sábado, 25 de fevereiro de 2012

Lars Grael fala a colunista da Revista Época sobre mais um acidente de jetski

Grazielly e o jet ski assassino


Ninguém ficará preso pela morte de Grazielly. É a impunidade que estimula barbaridades como essa?


RUTH DE AQUINO

RUTH DE AQUINO
é colunista de ÉPOCA
Era a primeira vez que Grazielly Almeida Lames ia à praia, aos 3 anos. Pais sabem como tudo é festa nesse dia, eternizado em álbuns de família ou vídeos. Crianças brincam com areia, baldinho e água de um jeito maravilhado, que se perde com o avançar dos anos. O primeiro banho de mar de Grazielly também foi o último. Um jet ski desgovernado e em alta velocidade, ligado por um adolescente de 13 anos que caiu ao tentar pilotar a máquina, atingiu a cabeça loura de Grazielly. Deitada de bruços, ela se preparava para fazer um castelinho de areia. E morreu.

“Só vi aquele vulto vindo atrás de mim, batendo na cabeça da menina”, disse a mãe, Cirleide, de 24 anos. “Ela estava tão feliz.” A família é do interior de São Paulo. Mãe e filha tinham viajado para passar o Carnaval na praia de Guaratuba, em Bertioga, num condomínio. O pai, o motorista Gilson, de 33 anos, não estava no momento da tragédia. Ficou transtornado quando soube pelo cunhado. “Um jet ski é um brinquedo assassino” na mão de adolescentes, disse Gilson. “É a mesma coisa que deixar uma arma na mão de uma criança.”

Todos os possíveis culpados fugiram rapidamente sem prestar socorro. O adolescente, o pai, Marciano Assis Cabral, que tem posto de combustível em Mogi das Cruzes. E o dono do jet ski, filho e sócio do empresário José Augusto Cardoso, que hospedava o menino e sua família num condomínio. O depoimento do garoto, previsto para quinta-feira em Bertioga, não aconteceu por “medo do assédio da população e da imprensa”. Não se sabia, até o fechamento desta edição, se o adolescente de 13 anos chegou a pilotar o jet ski ou apenas deu a partida no motor.

Ninguém ficará preso pela morte de Grazielly. Nem os maiores responsáveis, os adultos que permitiram que um menino brincasse com o jet ski como quem brinca de bola na praia. O vídeo familiar mostra a menininha, que poderia ser filha, neta ou irmã de qualquer um de nós, encantada com o mar. Minutos depois, sua vida tinha acabado – e a de seus pais também. É a impunidade que estimula barbaridades como essa?

Conversei com Lars Grael, o velejador e atleta olímpico que amputou a perna num desastre no mar em 1998. “A impunidade no Brasil favorece a negligência criminosa. Pessoas continuam conduzindo embarcações a motor no meio de banhistas, surfistas e remadores porque sabem que nada vai acontecer com elas”, diz Grael.

“A impunidade no Brasil favorece a negligência criminosa. Pessoas continuam conduzindo embarcações a motor no meio de banhistas, surfistas e remadores porque sabem que nada vai acontecer com elas”, diz Grael.

O jet ski é uma motocicleta sobre a água, afirma Grael. “Se um menino pilota uma moto onde há pedestres, a chance é grande de atropelar e matar alguém. Por que há mais conscientização no asfalto que na água?” Um jet ski sofisticado alcança até 100 quilômetros por hora. As regras para seu uso existem, mas a fiscalização é risível.

O piloto de jet ski precisa ser maior de idade e ter habilitação da Capitania dos Portos. Respeitar as regras do tráfego marítimo – entre elas, a distância mínima de 200 metros para a arrebentação e os banhistas. Usar colete salva-vidas. E conectar a chave de segurança, com uma cordinha presa ao pulso. Se o piloto cai na água, a chavinha se solta automaticamente do jet ski e ele é desativado. “Muita gente conecta a chave, mas não a coloca no pulso”, diz Grael. “É um absurdo. Nesse momento, o piloto assume que está gerando um risco para os outros.”
 
“Muita gente conecta a chave, mas não a coloca no pulso”, diz Grael. “É um absurdo. Nesse momento, o piloto assume que está gerando um risco para os outros.”

No caso de Bertioga, pode existir o crime de responsabilidade passiva. Quem aluga ou empresta jet skis para alguém sem os requisitos legais deveria ser condenado por assumir conscientemente um risco. A bagunça é generalizada. Nas praias lotadas do verão, há máquinas em mau estado de conservação. O mais comum é “confiar” na palavra de quem quer alugar o jet ski.

Não são colocadas as boias de delimitação para o jet ski sair da areia e voltar. A coisa está ficando num nível tal que a Marinha passou a dotar algumas Capitanias de bafômetro, para evitar bebuns na direção dessas motos aquáticas. Mas a amostragem é ínfima.

O drama transcende os jet skis. “Todo país desenvolvido com cultura náutica tem uma Guarda Costeira, com poder de policiar, abordar e prevenir”, diz Grael. “Esse debate deveria estar no Congresso. É uma omissão nossa, constitucional. A Marinha exerce voluntariamente esse papel, mas sua função é outra, de proteger a soberania nacional.”

