domingo, 31 de julho de 2011

Um rápido balanço da energia solar no mundo



Solar Trends From Around the World
Experts weigh in on what comes next in Europe, Asia and North America.

Regional markets were, as usual, one of the bigger topics at Intersolar earlier this month in San Francisco. Germany remains in the lead, with 28 times more solar installations than the U.S.; the country is still improving its already-successful photovoltaic (PV) policy. Here is an overview of some of the observations gleaned from around the globe at the conference.

Since the year 2000, renewable energy (RE) in Germany increased 11% and reached a 17% market share last year. “The share increased to 75% compared to last year,” explained Katharina Reiche, German parliamentary state secretary.

She added that 19.5 billion euros were invested in the global market and that more than 8,000 jobs were created in the solar market alone last year. Renewable energy expansion was enabled by the feed-in tariffs (FIT): “Support is given every four years, depending on a market situation, which offers investment and planning opportunities for the next 20 years.”

Germany decreased feed-in tariffs over the course of just two years from 46 euro cents per kWh to 26 euro cents per kWh. The country also developed a long-term energy plan: by 2050, renewable energy would represent 60 percent of total energy consumption. This will help reduce CO2 emissions by 40 percent by 2020 and by 80 percent by 2050.

Despite Germany’s leading position in the solar market, Reiche admits Germany is still discussing how to modernize solutions for transport, energy transmission, intelligent grid systems and management.

“To solve the problem, one must first understand it,” says Reiche, adding that Germany also owes its PV success also to the country's companies, which are committed to investing in green energy.

Like Germany, California has idle land available for solar projects, as well as other valuable energy resources. The state has been the hotbed of the U.S. solar market since 2006.

“The California Energy Commission licensed 4,000 MW of concentrated solar power (CSP) in 2010 and the U.S. goal is to install 833 MW by 2015, 1,666 MW by 2018 and 2,500 MW by 2030,” said John Geesman, the former co-chairman of the American Council on Renewable Energy (ACORE).

Rhone Resch, CEO and president of the Solar Energy Industry Association, agrees that the solar market is big in California, though the solar market is developing in all 50 U.S. states.

“Opportunities for the solar market are great. In Q1 2011, PV demand grew 66% over the first quarter of 2010,” said Resch. Cumulatively, more than 10,000 megawatts of solar have been planted in the U.S. More than 50,000 systems are installed annually throughout the U.S.

Solar is a desirable alternative energy source, since it will help reduce CO2 emissions and at the same time is considered ‘green.’ But Craig Lewis, executive director of the Clean Coalition, said that in California, though the state is leading the way in solar business in the U.S., 79% of planned projects ultimately fail and won’t ever come online.

Experience enables systems to be installed more rapidly, cheaply, and easily. Why can't the market fully exploit its potential? Maybe the reason is to be found in the diversified U.S. market, which can be confusing to investors, unlike the situation that exists in Europe.

Canada

“Canada is not just a land of oil and water. The sun shines there as well,” said Elizabeth McDonald, president of Canadian Solar Industries Association, adding that though Canada was not a strong player in the green energy market, things are changing.

The country has more solar than, for example, San Francisco: “Toronto is the leader and is way ahead of Berlin, Tokyo, Paris or any other [major world] city. The solar panels are also efficient in the shade, so they work even in winter.” Canada’s PV market offers other advantages, as well. Job creation is a main influence in times of crisis. According to McDonald, 50,000 green jobs have been created there so far.

Large-Scale Solar Risks

Despite the modest investments in the second half of 2010, many analysts believe that 2011 will be a strong year for solar, with 21.2 GW installed.

Seven markets will account for the bulk of installations, among them Germany (6.5 GW) and Italy (5 GW), stressed Mike Sheppard of IHS iSuppli. Despite the investments in the solar market, the panelists agreed on the dip expected in 2012. Though, as noted by Thomasz Slusarz, Chief Executive Officer at Belgian Solar PV Consulting, until 2007 the markets in the new member states were slow; growth was only seen beginning in 2009.

The goal of the Czech Republic to install more solar in 2011 failed. “As of this year, only 7 MW were installed." According to Slusarz, the Czech Republic’s goal was to have 90% of renewable energy in 2010 and an additional 76% in 2011.

“This means that the market will collapse, unfortunately,” warned Slusarz, adding that, for example, the Slovenian market is growing in a stable way, which is why Slovenia is interesting at the moment, also due to its interesting FIT system.

Slow progress is seen in Bulgaria, which pays €.31 per kWh. Hungary has a FIT but is not successful in implementing the policies; Latvia’s market is too small despite the FIT system and Poland has a big nuclear lobby, therefore there’s no support for solar energy. All EU countries have targets for 2020; Czechs have already reached the goal, Slovakia over-reached it and Slovenia is nearly reaching its targets.

Italy Rising

The Italian government's policy is embodied in the 4th Contod’Eergia. Its main components are: unlimited funding, large power plants connected before September 2011 do not have to register, though from September on, large ground installations have to pre-register with the GSE. Investment conditions in Italy are still offering attractive IRR/ROI and Italian PV market investors benefit from the country's FIT, which enables Italy to approach its goal of 3.5 GW solar by 2015.

Still, solar companies have already been impacted. SunPower blamed a second quarter shortfall on the slowdown in Italy.

Japan Returns

Besides European markets, where PV is expected to increase from over 28 GW in 2010 to nearly 100 GW by 2015, Asian countries are boosting their PV markets and solar installations, according to panelists who spoke recently at Intersolar.

After the tsunami in Japan in March 2011, Japan started to revive its renewable policy. Prime Minister Kan made a sudden request to shut down the Hamaoka nuclear power plant as soon as possible, due to the risk of a potential earthquake with a probability of 87% in the next 30 years. A nation in which, before March 11, most of the power came from oil and 54 nuclear power plants, and renewable energies (RE) accounted only for 2.8%, Japan set an ambitious new RE target: the country will aim to get 10% of its primary energy supply from renewables by 2020.

“The government is starting discussions right now. About 53 GW of solar should be installed by 2020,” said Hiroshi Matsukawa, manager of research at Japanese RTS Corporation.

The government took action immediately after the tsunami: large customers whose contracts demand 500kW or more must reduce their maximum electricity usage between 9 AM and 8 PM by 15% relative to that of the last summer. The penalty for non-compliance is up to one million yen per hour. To achieve a stable energy supply, Japan started investing in PV, and the Diet is discussing the new feed-in tariff system. “The demand for residential PV is rising,” said Matsukawa, adding that the new FIT will start in 2012 with 1 GW of solar power installed by the end of this year.

Masayoshi Son, the brash investor that helped deregulate telecommunications in that country, also recently announced that he wants to build solar power plants.

Overcapacity in China

In light of the 12th Five Year PV market plan, 49 companies invested 10 billion euros ($14 billion U.S.) in Beijing’s solar sector. They did it despite the overcapacity that currently exists, as stressed by Frank Haugwitz of Solar Promotion International GmbH in China.

“China has massive production capacity, orders are still coming in, and access to funding is almost unlimited. The four biggest banks are willing to lend the money to the Chinese PV industry,” said Haugwitz.

Most of the solar industry is concentrated in eastern China, though the sector is moving west. China changed the trend five years ago with a new energy plan to use locally available energy sources. The new target requires 15% of final energy from non-fossil fuels sources by 2020, whereas last year, this target was only 8%. Mandated market share (MMS) requires local power utilities to have 3% and 8% power-generation capacity of non-hydro RE sources by 2010 and 2020, respectively. However, as stressed by Haugwitz, the introduction of the nationwide FIT-based support scheme has been postponed because:

- High generation cost are politically not justifiable
- They represent an insignificant contribution to the overall energy mix
- Over the past five years, PV installed capacity was a few megawatts. The export-driven Chinese PV industry generates decent profits.
- The Chinese PV industry is mainly privately owned.
- Determination of an acceptable FIT level is difficult.
- There are more than 400 manufacturers in the country.
- Players and regulators want to avoid overheating the market.

“The Chinese government favors controlled markets. The guiding principle is slow but steady progress, which is believed to be a proven tool to determine a low FIT. A subsidy of up to $2.2 to $2.9 per kW is given. Priorities are rooftops with a minimum capacity 50 kWp,” Haugwitz said.

He added that China, in light of events in Spain, changed its provincial policy and decided to help out selected companies. Jiangsu should install 400 MW by 2011, Zhejiang decided in 2009 to install 50 MW by 2012, and Shandong aims at 150 MW by next year.

In March 2011, the State Council announced a 5 GW national target by 2015 and possible long-term target of 20-30 GW by 2020. The country's renewables development plan stipulates a target of 10 GW by 2015 and 50 GW by 2020. For the time being, not much is happening in Beijing.

Taiwan: From Chips to Green

Taiwan’s chip industry has been ramping up in solar for years, and local consumption policies have been established to soak up output.

“The goal is 12% to 15 % of the total power capacity from renewable energy by 2030,” said L.J. Chen, CEO and president of Taiwan’s AUO, an offshoot of computer conglomerate Acer.

The Taiwanese Bureau of Energy plans to install 70 MW of PV systems in 2011 and have 2,500 MW by 2030 with a FIT system in place. The scheme should encourage investments in rooftops and other small solar systems. “Subsidies for the installations between 1 kW and 10 kW will be given on the principle of ‘first come, first served’ -- other types require bidding processes before being installed,” explained Chen.

Fonte: Greentech Solar

Entrevista sobre os programas ambientais do Projeto Grael


Nesta terça feira, 2 de agosto, às 20:00h, serei entrevistado no programa Consciência Ambiental Oceânica, na Rádio Oceânica FM 105.9, da Região Oceânica de Niterói. Falarei dos programas ambientais do PROJETO GRAEL que, através de esportes náuticos, possibilita a inclusão social de jovens e o aprimoramento da cidadania.

sábado, 30 de julho de 2011

O gelo da Antártica é mais frágil do que se imaginava


El hielo de la Antártida es más inestable de lo que se pensaba

Hace unos 125.000 años, durante el último periodo interglaciar, el nivel del mar era al menos cuatro metros más elevado que en la actualidad, pero en ese periodo las temperaturas eran similares a las que se prevén a finales de siglo XXI. Un equipo estadounidense ha analizado el estado y el comportamiento de los casquetes de hielo de ambos polos en el pasado y concluye que el hielo de Groenlandia es más estable de lo que se pensaba y el de la Antártida más inestable

Un equipo de científicos estadounidenses revelan en la revista Science los patrones del derretimiento del hielo durante el último período interglaciar: el hielo de Groenlandia podría haber sido más estable de lo que muchos pensaban, y el hielo de la Antártida más inestable.

