domingo
Fiscalização no combate aos balões e vários foram apreendidos
Comando de Polícia Ambiental interdita fábrica de balões em Maricá
INEA FARÁ CAMPANHA DE FISCALIZAÇÃO CONTRA BALÕES
Criminosos soltam balões em plena situação crítica de incêndios
Muitos focos de queimadas em Niterói. Responsáveis pelos incêndios serão investigados
Crime ambiental: fiscalização aperta o cerco contra baloeiros
Crime ambiental: hoje de manhã, 20 balões sobre Niterói
Incêndio criminoso na Serra da Tiririca, em Itaipuaçu
Rio tem recorde de focos de queimada em 2014 devido à onda de calor


DANOS AMBIENTAIS E À SAÚDE CAUSADOS PELAS QUEIMADAS:
QUANTO CUSTA PRESERVAR A MATA ATLÂNTICA?
O QUE O DESMATAMENTO TEM A VER COM A SUA TORNEIRA?
Quanto vale uma árvore?
Poluição do ar causou a morte de sete milhões de pessoas em 2012
Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano
NASA: Fogo na Amazônia (2010) gerou mais CO2 para a atmosfera que as emissões anuais da India
Câmara dos Deputados discutirá poluição atmosférica nas grandes cidades
Desmatamento da Amazônia emite mais do que o dobro de CO2 dos carros
Exposição excessiva à poluição do ar aumenta em 34% o risco um AVC, diz estudo
Fumaça de queimadas causa a morte de 339 mil pessoas/ano no mundo Como o Brasil, toda a América Latina passa por sérios problemas climáticos
Brasil deve esquentar pelo menos 3°C até 2100
Guarda-parques empossados fazem treinamento para atuar em UC estaduais
Cada árvore da Mata Atlântica chega a retirar 163 kg de CO2 da atmosfera

Outros temas relacionados às queimadas
EPA emissions limits? Brazil sees potential gains.
Desmatamento eleva em 100 vezes o custo do tratamento da água

Queimadas: o Brasil arde
Impacto das queimadas no efeito estufa
Crime ambiental: fiscalização aperta o cerco contra baloeiros
Queimadas: governo decreta emergência ambiental em 14 estados e no DF
O carvão e a banana: o Efeito Estufa explicado por cientista da NASA
Ranking dos países responsáveis pelo Efeito Estufa
Queimadas: governo decreta emergência ambiental em 14 estados e no DF

Ilhas de calor:
Blog do AXEL GRAEL: O efeito das ilhas de calor urbano
Blog do AXEL GRAEL: Calor, frescor e os ventos
‘Ilhas de calor’ na capital paulista causam temporais mais fortes do que no resto do estado

Acesse a Cartilha educativa contra balões dos Bombeiros RJ






 

5 comentários:

  1. A maioria (aproximadamente 95%) das queimadas nas margens das rodovias são causadas por fuligem incandescente que saem dos escapamentos de ônibus e caminhões que se encontram com o motor desregulado. Vejam "Queimadas no Brasil :causa real nas rodovias" disponível no Google. Tenho dito... Edmar - Itabira- MG

    ResponderExcluir
  2. Agradecemos a contribuição do Edmar. O documento que ele se refere pode ser acessado no link: http://sigma.cptec.inpe.br/queimadas/material3os/queimadas_ed_viana.pdf

    Axel Grael

    ResponderExcluir
  3. Edmar Viana de Freitas25 de setembro de 2010 17:57

    Boa tarde AXEL GRAEL, dia 27 (2ª feira)estarei fazendo uma palestra no 4º Seminário Nacional de Gestão de Frotas, com o tema "Um Novo Olhar Sobre as Queimadas"... Defendendo a minha tese.
    Abcs, Edmar

    ResponderExcluir
  4. Lamento informar que também existe a combustão expontânea dos matos em morros .Prova disso é que isso acontece em lugares habitados e também em lugares totalmente inóspitos e desabitados .Basta ver de cima com aviões lugares totalmente desabitados com morros em chamas .Isso acontece sempre no final do inverno com o mato seco . Sai do chão um gás decorrente da putrefação de folhas e capim que em contato com o ar ...se inflama e incendeia todo o mato ao redor .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sérgio. Agradeço a sua contribuição a este debate sobre incêndios em vegetação. Sou engenheiro florestal e, embora não seja um especialista, há algum tempo me interesso pelo tema das queimadas, uma das principais preocupações dos meus colegas de profissão e de todos os que atuam em silvicultura, restauração florestal, na gestão e políticas públicas de conservação de ecossistemas. Minha atuação profissional no tema se deve à minha atividade de gestor público, quando liderei políticas públicas relacionadas a queimadas, como presidente do Instituto Estadual de Florestas (IEF-RJ), da FEEMA e, como subsecretário estadual de Meio Ambiente (RJ) e, atualmente, na Prefeitura de Niterói, onde desenvolvo o programa Niterói Contra Queimadas. A sua explicação do gás que sai do chão devido à putrefação de folhas não é uma hipótese que eu já tenha visto na literatura. Acredito que o problema poderia ser uma preocupação nos casos de solo de turfa, que não são assim tão abundantes. Mesmo assim, haveria a necessidade de ignição. Portanto, não acredito que esta possa ser uma explicação para todos os focos que pudessem ser vistos do avião. Considero que casos de ignição natural possam ser atribuídos apenas a raios e a poucos outros fenômenos que não ocorrem no Brasil, como vulcões etc.

      Excluir

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael. Obrigado.