“Todo país desenvolvido com cultura náutica tem uma Guarda Costeira, com poder de policiar, abordar e prevenir”, diz Grael.
Para patrulhar com eficiência mais de 8.000 quilômetros de costa atlântica e mais de 40.000 quilômetros de rios, lagos e represas, o Brasil precisaria, segundo estimativas, de 3 mil embarcações e 100 mil profissionais. Estamos tão atrasados que, para pilotar uma lancha no Brasil, basta acertar metade das perguntas de um exame teórico. Não há prova prática.

Se nada for feito, continuaremos matando criancinhas. Ou chorando por elas.

Fonte: Revista Época

----------------------------------
Saiba mais sobre o assunto acessando outras postagens aqui no Blog: Segurança no mar

9 comentários:

  1. Sou mais um que apoia a ideia do Brasil criar uma Guarda Costeira. Bom saber que alguém respeitado como o Lars também apoia esta ideia !!

    Abs,

    Paulo Henrique

    ResponderExcluir
  2. Acho que a solução é tolerancia zero com relação a habilitação e documentação ,outros itens tais como extintor ,numero de salvavidas,etc deveriam ficar em segundo plano e assim sobraria mais tempo para fiscalizar ,inclusive nos clubes e marinas onde não haveria necessidade de embarcações.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Concordo com vocês, Paulo e Jorge.

    ResponderExcluir
  4. Brasil é o país que tudo pode !
    Você pode matar uma vez e ficar isento de qualquer punição ! Se tiver um advogado porta de cadeia dando cobertura, vc pode matar e matar quantas vezes quiser ! é só soltar uma propina e já está livre da Justiça !
    O Brasil é o país onde a Justiça tem um precinho camarada !!! País de Merda !

    ResponderExcluir
  5. Francisco José A. Moreira6 de março de 2012 22:43

    Que bom ver uma personalidade como Lars Grael se manifestando diante de mais uma tragédia em águas brasileiras. O descaso e a falta de preparo de nossas autoridades federais são cúmplices dos inúmeros dramas irreparáveis vividos em nosso litoral. Cabe a nós, povo brasileiro, exigir daqueles senhores e senhoras que nos representam em Brasilia, que honrem os nossos votos e façam o necessário para que mortes, como da pequena Grazielly não ocorram mais. NUNCA MAIS!

    ResponderExcluir
  6. O Brasil não precisa criar a guarda costeira, a marinha já tem o poder de policia no mar. A guarda costeira não mudaria nada, porque ela faria o mesmo que a marinha, da mesma forma, e com os mesmo meios(navios, etc), e acabaria custando mais caro. A solução é equipar a marinha para que ela possa operar, não criar um outro órgão, vamos usar o que já existe.

    ResponderExcluir
  7. ah, um dos motivos para quererem a guarda costeira deve-se a questão de salvamento no mar, como no filme anjos da vida: mais bravos que o mar, e eu afirmo, a marinha tem taxa de 95% de sucesso em seus salvamentos em todo o litoral Brasileiro.

    ResponderExcluir
  8. Jefferson.

    Respeito o seu argumento, assim como tenho muito respeito pela nossa Marinha. Temos muitos amigos na Marinha e muitos destes consideramos referências de cidadania e dedicação ao país.

    Este tema - Guarda Costeira - sempre gera polêmica nos debates, principalmente por uma reação de quadros da Marinha.

    Acho esta uma postura equivocada. Ter uma Guarda Costeira não é um desprestígio ou perda de poder para a Marinha. Sequer seria uma perda de recursos, uma vez que estes recursos são hoje tão irrisórios para as necessidades do país que é como se não existissem.

    Defendo que a Guarda Costeira esteja no âmbito do Ministério da Marinha. Acho que é uma atividade específica. A Marinha é uma força imprescindível para resguardar a nossa soberania e tem uma tradição secular de cumprir esta tarefa. Para as rotinas de vigilância das nossas águas precisamos de outras capacitações, outra logística (no mar, rios, hidrovias, lagoas, represas, etc) e muito mais efetivo.

    Assim como o país conta com as suas Forças Armadas e polícias estaduais e guardas municipais, poderíamos ter a mesma cooperação federativa.

    Uma coisa é certa: como está não está funcionando. O motivo pode ser de falta de verbas, como você afirma, mas creio que é também de gestão, estrutura e concepção institucional. Os esforços da Marinha não são suficientes. O Brasil precisa de mais.

    Axel Grael

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não acha que um modelo de guarda costeira municipal como este realizado em praia grande(http://www.diariodolitoral.com.br/index.php/cidades/14-noticias/cidades/269-praia-grande) resolveria esse problema de fiscalizar embarcações irregulares?
      Por que o foco da marinha é fiscalizar navios em alto mar(petróleo,navios mercantes, de transporte de cargas, barcos peixeiros) entrando no mar territorial do Brasil, não o litoral próximo a terra, ou seja a praia. Acho que essa medida do município de praia grande em conjunto com a capitania dos portos(marinha) de assumir o papel de fiscalizar seu litoral é bastante aceitável, visto que desde que criada não é registrado casos de acidentes. O que eu quis quis dizer é que o Brasil não precisa criar uma guarda costeira nos moldes de EUA, que tem a guarda costeira mais poderosa que muitas marinhas juntas.

      Excluir

Contribua. Deixe aqui a sua crítica, comentário ou complementação ao conteúdo da mensagem postada no Blog do Axel Grael. Obrigado.