“La región occidental de la Antártida probablemente fue mucho menor de lo que es ahora, con una mayor subida del nivel del mar de lo que pensaban los científicos. Si la región occidental de la Antártida se desmoronó, significa que es más inestable de lo que esperábamos”, afirma Anders Carlson, coautor e investigador en Ciencias Geológicas de la Universidad de Wisconsin-Madison (EE UU).

Pero, ¿qué proporción de hielo se fundirá y contribuirá a subir el nivel del mar a finales de siglo? Para los científicos siguen existiendo grandes variaciones, de unos centímetros a varios metros.

“El casquete polar de Groenlandia se funde cada vez más rápido”, explica Carlson. “Está claro que necesitamos desentrañar cómo funcionaron las cosas anteriormente y cuál ha sido la respuesta del hielo en épocas pasadas ante veranos más calurosos que el actual”, añade.

¿Cómo se comportaron los casquetes?

Dónde se funde el hielo, y a qué velocidad es la mayor fuente de incertidumbre para predecir las subidas del nivel del mar causadas por el cambio climático. La razón: existen variables desconocidas y restricciones físicas para calcular las masas de hielo.

El equipo de investigación intentó encontrar una forma de delimitar dónde permaneció inalterado el hielo en Groenlandia durante el último período interglacial para definir con más precisión el comportamiento de los casquetes de hielo y mejorar las previsiones para el futuro.

Los investigadores analizaron muestras del fondo oceánico extraídas de una región situada al sur del extremo meridional de Groenlandia, que recibe sedimentos arrastrados por las corrientes de aguas formadas por la fusión del casquete polar.

Utilizaron distintos patrones de isótopos radiogénicos para identificar los orígenes de los sedimentos, cuyos patrones muestran qué terrenos seguían bajo el hielo en aquellos momentos.

“Si la tierra se deshiela, se pierden esos sedimentos”, señala Carlson. Sin embargo, todos los terrenos seguían aportando sedimentos durante el último período interglaciar, por lo que aún tenían encima una cubierta de hielo.

“La extensión del casquete de hielo se redujo hasta ocupar una extensión menor a la actual, y el nivel del mar subió con toda seguridad, y siguió fundiéndose durante el período más caluroso”, apunta el científico. Pero el análisis de los sedimentos indica que “el casquete de hielo parece ser más estable que algunos de los parámetros de retroceso más elevados presentados por los expertos”.

El equipo evaluó además varios modelos ya elaborados de la fusión del casquete de hielo de Groenlandia durante el último período interglaciar. Los modelos con los nuevos hallazgos indican que el derretimiento del hielo de Groenlandia causó un aumento del nivel del mar de entre 1,6 y 2,2 metros. El resto se debe al deshielo del casquete polar antártico.

http://www.agenciasinc.es/

Fonte: Ecoticias

Biólogo propõe a municipalização do Parque Estadual da Pedra Branca

Um bom tema para debate...

O texto abaixo é de autoria do biólogo e ambientalista Paulo Bidegain da Silveira Primo, um dos maiores especialistas em parques e o maior conhecedor da gestão dos parques no estado do Rio de Janeiro. Há anos, Paulo debate e apresenta propostas para a efetiva implantação das unidades de conservação fluminenses, já tendo também arregaçado as mangas ao ocupar a função de vice-presidente do antigo Instituto Estadual de Florestas (IEF-RJ) e a Superintendência de Biodiversidade da Secretaria Estadual do Ambiente.

Como ambientalista, Bidegain foi um dos principais mentores da criação do Parque Estadual da Serra da Tiririca e sua implantação. A sua ação no governo estadual fez o Parque Estadual da Ilha Grande ter importantes avanços, na expansão dos seus limites, no planejamento, na infraestrutura e gestão, embora a sua ambição de transformar aquela unidade em um modelo de área protegida no RJ frustrou-se pela falta de continuidade após a sua saída.

Paulo Bidegain publica um Blog cuja consulta é indispensável para quem se interessa pela gestão de unidades de conservação no Rio de Janeiro, no Brasil e no mundo. Mesmo residente no Canadá, Paulo Bidegain está permanentemente conectado com o RJ e atento à nossa agenda ambiental.

O ponto levantado por Paulo é que nenhum órgão está estruturado suficientemente para gerir todas as demandas de conservação no RJ e que é preciso unir forças. Há tudo por se fazer nos parques e não podemos mais perder tempo. Com as compensações ambientais e outras formas de financiamento dos parques, a falta de recursos financeiros não pode mais ser a desculpa. O gargalo está na capacidade executiva dos órgãos responsáveis pelos parques.

Portanto, na implantação das unidades de conservação, o que importa é a capacidade de executar. Que assuma a liderança quem tiver os melhores meios para isso e que se valorizem as sinergias, não a competiçao. A SMAC - a secretaria de meio ambiente carioca - tem estrutura e recursos para assumir o PEPB, liberando o órgão estadual (INEA) para atuar onde há mais carência de estrutura, de investimentos e, portanto, onde a sua presença é mais necessária: no interior.

Enfim, o pior que se pode fazer aos parques é não discutí-los. Como Paulo exemplifica com inúmeros casos em seu Blog, parques são instrumentos de desenvolvimento econômico e social em diversos países, enquanto que aqui no Brasil, ainda são vistos como sorvedores de dinheiro e meros territórios excluídos do processo de desenvolvimento.

As consequências desta visão torta, todos nós conhecemos: historicamente menosprezados pela sociedade, e consequentemente pela administração pública, os parques não cumprem o seu papel ambiental e social, sendo condenados ao abandono e à degradação.

Que venha o debate. Com ele virá a ação.

O Blog do Paulo Bidegain é http://www.paquespark.blogspot.com/

Axel Grael


Localização do Maciço da Pedra Branca, localizado no coração da Cidade do Rio de Janeiro e próximo de muitas das futuras instalações olímpicas da Rio 2016.

Copa do Mundo, Olimpíadas e a Municipalização do Parque Estadual da Pedra Branca
Paulo Bidegain

O Parque Estadual da Pedra Branca (PEPB) tem importância histórica. Foi em seu território que o Major Archer coletava as sementes e produzia mudas para recuperar a Floresta da Tijuca. O Parque era a menina dos olhos do Professor Darci Ribeiro e somente em 1992-1994 recebeu seus primeiros investimentos. Entre 2002 e 2005, mesmo sem qualquer plano de manejo ou projeto para guiar os investimentos, o PEPB recebeu vultosos recursos de compensação ambiental, totalizando mais de R$ 4 milhões.


Um Centro de Visitantes foi montado na antiga casa projetada pelo Arquiteto Zanine, ao lado de prédios para servir a administração, lanchonete e bobagens como minhocário e broméliario, que obviamente na primeira crise financeira foram abandonados. Ao memo tempo, recursos adcionais de razoável monta foram empregados pelo PDBG para construção de uma sub-sede e para estudo fundiário. E ainda assim o PEPB continuou de papel!

Pessoas foram contratados pelo IEF com recursos de compensação ambiental. Quando o dinheiro acabou foram mandados embora e o Parque voltou a sua minúscula equipe. Como resultado, já em 2006 uma parte significativa dos investimentos estavam perdidos, com suas instalações apresentando sérios problemas devido a falta de manutenção e ao abandono.

Depois de tanta trapalhada, não tenho dúvidas que o PEPB estaria hoje muito melhor se tivesse sido municipalizado, pois a Prefeitura do Rio de Janeiro detém muito mais condições de estruturar um parque que em essência é urbano. A cessão que defendo é definitiva, para que Prefeitura crie um Parque Natural.

Ainda uma ficção apesar de seus quase 40 anos, o PEPB tem enorme potencial natural e recreativo, cronicamente mal inventariado, planejado e aproveitado. Por estar cercado por áreas urbanas com grande adensamento e apresentar múltiplas entradas, sua gestão demanda uma quantidade de recursos humanos que só a Prefeitura pode disponibilizar e médio a curto prazo. A Administração do Parque Nacional da Tijuca, também cercada de áreas urbanas, há muito tempo percebeu que é impossível operar um parque urbano sem apoio da Prefeitura. Obviamente, o Governo Federal jamais abrirá mão do PN da Tijuca, um símbolo do Brasil com o Corcovado e múltiplas atrações e oportunidades de gerar receitas.

Exponho a seguir alguns motivos que reforçam a necessidade de municipalização.

Questão de Justiça

O Parque Estadual da Pedra Branca foi criado em 1974 pelo Governo do Estado da Guanabara, ex-Distrito Federal, através da Lei nº 2.377, de 28 de junho. Com a fusão em 1975, ao invés de seguir para o patrimônio do Município do Rio de Janeiro, como seria lógico, já que esta integralmente situado em seu território, foi incorporado como bem do Estado do Rio de Janeiro e entregue a então Secretaria de Estado da Agricultura. Esta injustiça fez com que sobrassem apenas espaços extremamente reduzidos para criar unidades de conservação municipais, já que o Governo Federal gerencia o Parque Nacional da Tijuca (PNT), no outro maciço.

A municipalização corrige a injustiça. A medida possibilitaria a Prefeitura administrar um espaço capaz de abrigar uma razoável diversidade biológica, já que hoje ela está restrita a gerir parques muito pequenos, quase que praças grandes, com capacidade muito limitada de manter biodiversidade. Junto com o Parque é necessário também ceder o Horto Florestal para que ele passe a funcionar sem tantas interrupções e com a minima condição.

Capacidade Operacional

Desde 1974, por nada menos que 37 anos, o Governo Estadual tem sido responsável pelo parque mais próximo da sede do órgão gestor (DRNR e IEF) e nem assim conseguiu implantá-lo. Entre 2002 e 2004 foram investidos mais de R$ 4 milhões, principalmente em infra-estrutura, sem qualquer visão estratégica. O Plano de Manejo não foi concluído. E nenhum esforço adicional foi feito para garantir a sustentabilidade do Parque, como parcerias com a Prefeitura e empresas privadas, concessões e diversas outras atividades. A WWF realizou estudo apontando dezenas de empresas ao redor. Ao que tudo indica, nenhuma delas foi contactada em busca de parceria.

Não tem lógica alguma, para o INEA, gastar somas consideráveis de recursos e alocar grande quantidade de pessoas para implantar e operar o PEPB, quando tem um desafio imenso de planejar e implantar os Parques no interior, a grande maioria em municípios economicamente debilitados que precisam deste tipo de empreendimento. O INEA tem que por empenho nos diversos parques existentes e que estão sendo criados e necessitam de quase tudo.

A Prefeitura do Rio de Janeiro tem plenas condições técnicas, operacionais e financeiras para assumir a gestão. A Fundação Parque e Jardins, com mais de 100 anos, tem mais experiência com Parques que o INEA, e pode muito bem cuidar do PEPB. Além disso, a Prefeitura dispõe da Guarda Municipal Ambiental.

Conclusão

A municipalização do Parque Estadual da Pedra Branca apóia-se nos seguintes motivos:

• Foi criado em 1974 pelo Estado da Guanabara; portanto, no processo de fusão deveria ter sido repassado ao município e não ao Estado;

• Situa-se integralmente no município do Rio de Janeiro;

• A Prefeitura do Rio de Janeiro, a segunda do país em receita, tem plena capacidade técnica e financeira de operar o parque e pode investir os recursos de ICMS Verde na tarefa;

• Os principais problemas a serem enfrentados são decorrentes da expansão urbana, detendo o município, melhores condições para enfrentar o desafio e promover uma gestão mais eficiente, como o Instituto de Parques e Jardins e a Guarda Municipal Ambiental;

• Permitiria ao Estado concentrar investimentos hoje dispersos em várias unidades de conservação naquelas mais estratégias, que detém maior biodiversidade e se encontram no interior;

O processo de municipalização pode ser gradativo, pois a Prefeitura não pode assumir imediatamente a gestão do Parque. A primeira ação pode ser a assinatura de Termo de Cooperação Técnica, com a criação de Grupo de Trabalho reunindo INEA, SMAC e Instituto Pereira Passos para definir os passos e avançar. O Plano de Manejo poderá propor novos limites para exclusão de favelas e outras ocupações antigas, além de ser ampliação para viabilizar a conexão com o PN da Tijuca. E o INEA pode ceder recursos a Prefeitura para os investimentos nos primeiros quatro anos.

Não estou propondo ao INEA livrar-se de um parque, mas sim entregá-lo para uma instância que pode melhor administrá-lo. A Prefeitura do Rio de Janeiro tem plenas condições de assumir o Parque da Pedra Branca e fazer a diferença, dotando-o da infra-estrutura e dos recursos humanos que ele merece.

Uma idéia factível seria criar um único parque natural setorizado, abragendo não só a área do PEPB, mas também as superfícies dos parques da Cidade, Chacrinha, Grajaú e Prainha, acrescido da Reserva Biológica de Guaratiba, que poderia ser chamado de Parque Natural do Rio de Janeiro. Depois de 36 anos, chegou a hora de transformar o Parque problema em Parque solução.

Em poucos anos teremos Copa do Mundo e Olimpíadas no Rio de Janeiro e o que estamos fazendo de significante para aproveitar a onda e preparar os “parques da copa”, como os Parques Estaduais da Pedra Branca e da Tiririca para visitação, ambos na região metropolitana? Muito pouco no primeiro e nada no segundo. Hora de agir e fazer ações que efetivamente mudem a realidade. E o melhor projeto é municipalizar.
---------------------------------------------
Leia também a opinião de Paulo Bidegain sobre a gestão das APAs do Rio de Janeiro.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Áreas protegidas no mundo são poucas, pequenas e ameaçadas

Fragmentação de ecossistemas é uma ameaça à conservação a biodiversidade.

As áreas de proteção ambiental do mundo são pequenas, desconectadas e sujeitas a ameaças como mudanças climáticas e espécies invasoras. Não recebem os investimentos adequados e, se crescerem no ritmo atual, demorarão 185 anos para atingirem o tamanho recomendável. O diagnóstico é de um estudo da Universidade do Havaí, publicado na última quinta-feira pela revista "Marine Ecology Progress Series". Os autores da pesquisa são pessimistas: embora, nos últimos 30 anos, o número de locais resguardados contra a ocupação humana tenha aumentado significativamente, é provável que eles jamais atinjam o porte necessário para evitar a perda de biodiversidade. Hoje, as cerca de 100 mil áreas protegidas no planeta ocupam 17 milhões de quilômetros quadrados de terra (o equivalente a 5,5% das regiões continentais) e 2 milhões de quilômetros quadrados de oceano (0,08%) - O Globo, 29/7, Ciência, p.28.

Fonte: Newsletter Manchetes Socioambientais, do Instituto Socioambiental-ISA

Tiros em pinturas rupestres: quem é o pré-histórico?

Pintura rupestre no Parque Nacional da Serra da Capivara. Denúncias de vandalismo e depredação.

Desenhos pré-históricos exibem marcas de tiros


Em entrevista, a pesquisadora que descobriu pinturas rupestres na Serra da Capivara reclama da insegurança no Parque Nacional: o sítio no Piauí é tombado pela Unesco.

Numa disputa com o governo federal, de quem espera receber recursos para manter, nos rincões do Piauí, um museu a céu aberto com desenhos rupestres de até 50 mil anos, segundo a Unesco, a arqueóloga paulista Niède Guidon faz alarde sobre as marcas de tiros nas pinturas.

A pesquisadora diz temer pela segurança dos 300 sítios arqueológicos e 25 mil pinturas rupestres que descobriu, em 1970, no parque nacional da Serra da Capivara. E afirma que o vandalismo foi praticado "há três anos", supostamente por caçadores.

Já o ICMbio, órgão federal que deveria zelar pela área, contesta: diz que as pinturas foram violadas há dez anos. Isolado, esse sítio arqueológico que conta a história de homens ancestrais fica numa paisagem semiárida e exibe curiosas formações rochosas areníticas, cânions e encostas escarpadas.

Há 19 anos, Niède Guidon cuida desse achado arqueológico no parque nacional. O local se tornou patrimônio cultural da humanidade, um título concedido pela Unesco, em 1991. Tensa, a relação entre a pesquisadora e as autoridades está num momento crítico. Ela declara que as obras do aeroporto internacional de São Raimundo Nonato (PI) têm ritmo lento há 11 anos.

E credita a morosidade "a desvios de verbas públicas". "São diversas as figuras humanas com marcas de balas; acho que o Brasil está deixando de lado um patrimônio que tem um valor imenso e que pode mudar a história do Piauí", diz Guidon.

Leia a seguir os principais trechos da entrevista exclusiva concedida por ela à Folha por telefone:

Folha - Há pinturas da Pré-História no parque que datam de quase 30 mil anos. Quem danificou esse patrimônio?

Niède Guidon - Os caçadores. Ou outras pessoas, eu não posso dizer com exatidão; mas estão brincando de atirar nas figuras. São diversas figuras humanas, desenhos pré-históricos, que estão com marca de tiros.

Quando a sra. notou os tiros?

Eu comecei a ver, mas, por problemas de saúde, não vou todo o dia aos locais: são mais de 1.800 sítios [o site da Unesco, whc.unesco.org/en/list/606, menciona mais de 300]. Há três anos comecei a ver isso, os tiros foram registrados na mesma época. Costumava ir lá todos os dias, mas agora já não posso, por problema de saúde.

Autoridades foram informadas dos danos às pinturas?

Sim, informamos. Em São Raimundo Nonato há escritório do Iphan [o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional]. Comunicamos a eles, mas a representação aqui não pode fazer nada, há só uma pessoa, com pouco recurso governamental.

Foi aberta uma queixa na polícia sobre os tiros nas pinturas?

Não, não adianta reclamar na polícia. A polícia mal dá conta do que se tem a fazer na cidade. As autoridades em geral moram na capital, Teresina, ficam poucos dias aqui. O Piauí funciona desse jeito. Não adianta dar parte... Agora estão falando na criação de um batalhão ambiental, mas se fala disso há tempos. Aparentemente, o governo não tem dinheiro.

E quanto à Unesco, ela está ciente da situação?

Também já passei as informações para a Unesco, que não pode interferir num assunto nacional. Mas podem tirar o título de patrimônio. Não se fala disso, porque enquanto pudermos aguentar, ficamos. O Brasil está deixando de lado um patrimônio que tem um valor imenso, que pode mudar a história do Piauí.

Existe a possibilidade de vocês saírem do parque?

Se não houver dinheiro, não tem como fazer. O parque é imenso, 250 km de perímetro, precisa de R$ 5 milhões [o parque recebeu a metade disso no ano passado]. O problema é o aeroporto. Nosso projeto é autossustentável, mas depende do aeroporto para funcionar. Em 1996, conseguimos que o governo federal construísse um aeroporto. No ano seguinte, foi a primeira liberação de verbas, mas não sei por que cargas-d'água o governo manda as verbas para o governo do Piauí. Esse dinheiro sumiu, foi usado na campanha eleitoral de 1998. A obra só foi iniciada em 2004. Os turistas reclamam da dificuldade de chegar. As estradas aqui são perigosíssimas, estreitas, cheias de buraco. É uma aventura vir para cá e nossos turistas são geralmente pessoas de certa idade. Não há dinheiro suficiente para manter o parque, nem gente. Pessoas capacitadas também deveriam ser mandadas para o interior.

Qual seria a solução para a questão do aeroporto?

A presidente Dilma privatizou vários aeroportos. Se conseguíssemos privatização, aí pronto, estaria tudo salvo. Como o parque é um destino turístico que poderia receber turistas na Copa de 2014, há empresas estrangeiras que estão interessadas em construir hotéis aqui e em terminar o aeroporto.

Existe contrapartida das autoridades sobre a privatização?

Não sei, estamos aguardando uma definição. Espero que a administração federal tenha bom senso para privatizar o terminal e desenvolver o turismo arqueológico e natural daqui.

Se a verba cessar, o que acontece com a manutenção?

O parque nacional da Serra da Capivara acaba, não há como mantê-lo. Tínhamos R$ 8.000 em caixa; nossa salvação foi a Petrobras, que nos depositou dinheiro por meio da Lei Rouanet. Temos verba para três meses.

O que a sra. ganha com a manutenção do parque?

Não ganho nada; sou aposentada pelo governo francês. Não se pode destruir isso. O que nos faz lutar é o sentimento de que não pode se perder esse patrimônio.

OUTRO LADO

'Tiros têm dez anos, e não só três', diz instituto.

O Instituto Chico Mendes (ICMbio), braço do Ministério do Meio Ambiente responsável pela conservação de reservas ambientais (incluídos, aí, os parques nacionais), rebateu pontos levantados pela arqueóloga Niède Guidon em entrevista exclusiva à Folha.

Em comunicado da assessoria de imprensa, o órgão governamental declarou que "os tiros a que a arqueóloga se refere datam de dez anos atrás, quando caçadores conseguiam entrar ilegalmente no parque. Hoje em dia isso não ocorre mais, uma vez que o parque encontra-se muito bem monitorado".

A assessoria do ICMBio também afirma que cuida da vigilância de 14 bases do parque, e que conta com 34 funcionários, entre servidores e prestadores de serviços. Outras 14 bases são de responsabilidade da Fundação Museu do Homem Americano (Fundham), que é capitaneada por Guidon.

Segundo depoimento da arqueóloga, o parque nacional piauiense "carece de funcionários federais na sua administração." Ela diz que faltam ainda verbas para manutenção do local, cujo perímetro é de 250 km. A nota do órgão federal registra que ''assim que a equipe do ICMBio analisar os dados, poderá fazer um termo aditivo para continuação da parceria e alocação de mais recursos", acrescentando que, desde 2009, mais de R$ 1,2 milhão foram repassados à Fundham.

"O valor atualmente destinado ao parque nacional da Serra da Capivara está muito acima do valor aplicado em média nas demais 309 unidades de conservação federais, em que pese o reconhecimento do Instituto Chico Mendes de que o valor destinado à unidade (mais de R$ 800 mil por ano) é insuficiente."

Aeroporto em obras - Consultado pela Folha, o deputado federal José Francisco Paes Landim (PTB-PI), declarou que por volta de R$ 20 milhões já foram gastos no aeroporto internacional de São Raimundo Nonato, cuja criação ocorreu em 1996, por decreto - e estimou que outros R$ 10 milhões serão necessários para sua conclusão.

Atualmente, esse parlamentar pleiteia recursos junto à União. "As obras devem ser concluídas neste ano, com a liberação de R$ 8 milhões em recursos pelo governo federal", previu. Quanto à demora na conclusão do aeroporto, Paes Landim afirma que a pista do aeroporto está pronta, "e que falta pouco mais da metade" para toda a obra acabar.

Procurado pela reportagem para rebater acusações de Guidon sobre desvio de verba, o governo do Estado do Piauí não se pronunciou. A Polícia Federal também não se manifestou sobre atividades de caça no perímetro do parque nacional, expressamente proibida por lei federal. Questionada pela reportagem, a Unesco não comentou as marcas de tiros nas pinturas ancestrais.

(Folha de São Paulo)

Fonte: Jornal da Ciência

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Energia do vento para produzir água potável


Brasil terá tecnologia para produzir água potável a partir dos ventos

Uma tecnologia francesa que promete revolucionar o problema do abastecimento de água em regiões secas pode desembarcar em breve no Brasil. Isso porque a Eole Water, detentora do produto, fechou uma parceria com a Solstice para implantar a novidade no país.

Segundo a empresa, que faz consultoria para geração de energias renováveis, a tecnologia é semelhante a uma turbina eólica comum, porém, utiliza a energia dos ventos para liquefazer o vapor d’água.

Assim, a umidade do ar é aspirada por um sifão e condensada para extração da água, em um fenômeno semelhante ao da chuva. Em seguida, a água é tratada e armazenada, conforme as normas de qualidade fixadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), tornando-se adequada para o consumo humano.

O tratamento da água é feito mecanicamente, através da filtração, reconstituindo um processo que ocorre naturalmente no solo para a formação do lençol freático. A água é então armazenada e mantida sempre em movimento, em um tanque de inox alimentar com capacidade de mil litros.

De acordo com a Solstice, em nenhum momento a tecnologia gera resíduos, emite gases ou utiliza componentes químicos.

Potencial brasileiro

Segundo Penélope Valente, consultora da Solstice, o Brasil apresenta as condições climáticas ótimas (umidade relativa do ar, temperatura e qualidade dos ventos) para a produção de água. Com isso, calcula-se que o país tenha uma capacidade de produção diária de água potável de cerca de 1.500 litros (considerando-se uso de 8h por dia) por cada turbina.

Nem as dimensões continentais do país, com suas variações de umidade, nem as estações climáticas influenciam a produção de água potável, diz Penélope. Ela ainda destaca que a turbina pode ser regulada para gerar mais água ou energia, a depender da necessidade do local.

Por enquanto, a Solstice está em busca de parceiros para implantar as turbinas no Brasil. A intenção é levá-la para comunidades isoladas, com deficiência no abastecimento de água ou que ainda precisem de caminhões pipa. De acordo com a consultora da empresa, até o final deste ano eles já pretendem ter locais e datas de implantação encaminhados.

“Essa é uma tecnologia nova que, além de levar água potável para pessoas que não têm (o que no Brasil representa um grande número de pessoas), é um avanço para a economia verde. O Brasil tem recursos climático para levar o mundo inteiro adiante e uma tecnologia dessas é um passo a frente”, afirma Penélope.

Ela ainda destaca que já existe uma torre como essa em pleno funcionamento em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos.

Fonte: Redação EcoD, em Rematlântico

Energia solar pode reduzir consumo de energia elétrica em até 17% nos horários de pico


O Brasil tem a matriz energética mais limpa do mundo. E esse padrão deve ser mantido, mesmo com o desenvolvimento econômico previsto para os próximos anos. Para isso, o Governo Federal incentiva projetos de energia solar para aquecimento da água, aproveitamento dos ventos, da biomassa e das ondas do mar.

“É importante montar estratégias de consumo energético que também contribuam para mitigar as emissões de gases de efeito estufa, mantendo o crescimento econômico”, observa o secretário de Mudanças Climáticas do MMA, Eduardo Assad.

As alternativas energéticas à produção são importantes para evitar o aumento da participação das fontes fósseis de energia. O esforço nacional é chegar a 2020 com o mesmo padrão de emissões de 2005. “Há potencial de redução do consumo de energia elétrica em até 17% nos horários de pico, com aquecimento da água do banho por energia solar. Estamos buscando esse caminho”, afirma Eduardo Assad.

Opções populares – Por meio da Portaria 238, de 21 de junho de 2009, o MMA criou um grupo de trabalho para incentivar o uso de Sistemas de Aquecimento Solar de Água, incluindo os conjuntos habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida.

A meta estipulada é de 15 milhões de m² de áreas com coletores solares até 2015. Hoje são 6,24 milhões de m². “Para tanto, as linhas de atuação são políticas públicas que incluam gestões junto a programas governamentais como o Minha Casa Minha Vida e o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), além do foco na criação de ‘empregos verdes’ e inovação tecnológica, por exemplo”, explica o secretário.

Já foi alcançada a primeira meta de 40 mil unidades habitacionais com os sistemas de aquecimento solar. Para a segunda fase, deve se atingir outras 260 mil. “Acho que os coletores solares para aquecimento de água são viáveis, e podem reduzir o consumo de energia elétrica, com bom resultado na conta de luz”, diz Assad. “O Minha Casa Minha Vida é um programa que está adotando a energia solar, e o Fundo Clima está apoiando. Na área de inovação tecnológica também. Sem ciência e tecnologia, o País não cresce.”

O secretário enfatiza a importância da conscientização, que é uma das soluções, aliada a fortes campanhas educativas, além da apresentação de projetos factíveis. “E a energia solar é fundamental.”

Infraestrutura – O Ministério do Meio Ambiente firmou contrato com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a aplicação de R$ 233.727.463,00 previstos no Orçamento da União, por meio do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima, para incentivar a economia de baixo carbono no País. As primeiras chamadas públicas e editais já foram publicados.

O BNDES vai operar linhas de crédito reembolsáveis a governos, empresas públicas ou privadas para a redução de emissões de gases-estufa e também de adaptações a situações provocadas por mudanças climáticas. Entre os temas prioritários estão projetos para a geração de energia renovável.

Há previsão para o desenvolvimento tecnológico e cadeia produtiva de energia solar para todo o Brasil. Mas, especialmente para as regiões sem acesso ao sistema integrado de energia elétrica (como áreas do Norte, Nordeste e Centro-Oeste), existem recursos a serem liberados para geração e distribuição local de energias eólica, de biomassa e marés.

“Existem no Fundo Clima dois tipos de financiamentos: não reembolsáveis e reembolsáveis. No primeiro tipo, serão estimulados estudos de potencial de utilização e incentivo à busca de novos materiais, incluindo a geração de energia por células fotovoltaicas (onde a energia solar é transformada em energia elétrica). O segundo incentiva a ampliação do uso de coletores solares, principalmente para aquecimento de água”, detalha o secretário Assad.

O Fundo Clima possibilita, inclusive, acesso a crédito para indústrias que invistam na compra de máquinas e equipamentos de melhor eficiência energética. E ainda para o setor de energia com uso de resíduos sólidos nas 12 capitais metropolitanas que sediarão os jogos da Copa do Mundo em 2014.

Sustentabilidade – Um dos maiores desafios do planeta é o desenvolvimento com sustentabilidade. Estudos científicos indicam um limite de aumento de 2° C na temperatura mundial. “A partir desse patamar, será muito difícil voltar à situação de, por exemplo, 350 ppm de CO² na atmosfera. Hoje estamos chegando a 400 ppm. O limite seria algo próximo de 450 a 500 ppm”, enfatiza Eduardo Assad.

Os reflexos poderão ser reduções na produção agrícola, aumento da vulnerabilidade das regiões costeiras e mais riscos de desastres naturais, com consequente impacto na saúde. A meta é deixar de emitir até 1,2 bilhão de toneladas de CO² até 2020, com reduções de até 38%.

O secretário, que há 25 anos trabalha com mudanças climáticas, afirma que os impactos ainda são controláveis, mas já se observam eventos extremos de temperatura e de chuva, que podem estar diretamente influenciados pelo aquecimento global.

Texto de Cristina Ávila, MMA, publicado pelo EcoDebate, 28/07/2011

Fonte: Ecodebate

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Projeto mais ambicioso quadruplicou orçamento para Olimpíada de 2012

O estádio olímpico para 80 mil pessoas custou 486 milhões de libras.

Pablo Uchoa

Da BBC Brasil em Londres


Em seis anos, as mudanças nas ambições do projeto olímpico londrino levaram as autoridades britânicas a apresentar ao contribuinte uma conta cerca de quatro vezes maior que a original.

A estimativa inicial de 2,4 bilhões de libras (cerca de R$ 6 bilhões) apresentada em 2005, quando Londres foi escolhida para sediar os Jogos Olímpicos, fica pequena diante dos valores a um ano da abertura do evento.

Segundo a ODA, o órgão que supervisiona os preparativos, só em obras para a Olimpíada devem ser gastos 7,25 bilhões de libras (mais de R$ 18 bilhões).

Isto inclui a construção das arenas de competição, a vila olímpica e o centro de mídia, a infra-estrutura da região dos Jogos e obras no sistema de transporte.

Levando em conta o policiamento do evento e da cidade, os Jogos Paraolímpicos e outros gastos operacionais, entretanto, o custo deve subir para 9,3 bilhões de libras (R$ 23,5 bilhões).

E as autoridades ainda precisam divulgar o valor da readaptação da infra-estrutura olímpica para uso após os Jogos.

Mas apesar do salto orçamentário, as autoridades esportivas rebateram as críticas apontando que a Olimpíada deixará "o legado mais duradouro" para Londres: a revitalização da região leste da cidade, uma área historicamente mais pobre e carente de infra-estrutura.

Ao defender a ampliação do projeto e do orçamento em 2007, a então secretária do Partido Trabalhista para a Olimpíada, Tessa Jowell, disse que os Jogos mobilizariam "um programa de regeneração que nunca poderia ser imaginado sem os Jogos".

50 anos em 5

Analistas dizem que as transformações realizadas com a realização dos Jogos Olímpicos no leste de Londres levariam décadas para serem obtidas através de projetos de desenvolvimento caminhando ao passo normal.

Segundo o orçamento da autoridade olímpica britânica, foram gastos quase 2 bilhões de libras (cerca de R$ 5 bilhões) na implantação de linhas de energia elétrica, pontes, vias e outras obras de infra-estrutura nas áreas ao redor do parque olímpico.

Outros 865 milhões de libras (cerca de R$ 2,2 bilhões) foram direcionados para obras no metrô e no sistema de transporte que servirá a região dos Jogos.

Além disso, o valor da conta subiu a partir da estimativa original porque, em 2007, o governo acreditava ser possível construir o centro de mídia e a Vila Olímpica com recursos privados, atraindo empresas para investir no evento.

Com a crise econômica que se abateu sobre o país no ano seguinte, os recursos do setor privado ficaram mais escassos e o governo teve de arcar sozinho com a conta de 1,2 bilhão de libras, ou R$ 3 bilhões.

O valor é mais alto que tudo o que foi gasto levantando as arenas em si – 1,1 bilhão de libras, cerca de R$ 2,8 bilhões. Na conta final, a construção dos locais dos jogos deve representar pouco mais que 10% dos custos totais.

Além dos 7,25 bilhões de libras em obras para preparação do Parque Olímpico, outros 2 bilhões de libras de gastos estão previstos no pacote de financiamento público.

A maior parte é destinada à segurança – uma rubrica que pode ter aumentado consideravelmente após os ataques de 7 de julho de 2005, que mataram mais de 50 pessoas em Londres poucos dias após a escolha da sede olímpica.

Legado

Ao fim da competição, o governo transformará a Vila Olímpica em moradias, reconfigurará o traçado das vias e readaptará os locais de competição para o uso cotidiano.

A ideia é evitar que as arenas e o estádio e arenas caiam no desuso e virem "elefantes brancos" na cidade.

A autarquia criada para cuidar do legado do Parque Olímpico, OPLC, na sigla em inglês, ainda está estudando o valor do custo desta transformação. A estimativa deve ser publicada no próximo relatório olímpico, que deve sair em outubro.

Sem ter sido ainda divulgada, a cifra já vem causando polêmica. Algumas estimativas apontam que só para readaptar o estádio olímpico – que deverá passar de uma capacidade de 80 mil lugares para 25 mil – o governo terá de desembolsar o equivalente a 90% de toda a obra.

Desde que o orçamento foi revisado e detalhado, em 2007, as autoridades londrinas têm mantido os custos um pouco abaixo do previsto, e 88% do total das obras já ficaram prontas.

A inauguração da 6ª arena de competição, a piscina olímpica para competições de natação e nado sincronizado, um ano antes da abertura do evento, significa que a preparação para os Jogos de 2012 também está dentro do cronograma.

Fonte: BBC Brasil

Ao contrário do prometido, 90% dos investimentos para a Copa serão públicos

Futuro estádio do Corinthians.
Investimentos públicos na Copa substituem os privados
“Hoje, mais de 90% dos gastos com os estádios para a Copa do Mundo no Brasil serão públicos”, calcula Jorge Abrahão, presidente do Instituto Ethos.

“Os investimentos públicos substituíram os investimentos privados na Copa do Mundo de 2014, especialmente em relação aos estádios”, avalia Jorge Abrahão, presidente do Instituto Ethos. Ele relembra que, quando o Brasil foi escolhido como sede da Copa, dizia-se que entre 60% e 70% dos investimentos seriam privados.

A declaração de Abrahão, feita em entrevista para a rádio CBN na última sexta-feira (22/7), foi motivada pelo debate sobre o investimento de dinheiro público no futuro estádio do Sport Club Corinthians Paulista, anunciado na semana passada.

O estádio privado, localizado na Zona Leste da capital paulista, receberá os R$ 820 milhões necessários para sua construção em incentivos governamentais, entre empréstimos subsidiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e em títulos de isenção fiscal da prefeitura de São Paulo. O governo estadual ainda se comprometeu com o investimento necessário para a instalação de arquibancadas móveis, a fim de que o futuro estádio tenha capacidade para 68 mil espectadores e possa receber a abertura da Copa do Mundo de 2014.

Em 20/7, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, sancionou o Projeto de Lei 288/11 para garantir até R$ 420 milhões à construtora Odebrecht em Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs). Esses CIDs poderão ser usados para pagamento de impostos e taxas municipais, como o ISS e o IPTU, sejam pagamentos da própria Odebrecht ou de terceiros.

“Hoje, mais de 90% dos gastos com os estádios para a Copa do Mundo no Brasil serão públicos”, calcula Jorge Abrahão. O Instituto Ethos lidera uma iniciativa para monitorar os investimentos públicos na Copa do Mundo e na Olimpíada: o projeto Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios. “A idéia é envolver mais a sociedade no acompanhamento dos investimentos públicos. O álibi, hoje, é a Copa e os Jogos Olímpicos”, explica Abrahão.

Outras arenas

Os recursos públicos investidos na arena de São Paulo superam proporcionalmente e em números absolutos o que deve ser destinado aos dois outros estádios privados também escolhidos como sede para a Copa do Mundo no Brasil: o Beira-Rio, em Porto Alegre, e a Arena da Baixada, em Curitiba.

A reforma da Arena da Baixada está orçada em R$ 175 milhões, conforme fontes oficiais. Inicialmente a reforma iria custar R$ 135 milhões e seria dividida entre o Clube Atlético Paranaense, que investiria R$ 45 milhões, e a emissão de R$ 90 milhões em créditos de potencial construtivo pela prefeitura de Curitiba, que seriam vendidos pelo clube para custear o investimento.

Potencial construtivo é um mecanismo utilizado pela prefeitura de Curitiba desde a década de 1980, o qual permite que uma construtora adquira o direito de construir um edifício mais alto e com maior área, em regiões determinadas pela Lei de Zoneamento, e, em troca, repasse dinheiro para uma obra de interesse público.

Com o reajuste do orçamento, provocado por exigências da FIFA, de acordo com a prefeitura e a diretoria do Atlético-PR, uma parte do dinheiro necessário, cerca de R$ 40 milhões, ainda não tem origem definida. O estádio não pediu, até agora, financiamento para o BNDES.

Em Porto Alegre, dois estádios com incentivos

Para agradar gregos e troianos, ou melhor, gremistas e colorados, a então governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, assinou a lei estadual nº. 13.526/2010, que concedia isenção do ICMS, principal imposto estadual, para obras de construção e reforma de estádios tanto para o Internacional quanto para o Grêmio. O incentivo era limitado a R$ 30 milhões.

O Estádio José Pinheiro Borda (Beira-Rio), de propriedade do Internacional, está sendo reformado e foi escolhido pela FIFA para receber os jogos em Porto Alegre. A obra estava inicialmente orçada em R$ 130 milhões. Hoje, só de recursos empenhados, já estão previstos R$ 141 milhões. E não foi feito pedido de financiamento para o BNDES até agora.

Já o Grêmio fez um acordo com a construtora OAS para ceder o terreno de seu atual estádio, o Olímpico, pela construção de uma nova arena, maior e mais moderna, porém numa região menos valorizada da cidade. A OAS vai poder administrar e ficar com 75% dos lucros do novo estádio por 20 anos. Após esse período, a obra será repassada ao time gaúcho. Na prática, a lei 13.526/2010 garantiu uma redução nos custos para a OAS.

Por Pedro Malavolta (Instituto Ethos)
 
Fonte: Instituto Ethos

Loja nos EUA venderá apenas produtos sem embalagem


Por: Redação TN / EcoD


Depois de Londres, é a vez dos Estados Unidos abrirem uma loja totalmente package-free, ou seja, livre de embalagens. Semelhante à londrina Unpackaged, a In.gredients não pretende fornecer nenhum tipo de embalagem para seus produtos e quer estimular os clientes a levarem suas próprias sacolas e compartimentos na hora das compras. Segundo os irmãos, Lane, idealizadores do projeto, 40% dos resíduos gerados por uma residência estadunidense são provenientes das embalagens. Veja o vídeo.

Para agravar a situação, muitas delas são utilizadas somente uma vez antes de irem para o lixo. Para ajudar a combater esse desperdício e mostrar uma opção viável para o varejo alimentar, a loja pretende eliminar completamente as embalagens das prateleiras.

Assim, os compradores deverão levar de casa as sacolinhas com fechamento zip lock, compotas de plástico e vidrinhos de conserva. Na loja, basta pesar a embalagem levada de casa, enche-la com a mercadoria desejada e pesá-la novamente – pagando apenas a diferença. Quem esquecer de levar a própria embalagem poderá comprar opções biodegradáveis que serão disponibilizadas na loja.

Além de reduzir a embalagem, a iniciativa também reduz o desperdício de comida, já que devido ao tamanho das embalagens, muitas pessoas acabam comprando mais do que consomem – sem poder optar pela quantidade exata que precisa.

“Não existe lixo na natureza. Lixo é uma invenção humana. Como bons criados do nosso ambiente, nossa principal prioridade é reduzir a quantidade de lixo que produzimos e reutilizar o que temos. Ser livres de embalagens limita radicalmente a nossa geração de resíduos. Nosso negócio vai ser lixo zero; sua casa pode ser também” - irmãos Lane.

Além de reduzir a produção de lixo, a loja se compromete a dar sempre preferência a produtos locais e orgânicos, a estimular o consumo consciente e a educação ambiental na comunidade e entre os clientes, e a oferecer a possibilidade de doar parte do valor gasto no mercado para ONGs com as quais a In.gredients esteja envolvida.

Entre os produtos que serão comercializados na loja estão grãos orgânicos (arroz, feijão, aveia, cereais), especiarias, chás de folhas soltas e grãos de café, frutas secas e castanhas, ingredientes naturais para panificação (farinhas, açúcares, fermento), óleos (vinagre, azeite), laticínios (leite, iogurte, ovos, queijo), cerveja e vinho locais (os compradores deverão levar coolers e garrafas limpas e vazias), e utensílios domésticos (detergentes, produtos de higiene).

A loja será construída em Austin, no Texas, mas a data de sua inaugurarão só será informada em agosto. Segundo os irmãos Lane, a abertura acontecerá ainda em 2011. Quem quiser contribuir com o projeto com doações pode entrar em contato através do e-mail ingredients@brotherslane.com 

Fonte: TN Sustentável

Retirada do lixo flutuante da Baía de Guanabara durante os Jogos Mundiais Militares


Assista matéria da TV Brasil sobre os esforços de limpeza da Baía de Guanabara durante os Jogos Mundiais Militares. O trabalho contou com a participação de equipe do Projeto Grael, que operou a sua embarcação especial para a retirada do lixo flutuante da Baía.

Cidade olímpica e sustentável: serei palestrante no evento do jornal O Globo.


Para facilitar a leitura clique na imagem para ampliá-la.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Torben Grael vence Tour de France a la Voile com Bertrand Pacé


Rio de Janeiro (RJ) - Pelo segundo ano consecutivo o francês Bertrand Pacé conquistou o Tour de France a la Voile, ou a Volta da França a Vela. Pacé e sua tripulação do Sud de France / Languedoc-Roussillon ganharam com a ajuda do tático brasileiro Torben Grael na última etapa da competição. O forte vento Mistral impediu os barcos de competir nas duas últimas regatas barla-sota, em Seyne-sur-Mer no domingo e a equipe comandada pela lenda francesa, que vai liderar o Team Aleph na próxima America´s Cup, nem precisou ir para água para garantir o título.

A 34ª edição da Volta da França a Vela terminou depois de um mês de mar. Mais de 30 regatas, em 12 etapas, que começaram em Dunkerque, na costa francesa do canal da Mancha, e terminaram na Côte D´Azur, no Mediterrâneo, reuniram 16 equipes na categoria principal. Os dezesseis barcos da classe de monotipos oceânicos M34, criada especialmente para o evento, são velozes, modernos, marinheiros e apenas no trecho entre Royan e Gruissan não navegaram. Neste caso, os barcos foram de caminhão do golfo de Biscaia até o Mediterrâneo pra dar continuidade ao tour.

Brigando com o Sud de France esteve sempre o Courrier Dunkerque que terminou em segundo na classificação geral. O terceiro foi o Bretagne Credit Mutuel Elite. O brasileiro Torben Grael se juntou a Pacé nas pernas mediterrâneas da competição No total foram disputadas 34 regatas, e das 13 em que Torben participou o barco esteve em 10 pódios e venceu 5 vezes. Nada mal para um estreante na competição. "Eu fui muito bem recebido pelo Bertrand e o resto da tripulação. O barco não era o mais veloz, mas experiência de todos contribuiu. No final, acabamos vencendo e garantindo o bicampeonato para o time. Foi uma grande experiência!", declarou o maior medalhista olímpico do desporto nacional e da Vela mundial.

A próxima competição de Torben Grael será a segunda etapa da Mitsubishi Sailing Cup em Búzios, RJ, de 11 a 14 de agosto.

Velassessoria
Murillo Novaes
(21) 8123-4661

Wagner Victer afirma que a Baía de Guanabara estará limpa em 2016



Obras de despoluição da baía de Guanabara serão concluídas antes da Olimpíada, diz coordenador
No Rio de Janeiro e em São Gonçalo, projetos ficarão prontos já para a Copa do Mundo
Do R7, com Agência Brasil

As obras que faltavam para a despoluição da baía de Guanabara serão concluídas antes das Olimpíadas de 2016, quando já começarão a ser sentidos os seus efeitos. A previsão é do coordenador executivo do Psam (Programa de Saneamento Ambiental dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara), da Secretaria Estadual do Ambiente, Gelson Serva.

O Psam substituiu o antigo PDBG (Programa de Despoluição da Baía de Guanabara) criado em 1992 e que se estendeu até 2006. Durante esse período, foram investidos no programa cerca de US$ 760,4 milhões, englobando US$ 349,3 milhões do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), US$ 162,8 milhões do Jbic (Banco de Cooperação Internacional do Japão) e US$ 248,3 milhões de contrapartida do governo fluminense.

A partir de 2006, têm sido aplicados no Psam, com recursos do Fecam (Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano), R$ 100 milhões, em média, por ano, na despoluição da baía de Guanabara, segundo Serva.

- Vamos fazer as obras de direcionamento do esgoto, que hoje vai in natura para a baía, para as estações de tratamento de esgotos que foram construídas pelo PDBG e algumas precisam ser ampliadas. Faltaram alguns troncos [coletores] para fazer as ligações também com as redes dos municípios. Isso nós vamos concluir antes das Olimpíadas. O efeito já vai começar, mas não é completo ainda.

Segundo Serva, o programa atual conta com US$ 640 milhões, sendo US$ 450 milhões do BID e US$ 190 milhões de contrapartida do governo do Estado.

Os recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) para os projetos na capital fluminense, avaliados em R$ 450 milhões, deverão ser obtidos por meio de financiamento da CEF (Caixa Econômica Federal).

De acordo com o coordenador executivo do Psam, o grande problema na baía de Guanabara é o esgotamento, principalmente o domiciliar, uma vez que as indústrias atualmente apresentam um bom nível de nível de controle em relação aos efluentes.

- Tem é que investir para que a gente não esmoreça.

No caso do esgoto domiciliar, Serva salientou que três projetos estão no pacote de obras a serem realizadas pelo governo do Estado com recursos do PAC: a ampliação da ETE Alegria (Estação de Tratamento Alegria) e a construção de dois troncos coletores (Manguinhos e Faria-Timbó).

Dentro do pacote de financiamento do BID está o projeto de construção do tronco de esgotamento Cidade Nova, que fará ligação também com a ETE Alegria, além da troca de boa parte da rede coletora de esgoto da zona norte carioca.

Na Baixada Fluminense, serão feitas algumas ligações na Estação Sarapuí e complementadas as obras de implantação do Sistema Pavuna. Os dois projetos envolverão recursos no total de R$ 219 milhões.

- Na baixada, nós vamos investir o maior recurso do Psam.

Projetos acelerados em São Gonçalo e Rio de Janeiro

Gelson Serva afirmou que em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, está sendo desenhado um projeto para obtenção de recursos do PAC 2, visando à ampliação da estação de tratamento local.

A previsão é a de que os projetos do centro do Rio de Janeiro e de São Gonçalo sejam concluídos até o final de 2014 e os da Baixada Fluminense, até o início de 2016.

Para o presidente da Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos), Wagner Victer, os efeitos do programa de despoluição da baía de Guanabara já estão sendo sentidos pela população e tendem a melhorar com a proximidade dos Jogos Olímpicos de 2016.

- Eu não tenho a mínima dúvida em relação a isso. Hoje, já estamos próximos a 5.000 litros [de esgoto por segundo, sendo tratado]. Praticamente, mais do que duplicou em quatro anos.

Na ocasião, quando começou a gestão do programa, 2.000 litros por segundo de esgoto passavam por tratamento secundário na baía de Guanabara.

Isso fez com que algumas praias, como a da Bica, na Ilha do Governador, apresentassem melhorias significativas nas suas condições de "balneabilidade", de acordo com o Inea (Instituto Estadual do Ambiente).

Victer destacou que são “as melhores condições dos últimos 20 a 30 anos”. Ele aposta que com o conjunto de obras programadas, “bem antes dos Jogos de 2016 nós vamos ter uma posição excepcional na baía de Guanabara para a realização das provas [náuticas]”.

A melhoria da poluição no local foi mostrada, segundo Victer, durante os Jogos Mundiais Militares, encerrados no último domingo (24). O presidente da Cedae observou, entretanto, que devido à topografia do Rio de Janeiro, a baía não recebe só esgoto.

"A melhoria da poluição no local foi mostrada durante os Jogos Mundiais Militares, encerrados no último domingo (24)". Wagner Victer

- Ela recebe a drenagem de chuvas. Então, muitas vezes, por mais que você tire o esgoto, a sujeira e a falta de educação ambiental, com as pessoas jogando lixo nas ruas, acabam indo para a baía de Guanabara.

Ele acrescentou que a falta de descarte correto do lixo é o grande problema a ser vencido no país.

Fonte: R7

Agência Brasil repercute o problema da poluição da Baía de Guanabara

Embarcação "Águas Limpas", especialmente desenhada para retirar o lixo flutuante, volta ao Parojeto Grael lotada de lixo retirada da Baía de Guanabara.

Ambientalista defende ações integradas para concluir despoluição da Baía de Guanabara
Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – O ambientalista David Zee, professor das universidades do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e Veiga de Almeida, avalia que a despoluição da Baía de Guanabara ainda demandará muitas ações para poder se tornar uma realidade, sobretudo antes das Olimpíadas de 2016. “Vejo muita intenção, muita vontade, mas ação efetiva, específica, vejo pouca”, analisou em entrevista à Agência Brasil.

O professor ressaltou que o crescimento dos municípios no entorno da baía é muito maior do que a capacidade de fazer as medidas de proteção contra a poluição nessa área. Zee defendeu uma ação conjunta dos governos municipais e estadual, com apoio do governo federal. “Os municípios sozinhos não têm condições de atender tudo, não dispõem de corpo técnico adequado nem de recursos.”

Do mesmo modo como foi criada a Autoridade Pública Olímpica, órgão que vai coordenar a organização dos Jogos de 2016, o ambientalista e oceanógrafo sugeriu que seja instituída uma estrutura para a recuperação da Baía de Guanabara, “para que haja, efetivamente, recursos canalizados e uma ação integrada de todos os municípios”.

Ele considera que as obras programadas pelo governo fluminense na área de esgotamento sanitário não são suficientes e acredita que é difícil chegar a 2016 com a baía limpa. “Só vejo acontecer alguma coisa quando há alguma denúncia ou reclamação.” Para o ambientalista, o saneamento ambiental deveria ser a primeira opção na lista de prioridades, por ser a que traz “mais legado para a qualidade de vida da população”.

O presidente do Instituto Rumo Náutico, Axel Grael, ex-titular da antiga Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente (Feema), mostrou-se cético em relação à despoluição da Baía de Guanabara. “Se os Jogos Olímpicos tivessem sido na semana passada, eu acho que teria sido uma péssima repercussão para a cidade do Rio de Janeiro, porque a baía estava muito suja. Tinha muito lixo.”

O Projeto Grael, que ele dirige, cedeu na semana passada uma embarcação específica para tirar o lixo flutuante da baía durante os Jogos Mundiais Militares. Segundo Grael, os velejadores reclamaram da quantidade de lixo.

Os jovens que integram o projeto, a bordo da embarcação Águas Limpas, recolhem entre 50 quilos (kg) e 80kg de lixo diariamente na Baía de Guanabara. No dia 3 de junho, durante uma gincana ecológica, foram recolhidos 300kg de lixo. Garrafas PET e pneus são a maioria do lixo encontrado.

Grael reconheceu que, na parte de saneamento, houve avanços na área de redução da poluição industrial, assim como melhorias recentes no que se refere à dragagem. “Mas ainda é muito cedo para afirmar que a gente já está tendo resultados visíveis”, avaliou. “Há um longo caminho pela frente.”

A candidatura do Rio de Janeiro para sediar as Olimpíadas apresentou a proposta de solução dos passivos ambientais: despoluir a Baía da Guanabara e a Lagoa de Jacarepaguá e melhorar a qualidade do ar. “Cumprir o que prometemos é um desafio enorme, só que temos que fazer”, disse. Segundo ele, o problema é que a velocidade com que se avança nas obras é menor do que a necessário para atingir as metas.

Axel Grael destacou que solucionar o problema do lixo é essencial para a realização das provas olímpicas no mar. “Um velejador ter um saco plástico ou galho preso na quilha ou no leme de um barco, isso simplesmente condena o azarado a perder várias posições. Seria um objeto de protesto alguém perder uma medalha porque ficou com um plástico preso na embarcação, seria uma repercussão horrorosa para a gente.”

Também diretor do Instituto Baía de Guanabara (IBG), ele acredita que, para resolver o problema do lixo, será fundamental avançar na legislação e nas campanhas nacionais e estaduais que procuram desestimular o uso de sacolas plásticas. Esse material não só polui os rios e mares, como provoca a morte de animais, entre os quais tartarugas e peixes.

O IBG foi fundado em 30 de julho de 1993 e tem como objetivos o estudo, a pesquisa e a solução dos problemas ambientais, sociais e urbanos.

Edição: Juliana Andrade
--------------------------------------
Fonte: Agência Brasil

Lars Grael esclarece: "Não sou candidato a prefeito"

"A notícia não tem o menor fundamento", Lars Grael.

Reproduzimos, a seguir, nota publicada por Lars Grael em seu site.


Fonte: Lars Grael
Nota de Esclarecimento
18/7/2011 15:48:15


Face à notícia divulgada no jornal "O Globo" na sessão Niterói neste domingo dia 17 de julho, venho a afirmar o seguinte:


* A notícia não possui o menor fundamento.
* Não sou candidato a Prefeito.
* Possuo residência no Rio de Janeiro.
* Não possuo filiação partidária.
* Meu título eleitoral está na minha cidade natal, São Paulo.
* Tenho a maior parte da minha vida vivida em Niterói aonde sou cidadão (título da Câmara Municipal); Medalha do Mérito Araribóia; fundador e conselheiro do Projeto Grael (Charitas); Presidente do Conselho do Rio Yacht Club (Estrada Fróes). Possuo imóvel em Niterói (São Francisco). 2 filhos nascidos na cidade (Trine e Nicholas). Homenageado ainda por colégios, Clube Naval de Charitas, Praia Clube São Francisco; Clube de Regatas Icaraí; Iate Clube Brasileiro, Rotary Club; Universidade Federal Fluminense; Plaza Shopping e Sócio Honorário do Jurujuba Iate Clube.
* Meu carinho por Niterói e compromisso como cidadão Niteroiense, é muito grande. Nela desenvolvemos há 13 anos o Projeto Grael através do Instituto Rumo Náutico com forte contribuição para a inserção social através do esporte e grande alcance na questão da conscientização ambiental.
* Acho até que Niterói deveria passar por profunda transformação no quadro político buscando renovação, gestão moderna e transparente e um plano urbano que permita um crescimento sustentável que previna a verticalização e crescimento geográfico das edificações sem a menor infra-estrutura urbana compatível com este crescimento.
* Sempre disposto a contribuir com propostas e idéias, subscrevo-me.


Lars Grael

Paquetá Sustentável: cresce a participação e avança a formulação de propostas



A iniciativa Paquetá Sustentável, que reúne um grupo de moradores e amigos da Ilha de Paquetá, tradicional bairro do Rio de Janeiro localizado no coração da Baía de Guanabara, está ganhando força e consistência. Partindo de uma proposta inicial do líder empresarial José Luiz Alquéres, ex-presidente da Associação Comercial do Rio de Janeiro, a iniciativa avança para ações efetivas de mobilização, que levarão às mudanças desejadas.

Várias reuniões para a articulação de ideias e propostas já aconteceram entre atores sociais da própria ilha e colaboradores de fora tem alimentado um grupo de discussão que repercute estes resultados.

Regata Cristo Redentor 80 Anos, dia 13 de agosto

Dos debates iniciais, surgiu a proposta de Lars Grael da realização da Regata Cristo Redentor 80 Anos/Paquetá Sustentável (veja também Aviso de Regata), que mobilizará velejadores no dia 13 de agosto. A regata sairá do Rio Yacht Club (Sailing), em Niterói, e chegará a Paquetá, onde os participantes confraternizarão no Paquetá Iate Clube, poderão participar da tradicional Festa de São Roque e são convidados a aderir à Patescaria, evento promovido pelo Paquetá Iate Clube há 30 anos, no qual os barcos retornarão à Marina da Glória, no dia 14 de agosto.

Paquetá Sustentável: "toró de ideias" (brain storm)

Muitas pessoas têm se manifestado trazendo sugestões, planos, críticas e preocupações que ajudam a formatar as ações e prioridades do PAQUETÁ SUSTENTÁVEL. Como exemplo da qualidade das contribuições, publicamos, a seguir, mensagem encaminhada pelo consultor ambiental João Carlos Nascimento Alcantara, M.Sc:

Prezados,


Eu cheguei à Paquetá aos três anos de idade (1959). Filho de um ex-Piloto da Aviação Comercial e de uma Comissária de Bordo. Meu pai foi proprietário do Hotel/Pensão “Meu Cantinho”, ainda hoje funcionando na Rua Doutor Lacerda nº 63, com nova direção. Morei por aqui com meus pais até o final da minha infância e princípio da adolescência, tendo feito todo o chamado ensino primário na Escola Joaquim Manoel de Macedo. Em Paquetá aprendi a ler e a escrever o nosso idioma além de dar os primeiros passos para conhecer a língua inglesa no extinto Instituto Petersen, na Praia dos Tamoios (Casa Rosa). Orgulho-me de ter passado os primeiros anos da minha vida em um verdadeiro paraíso.

A vida estudantil e posteriormente a profissional, me afastou por mais de vinte e cinco anos consecutivos do convívio da ilha, embora minha família sempre mantivesse a propriedade do imóvel, onde, atualmente, após uma primeira aposentadoria, resido permanentemente com mulher e filhos desde o ano de 2004. Tudo o mais de minha propriedade, ficou para trás, no continente.

Recentemente, ao tomar conhecimento da existência do movimento “Paquetá Sustentável” e de suas propostas para o desenvolvimento/recuperação da ilha, confesso que me empolguei. Não só por suas propostas, as quais tomei conhecimento pela leitura de alguns e-mails trocados pelo grupo que me foram repassados pelo Francisco, como também pelo nível das pessoas que integram o movimento.

Por mais de dez anos venho trabalhando como pesquisador e consultor na área ambiental tendo no meu portfólio de serviços prestados, inúmeras consultorias a organismos internacionais, escritórios de representação no Brasil e no exterior, como o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), a FAO, a UNESCO e à UNFCCC (United Nations Framework Convention on Climate Change). Na verdade, com exceção do UNFCCC, consultorias e pesquisas prestadas no país ao Ministério do Meio Ambiente, IBAMA, Serviço Florestal Brasileiro, IPHAN, ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), Ministério da Educação, Ministério da Ciência e Tecnologia, e ao Centro de Pesquisas em Energia Elétrica (CEPEL), da Eletrobrás, trabalhos e pesquisas pagos por estes organismos.

Atualmente sou Consultor do Ministério da Ciência e Tecnologia em Projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL – Protocolo de Quioto, 1997), e doutorando do Programa de Engenharia Ambiental da Escola Politécnica da UFRJ, além de recentemente ter sido admitido como pesquisador do IVIG/COPPE da mesma Universidade, na área de Mudanças Climáticas (créditos de carbono).

Após esta “breve” apresentação (desculpem-me!), quero passar para vocês o que penso sobre a situação atual do nosso paraíso (ex?), e o que acho possível tentarmos fazer para recuperar, e por que não, trazer novidades facilitadas pela tecnologia, para realmente tornarmos “Paquetá Sustentável”.

A decadência de Paquetá teve início na década de 1970, e três são as principais razões, no meu modo de ver, para esta decadência sob o ponto de vista ambiental: (i) o aumento da poluição das águas da Baía da Guanabara; (ii) o aterro da Praia da Moreninha, realizado na gestão do ex-prefeito Marcus Tamoio; e (iii) a ocupação irregular das encostas na Ilha.

O aumento da poluição das águas da Baía da Guanabara nos últimos anos (embora recentemente reduzido), tornou por anos a balneabilidade das praias de Paquetá proibitivas para um banho de mar saudável, afastando um dos maiores atrativos que a ilha por anos carregou como apelo turístico, desvalorizando imóveis centenários aqui existentes, que acabaram abandonados por seus proprietários, alguns permanentemente fechados, sem manutenção, há décadas, e outros, invadidos, se transformando em verdadeiras “casa de cômodos”. Não fosse o regime de marés e a posição geográfica estratégica da ilha dentro da baía, teríamos em toda a volta de Paquetá verdadeiras praias de “Ramos”. Detalhe: Segundo se pode verificar nos arquivos do IPHAN, onde prestei serviços, todas as praias de Paquetá são tombadas formalmente, como patrimônios naturais nacionais.

O aterro da Praia da Moreninha, embora realizado com a melhor das intenções (prover a ilha com um espaço para melhor aproveitamento daquela praia por moradores e turistas), foi feito em uma época em que se falar em licenciamento ambiental era uma utopia. Resultado: além do material empregado no aterro não ser o recomendado (tabatinga, uma variante da argila, que quando pisada faz uma espécie de sucção nos pés dos banhistas, o que, dependendo da profundidade, pode provocar o afogamento do banhista, funcionando como areia movediça), alterou o canal natural que existia entre Paquetá e Brocoió, canal este que trazia na maré baixa a fauna ictícia e a flora marinha dos manguezais de Guapimirim, além de reter ao redor da ilha parte da poluição flutuante que era “varrida” em direção à entrada da barra, pela maré vazante.

A ocupação das encostas da ilha é outro fato alarmante, sob o ponto de vista estético e ambiental. Ocupadas inicialmente por trabalhadores da construção civil trazidos à Paquetá pela então maior loja de material de construção da ilha, trazidos do interior nordestino, pessoalmente, nos chamados “paus de arara” (saídos de Paquetá), sem qualquer direito trabalhista, estes trabalhadores, ao término das obras, recebiam como indenização, material de construção e conselhos para ocuparem os morros da ilha. E assim o fizeram. No governo Brizola, muitos ganharam a posse dos lotes invadidos. E o que se vê hoje: favelização, encostas se decompondo em face do desmatamento de uma vegetação de Mata Atlântica já secundária, e casas condenadas pela Defesa Civil, que permanecem ocupadas por inúmeras famílias, sob a complacência de um “Administrador Regional” questionado por muitos, nomeado por indicação política de um vereador que usa Paquetá como parte do seu curral eleitoral.

Muitas das construções existentes nas encostas de Paquetá, hoje, já são de propriedade de alguns poucos, moradores no “chão” da ilha, estando alugadas para famílias humildes ou recém-chegadas à Paquetá, que sobrevivem de pequenos “bicos” ou da venda de bebidas, doces e salgados no comércio informal pelas ruas e praias. Levantamento que fiz, informalmente, deu-me condições de estimar que em nossa ilha atualmente cerca de trinta por cento dos imóveis construídos não existam formalmente para a Prefeitura (RGI e IPTU), e que muitos têm fornecimento de água, energia e recentemente, até de TV por satélite, compartilhados, por meio dos chamados “gatos”.

Inúmeras construções ou reformas de vulto, nos últimos anos, foram realizadas em Paquetá sem licenciamento da Prefeitura, com alguns imóveis centenários sendo transformados em dez, vinte unidades, de sala e quarto, para aluguel. A maioria destas obras (e talvez todas), sem licença da Prefeitura, capitaneadas por conhecido “novo rico” de Paquetá (recentemente homenageado por Jorge Fernando, Diretor da Globo e proprietário na ilha, em recente Programa do Faustão), comerciante, dono do mercado em sociedade com o irmão, que possui atualmente cerca de 38 imóveis somente em Paquetá, como seu filho comenta para amigos e de peito aberto (todos em nome do seu sogro, viúvo, que por sua vez é pai de filha única).

Porque comento isto? Alguma rusga direta com o cidadão? Inveja? Antipatia? Não, absolutamente. A questão é meramente ambiental!

Sobrecarga no fornecimento de energia elétrica e de água para Paquetá, além da constante descaracterização do ambiente histórico de uma ilha tombada, com ocupação irregular de parte das calçadas com jardins suspensos, de gosto duvidoso, além de inúmeras ligações clandestinas de esgotos (que desembocam nas praias) na precária rede de águas pluviais existente.

No meu modo de ver, Paquetá para ser sustentável, na acepção da palavra, necessita ser quase que independente do continente. Em primeiro lugar, dentro da estrutura administrativa do município, teria de deixar de ser uma mera Região Administrativa e ser transformada em uma Sub-Prefeitura.

Independentemente desta transformação em Sub-Prefeitura, sem sermos utópicos, já que existe tecnologia suficiente, podemos ser independentes do continente tanto no abastecimento de água, no de energia elétrica, no de pescado para consumo e comercialização com enormes lucros, e até em parte na área de complementação da alimentação.

Mas como? Vamos lá.

Abastecimento de água – A histórica pluviosidade registrada no Município do Rio de Janeiro ao longo dos anos, e particularmente, em Paquetá, nos permite conduzir um projeto viável de aproveitamento da água de chuva que cai regularmente em Paquetá que, após o devido tratamento, ficaria tão potável ou ainda até de melhor qualidade do que a água fornecida atualmente pela CEDAE aos ilhéus, a custo muito mais barato. Existem diversos terrenos do Estado e do Município, alguns inclusive da própria CEDAE, em Paquetá, que poderiam abrigar o Projeto. Pergunto: Vocês conhecem alguma coisa mais sustentável do que isto?

Energia Elétrica – Projetos de energia solar de média escala (caso de Paquetá) são conhecidos no mundo inteiro. Da mesma forma que no caso da água, o Município e o Estado têm terrenos em Paquetá que poderiam abrigar o projeto. Tenho experiência na matéria por ter feito pesquisas por três anos no Centro de Pesquisas em Energia Elétrica da Eletrobrás, na Ilha do Fundão, onde estudei a viabilidade de um projeto deste tipo no município de Barra, na Bahia. Um investimento deste tipo se paga em cinco anos, com um TIR (Taxa Interna de Retorno) de 10% a.a. Seriam aproveitadas todas as fiações, postes, transformadores, etc., da Light, ou se quisermos uma aparência ainda melhor, passar esta mesma fiação para subterrânea, em toda a ilha.

Hortas Comunitárias – Não preciso me estender no assunto, já que é objeto de diversas divagações e há bastante tempo pelo grupo, e acabaria com o atual monopólio praticado pelo tal comerciante comentado acima, que aqui vende hortifrutigranjeiros a preços absurdos para a população.

Coleta Seletiva de Lixo – Outro assunto já discutido por muitos por aqui na ilha, e que nunca foi colocado em prática. De minha parte posso afirmar que a pior das situações para o desenvolvimento do projeto é a falta de dados (a dificuldade de obtê-los), seja das Barcas S/A, do comercio local, da própria COMLURB, e até do UISMAV (hospital local). Daria empregos para a comunidade com geração renda para inúmeras famílias, além de enquadrar perfeitamente Paquetá na Agenda 21 da ONU, e na Política Nacional de Resíduos Sólidos, recentemente aprovada pelo Congresso Nacional. Nosso ambiente fechado (ilha) facilitaria o manejo do nosso próprio lixo, dando verdadeira sustentabilidade ao projeto.

Criação de Robalo em cativeiro – Já existe tecnologia para criação com sucesso desta espécie nobre de peixe em cativeiro no Brasil e esta tecnologia eu conheci recentemente. Estimo que no caso de Paquetá, este projeto, quando em operação, criaria cerca de 40 empregos diretos e cerca de 20 indiretos para a população mais carente da ilha.

Nem tudo por aqui é desastre, ganância ou coisa que o valha, existindo excelentes iniciativas como as que vêm desenvolvendo a Casa de Artes, embora suas atividades, do pouco que conheço, não sejam a minha “praia” especificamente.

Não vou mais me estender, e peço sinceras desculpas pela extensão do texto.

No entanto, gostaria que o mesmo tivesse a devida divulgação aos interessados por uma Paquetá realmente Sustentável, encontrando-me à disposição de todos vocês.

Forte abraço a todos.

João Carlos Nascimento Alcantara, M.Sc.
Environmental Engineering Programme
Federal University of Rio de Janeiro.
Additional e-mail: jcnalcantara@poli.ufrj.br

------------------------------------------
Mais informações:

Veja a página do Paquetá Sustentável no Facebook
Projeto Grael participa da iniciativa Paquetá Sustentável
Regata Cristo Redentor 80 Anos/Paquetá Sustentável - Aviso de Regata